🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-14T18:27:41-03:00
Carolina Gama
FECHAMENTO DO DIA

Bolsas de Nova York: S&P 500 fecha em queda de 0,42% e Nasdaq fica estável com ameaça russa sobre a Ucrânia

Possibilidade de uma guerra a qualquer momento segue no radar dos investidores assim como os sinais de que o Federal Reserve subirá juros mais vezes para conter a inflação

14 de fevereiro de 2022
18:24 - atualizado às 18:27
EUA
Imagem: Shutterstock

A combinação do conflito entre Rússia e Ucrânia com as chances cada vez maiores de uma elevação mais agressiva da taxa de juros pelo Federal Reserve (Fed) voltou a pressionar as bolsas dos Estados Unidos nesta segunda-feira (14). 

Os três principais índices da bolsa norte-americana terminaram o dia no vermelho. O Dow Jones caiu 0,49%, aos 34.565,78 pontos; enquanto o S&P 500 baixou 0,42%, aos 4.401,75 pontos; e o Nasdaq ficou estável em 13.790,92 pontos. 

Nos últimos dias, os investidores têm lidado com uma possível guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Um telefonema no fim de semana entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente russo, Vladimir Putin, para impedir um ataque de Moscou a Kiev não conseguiu avanços.

Mas comentários do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, sugerindo que a Rússia continuaria as negociações diplomáticas com o Ocidente sobre a Ucrânia, reduziu um pouco as tensões após uma liquidação do mercado na sexta-feira (11).

Na sexta-feira, Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq caíram quando a Casa Branca alertou que uma guerra poderia começar “a qualquer momento” e pediu aos norte-americanos que saíssem “imediatamente” da Ucrânia. 

A guerra do juros

Não é só o conflito armado entre Rússia e Ucrânia que vem deixando os investidores em alerta. Em outro front, o da política monetária, as tensões provocadas por elevações de juros mais agressivas também mexem com as bolsas lá fora. 

GUIA PARA BUSCAR DINHEIRO: baixe agora o guia gratuito com 51 investimentos promissores para 2022 e ganhe de brinde acesso vitalício à comunidade de investidores Seu Dinheiro

Mais cedo, o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, disse à CNBC que o banco central norte-americano precisava combater a inflação de forma mais agressiva, ecoando comentários que fez na semana passada que pressionaram o mercado de ações. 

Na quinta-feira (10), o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos informou que a inflação em janeiro acelerou para 7,5% - o maior avanço em 12 meses desde 1982

Em meio a esse cenário, os mercados passaram a prever um aumento de 50 pontos base, ou 0,5 ponto percentual, na reunião de março do Fed. 

Bolsas europeias na mira do conflito e dos juros

Os mercados europeus também não conseguiram escapar dos efeitos do conflito entre Rússia e Ucrânia e do iminente aperto monetário mais agressivo nos Estados Unidos. 

Prova disso é que o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 1,8%, com  todos os setores e principais bolsas em território negativo.

Vários países na Europa pediram a seus cidadãos que saíam da Ucrânia em meio a temores de uma iminente invasão russa, depois que o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, alertou no domingo (13) que o Kremlin acelerou seu extraordinário acúmulo de forças militares ao longo da fronteira do país nos últimos dez dias.

Os mercados globais também estão em turbulência desde que a inflação surpreendentemente alta nos Estados Unidos na semana passada, levou Bullard a pedir um ponto percentual de aumento e juros antes de julho.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

PROBLEMA DE INTERPRETAÇÃO?

A Tesla não é verde? Depois da empresa de Elon Musk ser excluída de índice ESG, CEO diz que bilionário não entende o significado da sigla

De acordo com a presidente executiva da Clarity AI, Rebeca Minguela, Musk pode ter pensado que o ESG mede apenas os impactos ambientais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies