O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-01T13:08:08-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Terra de gigantes

Santander, Bradesco, Itaú e Banco do Brasil divulgam balanços: qual banco vai vencer a corrida dos lucros bilionários?

Santander abre a fila dos balanços nesta quarta-feira. Bradesco e Itaú Unibanco saem na semana seguinte e o Banco do Brasil fecha o bloco no dia 14. Saiba o que esperar

1 de fevereiro de 2022
13:08
Montagem com fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil
Fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil - Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Na corrida dos lucros bilionários, os grandes bancos brasileiros começam a divulgar os resultados do quarto trimestre e de 2021 a partir desta semana. O Santander Brasil (SANB11) abre a fila nesta quarta-feira (2); Bradesco (BBDC4) e Itaú Unibanco (ITUB4) saem na semana seguinte e o Banco do Brasil (BBAS3) fecha o bloco no dia 14.

Depois de uma rara queda nos lucros com os efeitos da pandemia da covid-19, os bancos voltaram à rotina de resultados em alta em 2021. Por isso, a expectativa do mercado para os balanços que começam a sair amanhã é bem positiva.

Mas os investidores ficarão de olho não só nos números superlativos como também na mensagem que os bancões vão mandar para os resultados deste ano.

Os bancos renascem na bolsa

Depois de ficarem fora do radar nos últimos anos, as ações de Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander voltaram a chamar a atenção do mercado. Não por acaso, os papéis do setor financeiro lideram as altas da bolsa neste início de ano.

As razões para o "renascimento" dos bancos passam por uma tendência global: a perspectiva de alta das taxas de juros. O Federal Reserve (Fed) deve iniciar o ciclo de aperto monetário nos Estados Unidos a partir de março.

A alta das taxas acaba tirando a atratividade de ações de empresas de crescimento, como as de tecnologia. Por outro lado, beneficia aquelas que entregam resultados e dividendos no presente, como é o caso dos bancos tradicionais.

Os juros mais altos também contribuem para melhorar as margens das instituições financeiras. Aqui no Brasil, os resultados de Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil já devem mostrar os efeitos da Selic, que começou em março do ano passado.

Fintechs não são bicho-papão para os bancos

As ações dos bancos também sofreram nos últimos anos diante da ameaça das fintechs, como são conhecidas as novas empresas de tecnologia financeira.

O rápido crescimento das concorrentes, com serviços gratuitos e em muitos casos de melhor qualidade, levou uma parte do mercado a se questionar sobre o futuro dos bancões.

Essa percepção, porém, vem mudando. A competição ainda incomoda, mas os investidores já não enxergam mais as fintechs como o "bicho-papão" de antes.

Entre os sinais dessa mudança de visão estão o tombo das ações das empresas de meios de pagamento Stone e PagSeguro e o desempenho fraco do Nubank após a estreia em grande estilo na bolsa de Nova York.

Eu falo mais sobre essa virada na visão dos investidores no vídeo abaixo:

Dito tudo isso, o que esperar da competição particular entre os bancões? Saiba a seguir o que esperar para os resultados de Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil.

Santander (SANB11): A vida após Sérgio Rial

  • Data do balanço: 2 de fevereiro (antes da abertura)
  • Lucro projetado para o quarto trimestre: R$ 4,201 bilhões (+6,1% ante o 4ºtri de 2020)*

Se os resultados dos bancos pudessem ser comparados a uma corrida de revezamento, podemos dizer que Sérgio Rial pegou o bastão na última posição ao assumir a posição de CEO do Santander Brasil, no início de 2016.

Sob o comando de Rial, a unidade local do banco espanhol foi ultrapassando um a um os adversários até assumir a liderança em rentabilidade, posição que historicamente pertencia ao Itaú.

O banco alcançou índices de retorno sobre o patrimônio (ROE, na sigla em inglês) acima de 20% nos últimos cinco trimestres — um feito e tanto se compararmos com a Selic no patamar de um dígito.

O balanço do quarto trimestre será o último do executivo, que agora passou o bastão para Mario Leão. O desafio do novo CEO do Santander é provar que existe vida no banco após Rial.

Para o UBS BB, o Santander deve manter a liderança em rentabilidade em 2021, mas os números do quarto trimestre não devem empolgar.

“Esperamos queda de 4% no lucro na comparação trimestral, com uma combinação de menores resultados de tesouraria e alíquota maior de imposto”, escreveram os analistas, em relatório.

Bradesco (BBDC4): melhor que o Itaú?

  • Data do balanço: 8 de fevereiro (após o fechamento)
  • Lucro projetado para o quarto trimestre: R$ 6,825 bilhões (+0,3% ante o 4ºtri de 2020)*

O pequeno avanço projetado para o lucro do Bradesco no quarto trimestre de 2021 não conta toda a história sobre o que o mercado espera para os resultados.

Vale destacar que a base de comparação é forte: o balanço dos últimos três meses de 2020 superou de longe as expectativas do analistas.

Caso as projeções dos analistas se confirmem, o Bradesco pode ainda superar o lucro do Itaú no quarto trimestre. Trata-se de um feito e tanto se lembrarmos que o rival histórico é maior.

“As ações do Bradesco negociam com desconto de 12% sobre os concorrentes privados, com um maior retorno sobre os ativos”, afirmam os analistas do Goldman Sachs, que têm recomendação de compra para BBDC4.

Itaú Unibanco (ITUB4): de volta às compras

  • Data do balanço: 10 de fevereiro (após o fechamento)
  • Lucro projetado para o quarto trimestre: R$ 6,696 bilhões (+24,3% ante o 4ºtri de 2020)*

O Itaú pode até registrar um lucro menor que o Bradesco no quarto trimestre de 2021. Mas quem quiser enxergar o copo meio cheio pode argumentar que o maior banco privado brasileiro deverá crescer bem mais que o concorrente na comparação anual.

Para os analistas do Credit Suisse, o Itaú é quem mais se beneficia do ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic). Ou seja, o banco pode ter um cenário ainda melhor à frente. Nada mal para quem chegou a perder a posição de banco mais valioso da América Latina para o Nubank.

De todos os grandes bancos, o Itaú é sem dúvida é o que mais tem se movimentado não só para se defender como também para partir ao ataque na disputa contra as fintechs.

Um ano depois de decidir vender a participação na XP, o banco anunciou em janeiro a compra do controle da Ideal Corretora por R$ 650 milhões, de olho nos investidores que não são clientes do banco.

Banco do Brasil (BBAS3): barato pra caramba, mas...

  • Data do balanço: 14 de fevereiro (após o fechamento)
  • Lucro projetado para o quarto trimestre: R$ 4,743 bilhões (+28,4% ante o 4ºtri de 2020)*

As ações do Banco do Brasil são negociadas historicamente com desconto em relação aos concorrentes privados. E não sem razão. Afinal, o banco opera com uma rentabilidade menor e ainda sofre com as constantes ameaças de intervenção do governo.

Mas tudo tem um preço. Nas contas do Goldman Sachs, as ações do Banco do Brasil são negociadas hoje perto dos menores níveis históricos e com um desconto de 48% em relação a Santander, Itaú e Bradesco.

Além de barato, o BB deve manter um bom nível de lucratividade ao longo deste ano, o que deve garantir um pagamento de dividendos gordo. O banco já anunciou que pretende distribuir 40% do lucro de 2022 aos acionistas.

Embora a expectativa para o balanço seja positiva, as ações do Banco do Brasil devem seguir à mercê do noticiário político ao longo do ano. O que pode ser uma oportunidade para quem acredita em uma condução mais técnica da instituição pela equipe do presidente que assumir em janeiro de 2023. Ou um risco caso o contrário venha a acontecer.

Leia também:

*Fontes das projeções: Bloomberg e Credit Suisse

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) salta para R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre; veja quando a holding pagará dividendos

Vale lembrar, que como é uma holding, a principal atividade (e fonte de receita) da Itaúsa é deter participações acionárias em outras companhias

Carreira

Alunos da USP têm prioridade no mercado de trabalho? Nem sempre os ‘selecionados’ da Fuvest vão ‘roubar’ seu emprego

A universidade faz tanta diferença na sua carreira? Nós respondemos essa pergunta sobre como a USP influencia sua empregabilidade

TRILHA DO UNICÓRNIO

Aplicativo de conta em dólar, Nomad recebe aporte de R$ 160 milhões e já é avaliado em mais R$ 1 bilhão

Nessa segundo rodada de captação, a Nomad, fintech de serviços financeiros em dólar, espera atingir 1 milhão de clientes até o fim do ano

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,12% e vale R$ 5,05. Euro sobe e é negociado a R$ 5,27. Confira o que movimentou o câmbio nesta segunda-feira

A segunda-feira ficou marcada por dados que apontam para uma desaceleração na economia chinesa

FECHAMENTO DO DIA

Derrotado: S&P 500 perde a luta e fecha o dia na lona; veja o comportamento das bolsas lá fora

Os três principais índices de Wall Street vieram de uma semana difícil, já que as preocupações com a desaceleração econômica dos EUA, um Federal Reserve mais agressivo e a inflação mais alta afetaram a confiança dos investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies