🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
E AGORA, MAGALU?

Magazine Luiza (MGLU3) chega a cair quase 10% após balanço fraco do 4º tri. O que aconteceu com a queridinha da bolsa?

Os analistas apontam que não existem gatilhos no curto prazo que possam fazer com que o Magazine Luiza tenha uma recuperação significativa

Jasmine Olga
Jasmine Olga
15 de março de 2022
14:45 - atualizado às 0:36
Luiza Helena Trajano Magazine Luiza (MGLU3)
Brasil, São Paulo, SP, 21/05/2018. Retrato de Luiza Helena Trajano - Imagem: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Parece que os dias de grande queridinha da bolsa brasileira acabaram para as ações do Magazine Luiza (MGLU3), e os números referentes ao quarto trimestre de 2021 vieram para confirmar o cenário que já se desenhava

Inflação em alta, juros cada vez mais elevados, problemas logísticos causados pela pandemia do coronavírus e o aumento da concorrência já estavam contidos nas expectativas dos investidores para o balanço do Magalu.

Mesmo assim, a realidade se mostrou ainda pior do que o esperado, e os analistas não veem espaço para melhora no curto prazo. 

A comparação com os melhores trimestres da história da empresa deixa o sabor da realidade ainda mais amargo, e o efeito dos números podem ser vistos no pregão desta terça-feira.

Desde o início do dia, os papéis de MGLU3 lideraram o movimento de queda do Ibovespa. Depois de cair quase 10%, as ações encerraram o dia com baixa de 8,63%, a R$ 4,87.

Na noite de ontem, o Magazine Luiza anunciou um prejuízo ajustado de R$ 79 milhões no quarto trimestre, contra lucro líquido ajustado de R$ 232 milhões do mesmo período do ano anterior.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) caiu mais de 50%, a R$ 243 milhões, pressionado pela queda da margem bruta e pelo aumento das despesas operacionais. Em 2021, o lucro líquido ajustado foi de R$ 114 milhões, uma queda de 70% em relação ao ano anterior. 

MGLU3: Entendendo os números

Para os analistas do Itaú BBA, a lucratividade da companhia foi afetada principalmente pela provisão de estoque de R$ 395 milhões feita no trimestre anterior – antecipando o efeito futuro dos custos elevados de logística e produção na margem da empresa –, e por efeitos não recorrentes derivados de processos de sinergias e reajuste para integrar as diversas companhias adquiridas pelo Magalu, com um impacto de R$ 251 milhões. 

O volume total de vendas (GMV) teve um crescimento de 17% quando comparado com o ano anterior, com o marketplace liderando o movimento de alta. O crescimento no oferecimento de serviços financeiros por meio da fintech LuizaCred pressionou as margens. 

  • Magazine Luiza já era? Confira a análise no vídeo:

E agora?

Em grande parte, os relatórios divulgados após o balanço do quarto trimestre mostram que os analistas estão mais cautelosos quanto ao potencial “explosivo” de crescimento do Magazine Luiza. 

O Itaú BBA lembra que nos últimos dois anos a empresa foi favorecida por uma série de fatores atípicos que permitiram um grande crescimento de receita e qualidade de resultados.

“Agora que o cenário está sendo normalizado, vemos a companhia sofrendo com os impactos de uma comparação dura e a necessidade de reajustar as expectativas. 

Os analistas do banco brasileiro apontam que não existem gatilhos no curto prazo que possam fazer com que a companhia tenha uma recuperação significativa.

O BTG espera que os papéis se mantenham pressionados nos próximos meses, mesmo com a queda de quase 80% desde o pico registrado em novembro de 2020. 

Ainda assim, os analistas do BTG destacam que e-commerce é uma tese de investimento que segue em alta, mesmo com a inflação e a elevação de juros em escala global.

Para eles, a fórmula do sucesso pode estar na forma como o Magazine Luiza lidará com a desaceleração da venda de eletroeletrônicos, a competição acirrada que obriga descontos mais agressivos e a manutenção de sua margem de lucros.  

De acordo com a plataforma Trademap, 10 casas possuem recomendação de compra para os papéis e quatro delas mantêm a posição neutra.

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar