🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Papel em baixa

Klabin (KLBN11) nas mínimas: por que o mercado não gostou do novo investimento bilionário da empresa?

O projeto Figueira vai aumentar a capacidade produtiva da Klabin (KLBN11), mas a um custo considerado elevado por analistas

Victor Aguiar
Victor Aguiar
21 de julho de 2022
13:04 - atualizado às 14:57
Totem com o logo da Klabin (KLBN11) em frente à sede da empresa
Imagem: Divulgação

Numa empresa do setor de commodities, capacidade de produção é tudo: petroleiras dependem dos poços, siderúrgicas exigem fornos, e assim em diante. Nesse sentido, a Klabin (KLBN11) deu um passo para garantir sua perenidade e anunciou uma nova fábrica de papelão ondulado — só que o mercado não gostou nada da novidade.

E basta olhar para o comportamento das units da companhia nesta manhã de quinta-feira (21) para chegar a essa conclusão. Os ativos KLBN11 recuam mais de 2%, perto da faixa dos R$ 18,50, e aparecem entre as maiores baixas de todo o Ibovespa; na mínima do dia, foram ao patamar de R$ 17,50, em queda de mais de 8%.

É o menor nível de preço para KLBN11 no ano; os papéis amargam perdas de mais de 30% no acumulado de 2022. Indo além: a Klabin não atingia cotações tão baixas desde abril de 2020, época em que a Covid-19 provocou enormes turbulências nas bolsas globais.

Mas, afinal, por que o mercado detestou tanto o novo investimento bilionário da Klabin, se ele foi feito justamente para aumentar a produtividade da companhia? A iniciativa não deveria ser aplaudida, dada a visão de longo prazo da administração da empresa?

Bem, é um caso clássico de teoria versus prática. Em tese, o racional por trás dessa decisão faz todo o sentido; mas, quando aplicado à realidade da empresa, as cifras bilionárias envolvidas no novo projeto acendem uma luz de dúvida entre os investidores: será essa a maneira mais eficiente de a Klabin alocar seu capital?

Essa dúvida não ronda apenas o mercado: manifestações de conselheiros da companhia deixam claro que a empreitada não é consenso nem mesmo entre as pessoas com poder de decisão na Klabin. Um aporte de R$ 1,5 bilhão, num momento não muito animador da economia global, é visto por alguns como falta de cautela com o caixa.

Klabin (KLBN11): papel ondulado versus papel moeda

Antes de qualquer coisa, vale recapitular o que foi anunciado na noite de quarta (20): o projeto Figueira, como foi batizada a nova empreitada da Klabin (KLBN11), engloba o desenvolvimento do zero de uma unidade produtora de papel ondulado em Piracicaba (SP); as operações devem começar no segundo semestre de 2024.

Tudo isso ao custo de R$ 1,5 bilhão, a ser desembolsado desde já — segundo a Klabin, a nova fábrica será capaz de produzir 240 mil toneladas de papelão ondulado por ano. Com mais esse ativo no portfólio, a empresa chegará a uma capacidade nominal de conversão de 1,3 milhão de toneladas por ano.

Em termos estratégicos, aumentar a capacidade produtiva de papelão ondulado faz sentido à primeira vista: a demanda por esse tipo de embalagem cresceu entre 2019 e 2021, acompanhando a demanda mais forte do varejo. Em meio à pandemia e à explosão do consumo doméstico, esse segmento teve um desempenho bastante forte.

Gráfico usado pela Klabin (KLBN11) em sua apresentação oficial do projeto Figueira, de modo a justificar o investimento bilionário na nova unidade fabril. Fonte: Klabin

De fato, esse racional foi elogiado por analistas de grandes bancos. O Itaú BBA destaca que a integração dessa nova planta com a produção de kraftliner — o material-base do papelão ondulado — tende a reduzir a volatilidade nos resultados da Klabin; o JP Morgan diz que o projeto é "acretivo" e "em linha com a estratégia" da empresa.

E, no lado financeiro, o R$ 1,5 bilhão necessário para a construção da nova fábrica não é uma cifra tão pesada assim. Ao fim do primeiro trimestre, a Klabin tinha R$ 6,1 bilhões em caixa, com alavancagem em 2,4 vezes, um nível confortável. Portanto, é possível lidar com a necessidade de recursos sem maiores apertos.

Ocorre que ainda está fresco na cabeça do mercado o megainvestimento de quase R$ 13 bilhões para o desenvolvimento do projeto Puma II, anunciado em 2019 — o plano envolve a construção de duas máquinas de kraftliner, com produção de celulose integrada, na unidade de Ortigueira (PR).

E esse enorme ciclo de investimentos ainda não foi concluído: até o fim de março, a Klabin tinha desembolsado "apenas" R$ 8,5 bilhões para o aumento da capacidade produtiva no Paraná — a segunda máquina de papel de Puma II estava 32% concluída no término do primeiro trimestre.

Portanto, ainda há uma conta de mais de R$ 5 bilhões a ser paga no ciclo anterior de expansão e, agora, há mais R$ 1,5 bilhão a ser gasto em Piracicaba. Além disso, há dúvidas quanto aos valores envolvidos na nova empreitada.

"Não achamos que esse projeto adiciona valor para a Klabin", diz o Itaú BBA, ponderando que os investimentos do projeto giram em torno de R$ 6,5 mil por tonelada de papelão a ser produzido — cifra mais alta que a média das transações de fusão e aquisição nesse setor. Para o banco, o valor justo da empreitada seria de cerca de R$ 1,2 bilhão.

Briga no conselho

Outro ponto que pesa sobre as units da Klabin (KLBN11) é a aparente desarmonia no conselho de administração da empresa. Dos 14 membros do colegiado, 10 votaram a favor da aprovação do projeto Figueira — dois se abstiveram e outros dois foram contrários ao empreendimento na reunião extraordinária feita ontem (20).

Os conselheiros Roberto Luiz Leme Klabin e Sérgio Francisco Monteiro de Carvalho, que se abstiveram da votação, alegaram que seria necessária uma discussão mais aprofundada do projeto — o segundo disse ainda que, se analisado de forma isolada, a nova fábrica não se mostrava tão atrativa em termos de alocação de capital.

Há ressalvas mesmo entre os executivos que deram luz verde à nova fábrica. A conselheira Isabella Saboya, por exemplo, foi favorável à aprovação, mas registrou seu voto em escrito e fez ponderações contrárias ao projeto; ela diz, no entanto, dar um "voto de confiança" à administração.

Íntegra do voto da conselheira da Klabin (KLBN11), Isabella Saboya, em que ela mostra preocupação quanto ao projeto Figueira. Fonte: Klabin

Já os conselheiros Camilo Marcantonio e Mauro Rodrigues da Cunha foram contrários ao tema — o voto de Marcantonio tem três páginas e ressalta, entre outros pontos, que o projeto Figueira "tem valor presente líquido negativo em 20 anos e baixíssimo retorno, mesmo considerando a perpetuidade".

Essa falta de consenso dentro do conselho de administração da Klabin é vista com maus olhos pela XP, uma vez que coloca questões como a alocação de capital e os mecanismos de incentivo para a diretoria em foco. Em relatório, a corretora diz esperar por maiores detalhes sobre o projeto e suas premissas para analisar melhor a geração de valor.

Quanto à cifra de R$ 1,5 bilhão, a XP mostra preocupação semelhante à do Itaú BBA, lembrando que a aquisição do negócio de papelão ondulado da International Paper tinha um ticket médio de R$ 1,1 mil por tonelada — é verdade que as usinas da IP estavam depreciadas e a inflação de custos aumentou desde 2020, mas, ainda assim, a discrepância dos valores salta aos olhos.

Klabin (KLBN11): e agora?

Ainda há outras questões que aumentam a desconfiança do mercado, em especial a dinâmica macroeconômica. Um gestor de uma asset paulista lembra que, com a reabertura no pós-pandemia, há uma 'migração' de bens para serviços; a demanda do varejo por papelão, assim, pode desacelerar.

"Não acho displicência com o caixa, mas é um investimento relativamente alto", diz o gestor, referindo-se ao ticket superior a R$ 6 mil por tonelada do projeto Figueira — ele não é acionista da empresa, mas tem posição na Suzano. "Quando a gente olha para o valor presente líquido, fica quase no zero a zero. Não traz muito valor para a Klabin".

Segundo dados compilados pelo TradeMap, as units KLBN11 têm cobertura de 16 casas de análise — 14 recomendam a compra e duas, manutenção. O preço-alvo médio é de R$ 31,38, um potencial de alta de mais de 70% em relação às cotações atuais.

Em termos de valuation, as units são negociadas com um múltiplo implícito de preço/lucro de 8,7 vezes ao fim do ano; o EV/Ebitda é de pouco mais de 6 vezes nesse horizonte. A Suzano (SUZB3), outra gigante do setor de papel e celulose, têm múltiplos ligeiramente mais baixos.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar