🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Unificando as bases

Papéis da Lojas Americanas (LAME3 e LAME4) deixarão de ser negociados no dia 24. O que muda para o acionista?

A Lojas Americanas vai unificar suas bases acionárias; com isso, os ativos LAME3 e LAME4 serão tirados de circulação, restando apenas AMER3

Victor Aguiar
Victor Aguiar
19 de janeiro de 2022
14:47 - atualizado às 18:39
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express (AMER3 LAME3 LAME4), na Avenida Paulista, região central de São Paulo
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Itaci Batista

O processo de reorganização societária da Lojas Americanas chega a uma conclusão nesta sexta-feira (21): as tradicionais ações LAME3 e LAME4 deixarão de ser negociadas e, a partir da próxima segunda (24), apenas os papéis AMER3 — correspondentes à Americanas S.A. — continuarão em circulação. Mas, afinal, o que muda para os acionistas da varejista?

Bem, muita coisa ficará diferente, enquanto outras permanecerão quase iguais. De saída, é importante frisar que os detentores de LAME3 e LAME4 não vão ficar de mãos abanando: a reorganização vai unificar as bases acionárias. Portanto, se você tem esses ativos na carteira, receberá papéis AMER3 em troca — ou um pagamento em dinheiro.

Essa compensação financeira, no entanto, já não é mais uma alternativa na mesa: o direito de retirada deveria ter sido exercido até o dia 13 de janeiro. Ao todo, acionistas detentores de 2,9 milhões de papéis LAME3 optaram por esse caminho, recebendo R$ 5,49 por ação.

Quem não se manifestou a tempo ou escolheu continuar como investidor da Americanas vai participar da relação de troca: cada ação LAME3 ou LAME4 será convertida em 0,188964 papel AMER3 — a empresa vai emitir novos papéis para entregar a esses acionistas.

Dito isso, façamos algumas contas rápidas. No fechamento da última terça-feira (18), as ações AMER3 estavam cotadas a R$ 30,21; LAME4 valia R$ 5,74, enquanto LAME3 era negociada a R$ 5,69. Aplicando-se a relação de troca, chegamos à cifra de R$ 5,70 — quase idêntico ao preço dos papéis da Lojas Americanas.

Sendo assim, qual vantagem os detentores de LAME3 e LAME4 levam com essa operação? Qual o apelo da reorganização societária, do ponto de vista dos acionistas? Para responder a essas perguntas, é preciso entender melhor os motivos que levaram a Americanas a promover todas essas movimentações.

Lojas Americanas: botando ordem na casa

A reestruturação mexe em vários pontos sensíveis do grupo. A começar pela complexidade excessiva de sua estrutura: A Lojas Americanas, hoje, é uma holding que controla a Americanas S.A. — que, por sua vez, foi constituída a partir da junção operacional da companhia com a B2W, seu braço de e-commerce.

Uma vez concluída a unificação das bases acionárias, restará apenas a Americanas S.A., com cerca de 70% das ações no mercado. Aliás, a emissão de novos papéis para serem entregues aos detentores de LAME3 e LAME4 também contribuirá para aumentar significativamente a liquidez de AMER3; as contas estão aqui.

Os 30% restantes continuarão nas mãos do chamado 'acionista de referência' da Americanas — os megainvestidores Jorge Paulo Lemann, Carlos Sicupira e Marcel Telles. O grupo será diluído com a operação, já que originalmente era dono de quase 40% da empresa; ainda assim, permanecerão com bastante influência sobre a companhia.

Além da questão da liquidez, há outra mudança prática para quem possui hoje as ações LAME3 ou LAME4. Por estarem relacionados à Lojas Americanas, esses papéis tinham o chamado 'desconto de holding' — e, com a nova estrutura, essa distorção deixará de existir.

Holdings, afinal, possuem toda uma camada extra de custos administrativos; além disso, podem ter outros investimentos — uns melhores que outros, o que implica num risco. Por isso, o valor de mercado de uma holding nunca corresponde à soma dos valores de seus investimentos; é preciso fazer um desconto.

Por fim, há ainda o fator da governança corporativa: a Americanas S.A. está listada no Novo Mercado da B3, o nível com as mais elevadas práticas de governança, enquanto Lojas Americanas estava num patamar inferior.

Ou seja: ao aceitar a relação de troca, o detentor de LAME3 ou LAME4 receberá um valor semelhante ao que ele possui hoje em mãos; no entanto, ele passará a integrar uma base acionária mais limpa, sem descontos e com uma governança corporativa superior. O apelo não está no preço, mas, sim, nas condições.

AMAR3, LAME3 e LAME4: turbulência na bolsa

Após fortes baixas nos últimos dias, tanto as ações da Americanas S.A. (AMER3) quanto as da Lojas Americanas (LAME3 e LAME4) operam em forte alta nesta quarta: os três papéis chegaram a avançar mais de 10% hoje, aparecendo entre os destaques positivos da bolsa brasileira.

Isso, no entanto, nem de longe apaga o mau desempenho dos ativos num horizonte mais amplo de tempo. Em um ano, AMER3 ainda amarga perdas de 60%; LAME3 e LAME4 também tem baixas significativas, embora menos intensas:

O ambiente econômico mais duro, com juros em elevação e inflação acima dos 10% em 2021, pressiona o setor de varejo como um todo; a percepção do mercado é de que os setores ligados ao consumo tendem a ter um desempenho fraco no curto e médio prazo, dadas as incertezas domésticas.

Além disso, a competição crescente com players internacionais no e-commerce — desde players tradicionais no mercado brasileiro, como Mercado Livre e Amazon, até as grandes empresas asiáticas, como Shopee e Aliexpres —, trazem ainda mais incerteza ao segmento.

A Americanas ao menos tem conseguido um desempenho superior ao das rivais: Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3) recuam mais de 70% em um ano, particularmente afetadas pelas perspectivas não muito animadoras mostradas no balanço do terceiro trimestre.

Veja também - Magalu (MGLU3) é oportunidade: com queda de aproximadamente 75% no último ano, ação tem potencial para subir até 200%; entenda

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar