Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

2022-01-20T17:34:47-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mercados Hoje

Ibovespa sobe mais de 1%, puxado pelos estímulos da China; dólar recua a R$ 5,41

As commodities permanecem no foco do dia, com novos estímulos da China para a economia, o que fez o minério de ferro fechar novamente em alta

20 de janeiro de 2022
10:22 - atualizado às 17:34
china juros
Imagem: Shutterstock

Os ventos do exterior continuam a movimentar o barco do Ibovespa nesta quinta-feira (20).

As bolsas europeias fecharam mistas, e as bolsas americanas passaram a maior parte do dia em alta, mas no fim da tarde, viraram para queda. Há pouco, o Dow Jones caía 0,05%, o S&P 500 recuava 0,23%, e o Nasdaq tinha queda de 0,34%.

Mas quem deu um empurrãozinho extra na bolsa brasileira hoje foi, sem dúvidas, a China. O banco central do país cortou as taxas de juros referenciais de curto e longo prazo, depois de ter reduzido as de médio prazo, no início desta semana.

O gigante asiático mantém os estímulos em razão das novas ondas de covid-19, o que sustenta novas altas para os preços das commodities, com a perspectiva de aumento na demanda chinesa. Nesta quarta, o minério de ferro fechou em alta de 2,66%, a US$ 134,72 a tonelada.

Já o petróleo, que começou o dia em queda com o avanço nos estoques americanos da commodity, virou para alta, mas não conseguiu manter o fôlego. O barril do tipo Brent fechou em baixa de 0,07%, a US$ 88,38, enquanto o WTI recuou 0,35%, a US$ 85,55.

Por volta das 17h15, o Ibovespa avançava 1,21%, aos 109.321 pontos, na máxima. Já o dólar à vista fechou em queda de 0,90%, a R$ 5,4165, com o fluxo estrangeiro positivo e o corte de juros na China, o que tende a fortalecer as commodities e, por conseguinte, as moedas de países emergentes.

A moeda americana também teve um dia de alívio global, com o recuo dos juros dos Treasuries, os títulos do Tesouro americano. As taxas acentuaram a queda após a divulgação de um número de pedidos de auxílio-desemprego acima do esperado nos Estados Unidos, dado que contribui para conter a agressividade do Federal Reserve no aperto monetário.

Pela manhã, o Departamento de Trabalho dos EUA divulgou um aumento de 55 mil pedidos na última semana, elevando o número a 286 mil. A expectativa do mercado era de 225 mil pedidos. O dado da semana anterior também foi revisado para cima, passando de 230 mil para 231 mil pedidos.

Assim, os juros futuros locais também fecharam em queda, acompanhando a desvalorização da moeda americana e o fortalecimento do real, bem como o recuo dos juros futuros nos EUA. Veja o desempenho dos principais vencimentos:

  • Janeiro/23: queda de 12,027% para 11,88%;
  • Janeiro/25: queda de 11,263% para 11,06%;
  • Janeiro/27: queda de 11,272%, a 11,095%.

O alívio geral nos juros beneficia sobretudo as empresas muito sensíveis à variação nas taxas, como as techs, as varejistas, e as empresas do mercado imobiliário, como construtoras e administradoras de shoppings, cujas ações apresentam fortes valorizações hoje.

Esses segmentos dependem muito de crédito para o consumo dos seus produtos (caso de varejo e imóveis), ou então, no caso das empresas de tecnologia, têm seus fluxos de caixa mais significativos apenas no longo prazo, sendo muito afetadas pela taxa de desconto com que são trazidas a valor presente na hora de se estimar seu valor de mercado atual. Basicamente, quanto maior a taxa de desconto (a taxa de juros), menor o valor presente.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

A PARTIR DE JUNHO

Quer um pedacinho da Eletrobras (ELET3)? O trabalhador poderá usar recursos do FGTS para comprar ações

O trabalhador deverá fazer reserva de aquisições entre 3 e 9 de junho. O governo liberou o uso de até 50% do FGTS para compra de ações da Eletrobras

DESINVESTIMENTO

Em meio à turbulências, Petrobras (PETR4) assina mais um contrato de venda de refinaria

A operação ainda deve passar pelo crivo do Cade. A venda da refinaria Lubnor por US$ 34 milhões faz parte do plano de desinvestimento

DIPLOMACIA RUSSA

Bandeira branca? Putin diz que vai viabilizar comércio de grãos ucranianos e fertilizantes

Em conversa com o presidente da França e o chanceler da Alemanha, Putin afirmou que vai aumentar a oferta de grãos e fertilizantes

NÃO VINGOU

Terra 2.0 derrete mais de 60% no dia do lançamento; saiba por quê

A Terra 2.0 já acumula perdas; o renascimento da criptomoeda sofre com a perda de credibilidade, após falhas no protocolo da antiga moeda

NOVA CRIPTO NA ÁREA

Lançamento da Terra 2.0: vale a pena investir em um projeto criado pelos mesmos desenvolvedores da extinta Terra (LUNA)? Especialistas falam sobre nova criptomoeda

A resposta foi quase unânime: os analistas deixaram de acompanhar a Terra (LUNA) e não acreditam mais no projeto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies