2022-01-20T08:33:45-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Operação de venda

Nubank está caro? Empiricus recomenda short no roxinho e vê potencial de queda de 70% de NUBR33

Casa de análise recomenda posição vendida nos BDRs do banco digital e considera seu valuation atual “inaceitável”. Potencial de queda do papel seria de 70%

19 de janeiro de 2022
17:00 - atualizado às 8:33
Homem segurando um smartphone com o aplicativo do banco na tela e o cartão Nubank (NU/NUBR33) na mesa
Imagem: Shutterstock

Não é segredo para ninguém que o Nubank, embora seja uma empresa bastante admirada por clientes, competidores e analistas, chegou ao mercado de capitais por um preço um tanto... salgado.

Avaliado por mais de US$ 40 bilhões na sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) - um valor superior ao do Itaú, então maior banco da América Latina -, o roxinho foi considerado caro por muitos analistas e gestores, apesar das perspectivas otimistas de todos com a companhia.

Ainda assim, muita gente com bala na agulha resolveu dar um voto de confiança para a fintech e embarcar no seu IPO (oferta pública inicial de ações), o que fez com seus papéis saíssem pelo topo da faixa indicativa, aos US$ 9, e estreassem em alta.

De lá para cá, as ações do Nubank (NU) acumulam queda de mais de 13% desde o início das negociações em dezembro; já os BDRs, recibos de ações negociados na B3 sob o código NUBR33, acumulam baixa de cerca de 8%.

E, na opinião dos analistas da Empiricus, essa queda é só o começo. Para eles, as ações do Nubank ainda estão caras, e não só devem cair mais - para se adequar ao seu preço justo - como o investidor pode apostar dinheiro nisso.

A casa de análise, que faz parte do mesmo grupo empresarial do Seu Dinheiro, emitiu um relatório, nesta quarta-feira (19), recomendando uma operação short (vendida) em Nubank.

Esse tipo de transação que permite ao investidor apostar (e ganhar dinheiro) com a desvalorização de um papel. Em outubro do ano passado, por exemplo, a Empiricus já havia recomendado uma operação short em TC (TRAD3), o antigo TradersClub, e desde então as ações já caíram cerca de 28%.

O relatório começa destacando o ambiente desafiador para os negócios neste ano de 2022: um cenário de juros em alta no Brasil e no exterior, inflação que deve se manter pressionada - dados os preços crescentes das commodities, como o petróleo - e crescimento baixo no Brasil, com possível perda adicional de renda para a população.

"Aos preços atuais, as ações da fintech ainda negociam por impressionantes 115 vezes seus lucros projetados para 2023. Nesse mercado um tanto quanto agressivo, esse valuation é inaceitável", diz o texto assinado pelos analistas João Piccioni, Felipe Miranda, Fernando Ferrer e Larissa Quaresma.

A tese por trás do short do Nubank

A tese de aposta na queda das ações do Nubank se baseia em quatro pontos:

  • Dificuldade na monetização dos usuários: o Nubank tem uma receita por usuário 14 vezes menor que a dos grandes bancos brasileiros (considerando só as pessoas físicas) e tem exposição muito maior a um público jovem e de baixa renda, justamente o mais afetado pelo ambiente econômico desafiador;
  • Provável necessidade de capital: o Nubank precisaria de novos aportes de capital dos sócios para aumentar sua concessão de crédito na velocidade necessária para justificar seu valuation atual, o que pode diluir a participação dos acionistas e derrubar o preço da ação;
  • Potencial aumento da inadimplência: o Nubank tem mantido a inadimplência abaixo da média do sistema bancário brasileiro, mas isso pode se dever à velocidade da concessão de crédito. A grande exposição a um público mais jovem e de renda mais baixa pode resultar numa inadimplência maior quando essa velocidade normalizar;
  • Valuation excessivo: o valor de mercado atual pressupõe um retorno sobre o patrimônio líquido de 30% (muito superior ao retorno dos bancões atualmente) e um lucro líquido de R$ 11 bilhões em 2026. Para isso, a execução precisaria ser perfeita, sem erros, dizem os analistas. Para a Empiricus, o valor justo do Nubank estaria em torno de R$ 54 bilhões, e não dos R$ 200 bilhões atuais.

Veja bem, não é que a casa de análise acredite que o banco digital vai se sair mal nos negócios; pelo contrário, dada a excelente execução da companhia até agora, os analistas usaram premissas otimistas na sua avaliação - um lucro líquido de R$ 6 bilhões em 2026 e um retorno de 23%, maior que o do Santander, banco brasileiro mais rentável atualmente. Ainda assim, chegaram a um valor justo 72% abaixo do valor atual para a companhia.

Sob a perspectiva dos múltiplos, a casa também considera o Nubank caro, em comparação aos seus pares nacionais. Enquanto o roxinho é negociado a US$ 743 por usuário, o Inter é negociado a US$ 238, e o Pan, a US$ 137.

"Essas contas nos apontam que o preço justo do BDR de Nu (NUBR33) está mais perto dos R$ 2 do que dos atuais R$ 7", diz o relatório. Em outras palavras, um potencial de perda de cerca de 70%.

Nubank vs. bancões

Os bancos tendem a se beneficiar de juros em alta, mas segundo o relatório da Empiricus, isso é mais verdade para os grandes bancos tradicionais, já estabelecidos, do que para uma fintech cuja carteira de crédito ainda está na fase inicial de crescimento.

Nesse sentido, os juros em alta devem resultar em um crescimento mais fraco para o Nubank, fora a sua exposição maior a um público mais suscetível às mazelas da inflação e da perda de renda com o crescimento econômico baixo.

Assim, os analistas da Empiricus recomendam, na verdade, uma operação long & short, com venda de Nubank e compra de um bancão tradicional - no caso, do Banco do Brasil (BBAS3), dado seu valuation descontado. O banco estatal é atualmente negociado a apenas quatro vezes os lucros e abaixo do seu valor patrimonial.

O próprio Felipe Miranda explicou as razões para o short nos papéis do Nubank em uma transmissão ao vivo, que você conferir abaixo na íntegra:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies