O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-03T17:41:35-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Hora de comprar

Quem tem medo das eleições? Para o JP Morgan, bolsa brasileira deve subir mais que mercados emergentes durante o ciclo eleitoral

O banco norte-americano tem recomendação overweight — peso acima da média, equivalente a compra — para a bolsa brasileira e vê pouca influência da eleição sobre o desempenho das ações

3 de fevereiro de 2022
17:33 - atualizado às 17:41
Montagem com fotos de Lula e Jair Bolsonaro
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Você está preocupado com os impactos da eleições nos seus investimentos? Pois não deveria, pelo menos na visão do JP Morgan. Para o banco norte-americano, a bolsa brasileira deverá superar o desempenho dos demais mercados emergentes apesar da incerteza sobre quem vai ocupar a cadeira de Presidente da República a partir de 2023.

É relativamente normal a bolsa passar por forte volatilidade em períodos que antecedem as eleições presidenciais. Mas um estudo do JP Morgan mostra que, historicamente, o desempenho das ações brasileiras é semelhante ao dos demais emergentes quando se considera todo o ciclo eleitoral — seis meses antes e depois do resultado das urnas.

É verdade que a bolsa acaba avançando mais no período imediatamente após as eleições e sofrendo antes. “No entanto, acreditamos que desta vez as condições estão dadas para o Brasil ter um desempenho relativamente melhor que os emergentes”, escreveram os analistas do JP Morgan, em relatório.

O banco norte-americano tem recomendação overweight — peso acima da média, equivalente a compra — para a bolsa brasileira, tanto em relação à América Latina como na comparação aos emergentes como um todo.

E por que o JP Morgan acredita que os mercados brasileiros podem se sair melhor? Primeiro, por uma questão de preço, ou seja, a bolsa está barata. Mais precisamente com um desconto de 35% em relação aos demais emergentes, bem acima dos 15% habituais para esta época pré-eleitoral.

Fator Selic ajuda a bolsa

A expectativa do fim do ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic) também deve ajudar a bolsa a atravessar melhor as eleições de 2022.

Além de não contar com aperto monetário nos meses que antecedem a corrida presidencial, o JP Morgan vê a possibilidade de o Banco Central começar a cortar juros em até seis meses depois do resultado das urnas.

Os analistas do banco norte-americano também não esperam uma disparada do dólar no período pré-eleitoral, diante das cotações em alta das commodities — que beneficiam o real — e o diferencial entre as taxas de juros brasileiras e as praticadas no exterior.

Mas e quanto aos candidatos? O que pode acontecer no caso de Jair Bolsonaro conseguir se reeleger? E se Lula voltar ao Palácio do Planalto?

O JP Morgan reconhece saber pouco sobre a direção política, mas faz uma ponderação com base na cobertura que o banco fez de todas as eleições desde 2002.

“Acreditamos que a diferença de política entre o candidato A e B pode ser muito menor do que a distância entre A e Z, embora também existam exceções a essa norma”, escreveram os analistas, sem dar nome às letras indicadas.

Leia também:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CHARLIE BROWN DEU A LETRA

Na mão grande: Putin confisca e subsidiária do Google (GOGL34) na Rússia beira a falência; entenda a história

Governo russo confia na censura e na propaganda para moldar a opinião pública — táticas que lançaram as empresas de tecnologia em uma luta complicada. Ao mesmo tempo, o Kremlin tem procurado impedir que as big techs deixem o país

compre bancão

Por que o Bank of America cortou o preço-alvo das ações dos bancos brasileiros, mas ainda recomenda comprar os papéis?

Resultados dos bancos no primeiro trimestre foram bons, mas a revisão tem mais a ver com a conjuntura macroeconômica global

FECHAMENTO DO DIA

S&P 500 é engolido por avalanche de vendas entre big techs e varejo; veja o gatilho para a queda das bolsas nos EUA

Perspectiva de um aumento de juros mais agressivo volta a assombrar os investidores em Wall Street, que fugiram de ações e outros ativos mais arriscados

DE VOLTA DAS CINZAS

Nova esperança da Terra (LUNA)? Criador do projeto tenta salvar criptomoeda que desapareceu com proposta de atualização; é o suficiente?

O relançamento da Terra inclui distribuição gratuita de novas criptomoedas para alguns investidores; saiba se você pode receber

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies