O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-19T16:39:10-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O MOMENTO PASSOU

Por que o momento de comprar ações do Carrefour (CRFB3) já passou, segundo analistas do JP Morgan

Na visão dos analistas Joseph Giordano, Nicolas Larrain e Ulises Argote, ainda existem oportunidades no setor, mas as ações do Carrefour já subiram demais, deixando um espaço muito pequeno para que os investidores ainda capturem ganhos.

19 de abril de 2022
16:26 - atualizado às 16:39
Logo do Carrefour, Assaí e Pão de Açúcar com um holofote no meio destacando a logo do Assaí
Logo do Carrefour, Assaí e Pão de Açúcar - Imagem: Shutterstock / Envato / Jacques Lepine - Estadão Conteúdo / Montagem Brenda Silva

A alta da inflação e da taxa de juros não são um desafio enfrentado apenas pelos consumidores que vão às compras e sentem o desconforto no bolso. As empresas do setor de varejo alimentar sentem a pressão em suas margens e no aumento das despesas financeiras, mas o Carrefour (CRFB3) surfa bem essa onda e está entre as maiores altas do ano no Ibovespa, com um avanço de 44% no ano – contra “apenas” 9% do principal índice da bolsa.

Se você está pensando em pegar carona com essa alta expressiva, talvez seja tarde demais. A temporada de balanços das empresas brasileiras está prestes a começar e enquanto alguns esperam os números oficiais para rebalancear a carteira, o JP Morgan se antecipou e atualizou suas projeções e recomendações para os três principais players do varejo alimentar na bolsa – Carrefour (CRFB3), Pão de Açúcar (PCAR3) e Assaí (ASAI3). 

Na visão dos analistas Joseph Giordano, Nicolas Larrain e Ulises Argote, ainda existem oportunidades no setor, mas as ações do Carrefour já subiram demais, deixando um espaço muito pequeno para que os investidores ainda capturem ganhos. 

Segundo projeções do banco americano, os papéis podem chegar a valer R$ 25, o que daria um potencial de alta de 10% até dezembro de 2022 e já subiram 20% do que os papéis de seus principais concorrentes. Com diversas opções na bolsa dentro do mesmo setor, os especialistas rebaixaram a recomendação da companhia para neutra e elegeram um novo favorito – a rede de atacarejo Assaí. 

As ações do Carrefour não reagiram bem ao relatório divulgado nesta manhã. Por volta das 15h30, os papéis de CRFB3 recuavam 4,73%, a R$ 21,96. Enquanto isso, ASAI3 avança cerca de 1,68%, a R$16,30.  Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados.

Assaí: ganhando os holofotes

No quarto trimestre de 2021, tanto o Carrefour quanto o Assaí mostraram um crescimento considerável em seus braços de atacado. Com a inflação em alta e o poder de compra reduzido, boa parte da população tem buscado alternativas mais viáveis para o bolso. Conhecidos por preços mais competitivos, os nomes do segmento ganharam a atenção. 

De acordo com a equipe de análise macroeconômica do JP Morgan, a inflação em itens alimentícios deve seguir forte ao longo do ano, o que limita o crescimento do setor e pode segurar os papéis também no segundo trimestre do ano. Apesar disso, o segundo semestre deve ser marcado pelo avanço da integração das lojas Assaí e do Extra – adquirido no fim de 2021. 

Como a companhia com o maior crescimento orgânico dentre as empresas analisadas, os analistas do banco elevaram o preço-alvo dos papéis para R$ 20 – um potencial de alta de 20%. A recomendação é de compra

Pão de Açúcar: em compasso de espera

Apesar dos papéis da rede de atacarejo Assaí serem a preferência, o JP Morgan mantém sua recomendação de compra para as ações do Pão de Açúcar, com um potencial de alta de 34%. 

Nos últimos anos, a companhia tem focado em desinvestimentos estratégicos (como o da marca Extra) para se consolidar com os ativos do segmento premium – aqueles com tíquetes médios mais elevados e diferenciados. 

A execução e crescimento da companhia é observado de perto pelos analistas, já que os elementos macroeconômicos podem ferir os resultados, mas a maior parte da perspectiva positiva para os papéis vem justamente do potencial da empresa em destravar valor com cisões e vendas de ativos. 

Os analistas apontam que até o momento, o grupo Pão de Açúcar tem tido dificuldade em mostrar crescimento após a reformulação de suas lojas. Além disso, a abertura de novas unidades não tem sido rápida o suficiente para sustentar o modelo. 

Por outro lado, a companhia pode aprovar a cisão do grupo colombiano Exito. Com poucas sinergias entre as companhias, o valor de mercado da rede de supermercados está pouco precificado nos papéis da companhia brasileira. “Acreditamos que o Exito corresponde a cerca de R$32 por ação do nosso atual preço-alvo de R$ 36,5 e resultará em 50% do Ebitda de 2023 da companhia”. 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies