O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-09T17:02:07-03:00
Carolina Gama
FECHAMENTO DO DIA

Enxurrada de perdas: S&P 500 cai abaixo de 4 mil pontos em nova mínima do ano; saiba por que as bolsas recuaram lá fora

Investidores correram do risco mais uma vez e o resultado foi perda significativa tanto em Nova York como nas bolsas europeias

9 de maio de 2022
17:01 - atualizado às 17:02
vista da nyse em wall street
Vista para o prédio da Nyse, em Wall Street, nos EUA - Imagem: Shutterstock

O S&P 500 foi arrastado mais uma vez por uma enxurrada de perdas nesta segunda-feira (09). O índice de ações mais amplo de Nova York renovou a mínima do ano, pressionado por uma onda de vendas em tecnologia e energia. O Dow Jones e o Nasdaq também encerraram o dia em forte queda.

No caso do S&P 500, o índice ficou abaixo da marca de 4.000 pontos pela primeira vez em mais de um ano, já que todos os setores, exceto o de consumo básico, ficaram no vermelho. 

Energia caiu mais de 7% pressionado por um dólar mais forte e novos temores sobre o enfraquecimento da demanda da China, já que Xangai teria intensificado as medidas de bloqueio conta a covid-19.

Esses bloqueios devem desacelerar o crescimento da segunda maior economia do mundo, possivelmente prejudicando a economia global em um momento em que os bancos centrais estão a caminho de apertar a política monetária para conter a inflação.

Um dos setores que sentem de perto a combinação de juros altos e desaceleração econômica é o de tecnologia. Na sessão de hoje, Meta (dona do Facebook), Alphabet (dona do Google), Microsoft e Apple caíram mais de 2%, enquanto a Amazon recuou mais de 3%.

No caso da Microsoft, a venda dos papéis derrubou o valor de mercado da empresa para menos de US$ 2 trilhões pela primeira vez desde junho de 2021.

Em meio às perdas nas ações, os juros projetados pelos títulos de dívida do Tesouro dos EUA de dez anos atingiram o nível mais alto desde o final de 2018, sendo negociado bem acima de 3%. 

Confira a variação e a pontuação dos principais índices de ações dos EUA no fechamento:

  • Dow Jones: -1,99%, 32.245,57 pontos
  • S&P 500: -3,20%, 3.991,36 pontos
  • Nasdaq: -4,25%, 11.623,25 pontos

S&P 500 acompanha derrocada das bolsas na Europa

Antes de o S&P 500 em queda, as bolsas europeias já sinalizavam o que estava por dia: caíram nesta segunda-feira para mínimos em dois meses, com investidores globais fugindo de ativos de risco devido a temores sobre a inflação.

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em queda de 2,8% — o nível mais baixo desde 8 de março. 

As ações dos setores de viagens e tecnologia lideraram as perdas, com queda de 5,8% e 4,8%, respectivamente. 

  • Londres: -2,32%
  • Paris: -2,75%
  • Frankfurt: -2,15%

A aversão ao risco vista nos mercados europeus ocorre depois que as ações regionais recuaram no final da última semana de negociação devido a uma derrota nos mercados dos EUA, com Wall Street registrando seu pior dia desde 2020 na última quinta-feira (05). 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies