🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Em compasso de espera

Itaú baixa preço-alvo do Nubank (NU) e reduz estimativas para a empresa; analistas chegaram a ficar ‘tentados’ com preço da ação, mas querem ver resultado primeiro

Queda recente no preço do papel e valorização do real levaram analistas do Itaú BBA a avaliarem a possibilidade de melhorar o prognóstico para o Nubank, mas por ora crescimento da inadimplência e dos custos de captação preocupam

Cartão roxo no Nubank
Itaú BBA reduziu preço-alvo da ação do Nubank (NU) de US$ 7 para US$ 6,60. - Imagem: Divulgação

Os analistas do Itaú BBA abriram seu relatório sobre Nubank (NU, na Nyse, e NUBR33, na B3) desta segunda-feira (25) com uma confissão: chegaram a ficar tentados a mudar alguma coisa na sua avaliação sobre o banco digital depois da queda recente nas ações e da valorização do real ante o dólar, mas preferiram manter a visão cautelosa, ao menos até a divulgação dos resultados do primeiro trimestre de 2022.

Mais que isso, o banco acabou não apenas mantendo a sua recomendação "underperform" para as ações do Nubank (NU), como também reduzindo suas estimativas para o banco digital no ano fiscal de 2022 e o próprio preço-alvo da ação, que foi cortado de US$ 7 para US$ 6,60, um potencial de queda de 1,2% ante o último fechamento.

"A incerteza a respeito da qualidade do crédito só aumenta, ao mesmo tempo em que os custos de captação estão pressionando as margens financeiras", diz o relatório do Itaú BBA, assinado pelos analistas Pedro Leduc, Mateus Raffaelli e William Barranjard.

No ano, a ação do Nubank, negociada na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), acumula perda da ordem de 26%. Em relação ao preço do IPO (US$ 9), trata-se de uma queda de 23%.

Já o BDR NUBR33, negociado na bolsa brasileira, recua quase 36% no ano, uma baixa de 33% em relação ao preço do IPO (R$ 8,38).

Resultados do primeiro trimestre devem ser mistos

O Itaú espera resultados mistos para o Nubank no primeiro trimestre de 2022. Pelo lado positivo, o banco digital deve continuar aumentando a base de clientes, com a adição de 5 milhões novos usuários, totalizando 59 milhões.

Também deve continuar expandindo o crédito ao consumidor a uma taxa trimestral "impressionante" de 15%, para R$ 42 bilhões.

Segundo os analistas, empréstimos pessoais devem ser o carro-chefe, e as receitas de serviços devem crescer 9%, com as despesas operacionais contidas.

Pelo lado negativo, porém, o Itaú BBA espera que as provisões aumentem devido à velocidade do crescimento da concessão de crédito, e que haja um aumento de 60 pontos percentuais na inadimplência superior a 90 dias, para 4,1%. Para o ano, o banco revisou para cima esta métrica, de 5,3% para 5,5%.

Os analistas observam que, de qualquer forma, a inadimplência do Nubank deve permanecer abaixo da média da indústria, especialmente quando considerados outros bancos digitais.

Mesmo assim, alertam que essa alta, que deve continuar por alguns trimestres, pode levar o Nubank a puxar o freio da originação, reduzindo a velocidade da monetização. "Tal cenário afeta o desafio estrutural de gerar lucros a partir de tantos clientes no longo prazo", diz o relatório.

O Itaú espera ainda que as margens sejam afetadas por maiores custos de captação, o que deve levar a um prejuízo líquido de R$ 176 milhões no primeiro trimestre. Para o ano, a estimativa do banco é de perdas líquidas no valor de R$ 1,137 bilhão, ante uma previsão anterior de R$ 862 milhões.

Com tais projeções, o Itaú entende que é melhor esperar para mudar a avaliação do Nubank para uma visão mais otimista.

Itaú se diz menos preocupado que a média com o fim do lock up das ações do Nubank

O relatório do Itaú BBA lembra que o período de lock up para grandes investidores e funcionários do Nubank - durante o qual esses acionistas não podem vender seus papéis comprados no IPO da empresa - termina no dia 7 de junho.

Com isso, há preocupações de que pode haver um volume grande de vendas de ações do Nubank ao término desse prazo. Mas os analistas do Itaú BBA dizem que estão menos preocupados que a média com essa possibilidade.

Isso porque o Brasil deve continuar recebendo atenção especial de investidores internacionais, especialmente os que desejam manter investimentos em países de emergentes, podendo ser uma das primeiras economias do mundo a cortar juros. O cenário geopolítico também anda favorável para o país.

"Eventualmente, juros menores, os níveis de inflação e uma maior criação de empregos poderiam ajudar a solucionar os ventos contrários que estão atingindo o Nubank", dizem.

Os analistas também acreditam que muitos grandes investidores podem estar dispostos a ignorar o mau momento no curto prazo de olho nas melhorias no horizonte da empresa previstas para 2023.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar