🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-16T10:39:34-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mercado de capitais

Conheça as novidades do marco de securitização, que vai engrossar a sopa de letrinhas dos investimentos

Novo marco de securitização lançou duas novas formas de investimento — o CR e a LRS — e ampliou setores que podem captar recursos de investidores, incluindo seguros

16 de março de 2022
10:39
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, na cerimônia de lançamento do novo marco de securitização
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, na cerimônia de lançamento do novo marco de securitização - Imagem: Alan Santos/PR

O mundo dos investimentos é marcado por uma verdadeira sopa de letrinhas, com siglas que dão nome aos diferentes produtos. Pois o governo decidiu mexer e engrossar esse caldo com o novo marco de securitização.

A medida provisória editada na terça-feira lançou duas novas formas de investimento — o CR e a LRS. As duas siglas vão ampliar o leque de setores que podem captar recursos de investidores no mercado, incluindo o de seguros.

Conheça a seguir as novidades do marco de securitização, incluindo o que significa cada uma dessas novas letras no cardápio dos investimentos.

Certificado de recebíveis (CR)

O certificado de recebíveis (CR) é um título com lastro em créditos detidos por uma empresa. O instrumento poderá ser usado, por exemplo, como uma forma de uma companhia antecipar os recursos que têm a receber de clientes "empacotando" esses recebíveis.

Em outras palavras, a emissão de CR é uma forma de as empresas captarem recursos diretamente de investidores no mercado de capitais — ou seja, fora dos bancos.

Nesse caso, o risco para o investidor é o de inadimplência dos clientes, e não da empresa. A legislação prevê que a emissão do CR fique a cargo de uma empresa de securitização, justamente para evitar possíveis fraudes.

O CR não é necessariamente uma novidade. Se você conhece um pouco o mercado de securitização, já deve ter ouvido falar ou mesmo investido em certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA).

Como o CRI e o CRA têm um funcionamento bem parecido, governo decidiu unificar as regras de ambos os instrumentos no marco de securitização. Mas com uma diferença: O CR não contará com isenção de imposto de renda para o investidor.

Letra de riscos de seguros (LRS) no marco de securitização

A principal novidade do novo marco de securitização, contudo, foi incluir um novo tipo de instrumento financeiro no mercado: a letra de riscos de seguros (LRS).

A LRS vai funcionar de forma parecida com os certificados de recebíveis, mas nesse caso os títulos serão vinculados a uma carteira de apólices de seguros e resseguros.

O risco para o investidor da LRS, como diz o próprio nome, é o mesmo de uma seguradora. Ou seja, o ganho pode ser comprometido no caso de uma ocorrência muito grande de sinistros na carteira que dá lastro aos títulos.

Assim como acontece nos certificados de recebíveis, o emissor da LRS não será uma seguradora, mas uma Sociedade Seguradora de Propósito Específico (SSPE) — outra sigla nova no mundo dos investimentos que surge com o marco de securitização.

Quando o marco de securitização entra em vigor?

A criação dos novos instrumentos no marco de securitização foi feita por medida provisória. Mas para o CRs e a LRS chegarem ao mercado ainda vão depender de regulações específicas.

Então ainda será preciso aguardar tanto por decisões do Conselho Monetário Nacional (CMN), como da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e os reguladores do mercado de seguros.

Leia também:

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NOITE CRIPTO

Sem fôlego: bitcoin (BTC) opera em alta, mas ainda não volta para os US$ 20 mil; entenda por quê

Apesar do respiro desta sexta-feira (1), o bitcoin ainda sente todo o peso de um Federal Reserve mais agressivo contra a inflação. A semana também não foi tão positiva assim com o noticiário do universo digital.

VAI TER QUE PAGAR!

Um acordo de milhões: Petrobras (PETR4) se entende com a ANP sobre royalties da operação de xisto no Paraná

Segundo a estatal, o acordo envolve o pagamento de R$ 601 milhões pela companhia — um montante que já foi provisionado nas demonstrações financeiras

CASOU!

Enfim, sós! Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) consumam combinação de negócios; confira detalhes

Por conta do enlace, hoje foi o último dia de negociação das ações de emissão da Unidas na B3

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa começa julho com o pé direito, o reforço de caixa da MRV (MRVE3) e a semana em cripto; confira os destaques do dia

Que sexta-feira costuma ser o dia da semana favorito de muita gente não é novidade, mas você já reparou na tendência que temos de tentar fazer dele o mais leve de todos para não atrapalhar o descanso do fim de semana? Seja no escritório ou no mercado financeiro, o último dia útil é o momento […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa dá uma pausa nas perdas e sobe 0,29% na semana, mas dólar dispara e chega a R$ 5,32

O começo de julho foi mais animador para o Ibovespa, mas as dificuldades seguem pressionando o câmbio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies