🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
COPO CHEIO

Desce mais uma? Volume de vendas é surpresa positiva do balanço da Ambev; custos pressionam resultado

Entre as principais pressões para a Ambev estão a alta nos preços das commodities e os custos com distribuição

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
28 de julho de 2022
13:25 - atualizado às 14:31
Ambev
Imagem: Estadão/Diego Nigro

Uma cervejinha para curar a ressaca? Certamente não faz bem para a saúde física. Mas para a saúde financeira da Ambev (ABEV3), um tratamento nessa linha funciona que é uma beleza.

A multinacional brasileira divulgou hoje o balanço referente ao segundo trimestre confirmando o impacto positivo da volta do happy hour.

O volume de vendas de cerveja é um dos destaques do balanço. A Ambev reportou alta de 6,1% na comparação com o segundo trimestre do ano passado.

As vendas foram impulsionadas pelo retorno dos consumidores aos bares e restaurantes, especialmente no Brasil.

A dúvida dos analistas refere-se à sustentabilidade desse movimento.

Morgan Stanley vê recuperação de ABEV3 hoje, mas mantém recomendação de venda

Em relatório, o Morgan Stanley aponta que não houve mudanças no guidance da companhia, observa o Ebitda em linha com o consenso e espera uma reação positiva das ações da Ambev no pregão de hoje.

Para os analistas do Morgan Stanley, o desempenho da venda de cervejas no Brasil surpreende todo o mercado e é a surpresa positiva dos resultados do segundo trimestre e "ressalta a forte execução comercial da empresa".

Por outro lado, o banco reforça suas preocupações futuras com o desempenho da divisão da América Latina do Sul.

Há dúvida a respeito da sustentabilidade desses resultados, especialmente por conta do mercado argentino, que hoje sofre com dificuldades econômicas e alta da inflação.

Atualmente, o Morgan Stanley mantém recomendação de venda para ABEV3, com preço-alvo de R$ 11,50, o que implica uma desvalorização de 23,2% se considerado o valor de R$ 14,98 no fechamento de quarta-feira (27).

A participação de mercado da Ambev

Nos cálculos do Morgan Stanley, que incluem dados do balanço reportado mais cedo e também da produção de cervejas no Brasil indicada pelo IBGE, é provável que a Ambev tenha conquistado maior participação no mercado entre os meses de abril e junho.

Sua principal concorrente no Brasil, a Heineken, deve apresentar seus resultados mais recentes na próxima semana, permitindo uma leitura melhor do cenário.

Em relatório publicado neste mês, os analistas do JP Morgan já haviam citado uma análise de concorrência entre as duas fabricantes de cerveja.

Apesar de avaliar que a cervejaria holandesa possui um forte valor de marca e boa capacidade de produção, a preferência é da Ambev por sua capacidade de inovação e apelo junto ao público.

"A Ambev está bem posicionada para competir no mercado, com um rápido crescimento das marcas Brahma e Spaten, que apresentam bom desempenho", diz o relatório.

Assim, o JP Morgan conclui que a ameaça da concorrência é cada vez mais algo secundário para a tese de investimentos da cervejaria, destacando o portfólio diversificado e o foco em inovação da companhia.

Alta das commodities pressiona custos da Ambev

Entre as principais pressões para a Ambev durante o segundo trimestre do ano estão a alta nos preços das commodities, os custos maiores com distribuição e ainda as despesas com vendas e marketing, aponta o relatório do Morgan Stanley.

O Bank of America (BofA) também elogia o volume de vendas da cervejaria, mas traz ressalvas a respeito dos custos que a companhia tem e que pressionam as margens, aspecto que pode decepcionar alguns investidores.

Outra observação da equipe do BofA diz respeito ao avanço da Ambev no mercado, bastante beneficiada pela venda direta ao consumidor. Na avaliação do banco, o ganho de mercado pode ter relação com os recentes ajustes de preço feitos pela Heineken, que aumentou mais os valores de suas bebidas na comparação com a concorrente brasileira.

Atualmente, o BofA mantém recomendação neutra para os papéis da Ambev, com preço-alvo de R$ 18 — potencial de alta de 20,1% considerando o fechamento anterior de R$ 14,98.

Credit Suisse avalia resultado como 'excelente'

Em relatório, o Credit Suisse relembra como a Ambev foi capaz de apresentar resultados impressionantes mesmo diante de uma dinâmica de consumo mais fraca em outros momentos, uma resiliência demonstrada também no segundo trimestre deste ano.

Os analistas elogiaram a execução de vendas da companhia e o ganho de participação no mercado, apontando que os números também foram afetados pela pressão dos custos.

Esforços de inovação

Já a XP destaca a plataforma BEES — voltada para o público B2B — observando que mais de 85% dos clientes da Ambev já estão integrados à ela. Dessa forma, as vantagens de um processo de venda totalmente digitalizado estão se tornando mais aparentes nos resultados da companhia.

"A recente parceria com o GPA (PCAR3) adicionará mais um lote de SKUs que estarão disponíveis para todos os clientes, o que confirma que a AmBev está à frente do jogo em vendas digitais de bebidas", escreveram os analistas.

Veja também: Esta ação pode quase dobrar seu patrimônio, está barata e já subiu 17.000% em anos

Eles citam ainda como os bares e restaurantes conseguem ter um atendimento mais personalizado por meio da plataforma, que inclui sugestões de portfólio e boas práticas de vendas. Atualmente, o sistema de gestão desses estabelecimentos, principalmente de estoque, é feito dentro da BEES, o que garante mais previsibilidade para os dois lados.

"Com o ambiente macro ainda desafiador, vemos o 2T22 da Ambev como chave para uma mudança positiva nas percepções de curto/médio prazo, já que os preços das commodities estão com tendência de queda e devem descomprimir as margens sequencialmente, permitindo uma recuperação já esperada, a qual acreditamos que possa ser acelerada pelo BEES", dizem os analistas da XP, reiterando a recomendação de compra dos papéis e o preço-alvo de R$ 18,80 para o fim deste ano — potencial de valorização de 25,5%.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar