2021-09-22T08:44:49-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Rende mais que o Tesouro Direto

Fundo de renda fixa libera acesso a investidores em geral e passa a pagar dividendos isentos de IR todo mês

Com retorno corrigido pela inflação e superior ao dos títulos públicos, fundo de debêntures incentivadas Kinea Infra (KDIF11) não será mais restrito a investidores qualificados e passará a distribuir dividendos mensais

21 de setembro de 2021
17:07 - atualizado às 8:44
Com distribuição de rendimentos mensais isentos de IR, KDIF11 se torna opção de investimento para geração de renda. - Imagem: Shutterstock

Oportunidade na renda fixa, desta vez para todos os investidores. O fundo de debêntures incentivadas Kinea Infra (KDIF11), que tem suas cotas negociadas em bolsa, deixará de ser restrito a investidores qualificados, aqueles que têm mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

A partir de 17 de novembro deste ano, investidores pessoas físicas de todos os portes, pequenos ou grandes, mais ou menos abastados, poderão adquirir cotas do KDIF11 na B3. A ampliação do acesso foi aprovada ontem (20), em assembleia de cotistas.

Na mesma ocasião, os cotistas aprovaram a distribuição mensal dos rendimentos do fundo, hoje pagos semestralmente (a cada 180 dias). Assim, também a partir de 17 de novembro, o Kinea Infra passará a pagar seus dividendos isentos de IR e corrigidos pela inflação a seus cotistas todos os meses, tornando-se um gerador de renda mensal para seus investidores.

Atualmente, o KDIF11 está pagando um retorno líquido de 4,81% + IPCA, considerando-se o valor patrimonial de R$ 138,38 por cota, que leva em conta o valor patrimonial dos ativos da carteira do fundo.

No entanto, as cotas do Kinea Infra vêm sendo negociadas com um desconto, o chamado deságio, o que aumenta ainda mais sua rentabilidade. No fechamento de ontem, a cota do fundo era negociada a R$ 133,34, um desconto de 3,64% em relação ao seu valor patrimonial. Um investidor que tenha adquirido cotas naquele preço terá direito a uma rentabilidade líquida de nada menos que 5,38% + IPCA.

Antes de continuar, um convite: apresentamos no nosso Instagram uma análise do histórico do Ibovespa, mostrando como no longo prazo a tendência do índice sempre foi de alta.

Confira abaixo e aproveite para nos seguir no Instagram (basta clicar aqui). Lá entregamos aos leitores análises de investimentos, notícias relevantes para o seu patrimônio, oportunidades de compra na bolsa, insights sobre carreira, empreendedorismo e muito mais.

Voltando ao Kinea Infra, a título de comparação, a maior remuneração disponível hoje em um título público equivalente, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B), é de 4,87% mais IPCA, para o título com vencimento em 2055. Isso sem considerar o desconto de imposto de renda e os custos de se investir no Tesouro Direto.

Além disso, NTN-B pagam rendimentos semestrais, enquanto a distribuição de dividendos do KDIF11 passará a ser mensal e já incluirá a variação do IPCA.

Na reportagem sobre renda fixa da nossa série sobre Onde Investir no segundo semestre de 2021, o KDIF11 foi um dos ativos citados pelo analista de renda fixa da Empiricus, Luiz Rogé. Na ocasião, ele recomendava compra para o fundo para um preço de até R$ 134,50 por cota.

Debêntures incentivadas: onde o Kinea Infra (KDIF11) investe

O KDIF11 foi o primeiro (e ainda é um dos poucos) fundos de debêntures incentivadas listados em bolsa no Brasil. Com patrimônio líquido de quase R$ 2,7 bilhões, é o maior fundo desse tipo no país.

Fundos de debêntures incentivadas geralmente são fundos abertos e não são negociados em bolsa. Isto é, eles permitem aplicações e resgates, e o investidor comum deve acessá-los por meio das plataformas online de investimento das corretoras e gestoras.

Já o Kinea Infra é um fundo fechado, não permitindo aplicações e resgates. Para investir fora dos eventuais períodos de captação e emissão de cotas, o investidor deve comprar cotas de outro investidor na B3, da mesma forma que faz com ações e fundos imobiliários. Para sair do investimento, precisa vender suas cotas na bolsa a outro interessado.

O KDIF11 investe nas chamadas debêntures incentivadas, títulos de dívida de empresas isentos de imposto de renda para a pessoa física. Para se valerem deste benefício tributário, esses papéis de renda fixa devem ser emitidos com o intuito de financiar projetos de infraestrutura.

Geralmente, as debêntures incentivadas pagam uma taxa de juros prefixada, já conhecida no ato do investimento, mais a variação de um índice de inflação, como o IPCA e o IGP-M. Por isso, são considerados investimentos que oferecem proteção contra a inflação.

Não são só as debêntures incentivadas que são isentas de IR para as pessoas físicas. No vídeo a seguir, eu falo de mais quatro investimentos que contam com esse benefício tributário. Assista e aproveite para se inscrever no YouTube do Seu Dinheiro:

A estratégia do KDIF11 é bastante conservadora. O fundo busca investir em emissões de debêntures que possam ser adquiridas em sua totalidade, o que confere à gestora, a Kinea, alto poder de barganha em caso de calote.

O risco de calote, entretanto, é bem baixo, uma vez que o fundo dá preferência aos chamados ativos high grade (com grau de investimento), que são aqueles papéis de renda fixa de menor risco, com boas classificações de crédito.

Embora possa em tese investir em debêntures incentivadas com ratings acima de BBB-, o Kinea Infra prioriza ativos de risco ainda menor, com classificação acima de A+.

Quase metade da carteira do fundo é composta por títulos emitidos por empresas do segmento de transmissão de energia, um dos ativos de menor risco de crédito, por conta da previsibilidade de receita desse tipo de negócio.

Outros 37% dos recursos estão alocados em papéis de geradoras de energia (solar, eólica, térmica e hidrelétrica), enquanto os 15% restantes estão em títulos de concessionárias de rodovias, saneamento básico ou no caixa do fundo.

Assim, embora não seja tão conservador quanto o de um título público, o KDIF11 pode ser considerado um investimento de risco moderado para baixo, pelo menos do ponto de vista do risco de crédito a carteira.

Risco de mercado: o preço das cotas sobe e desce!

Apesar de ser um fundo de renda fixa, o KDIF11 tem risco de mercado, assim como os títulos públicos e debêntures prefixados e indexados à inflação. Suas cotas podem oscilar para cima ou para baixo dependendo das projeções do mercado para juros e inflação.

Ou seja, ao acompanhar a marcação a mercado das cotas do fundo, o investidor pode observar valorizações ou desvalorizações. Ao se desfazer das suas cotas, se a venda ocorrer por um preço inferior ao da compra, o investidor perderá dinheiro.

O fato de distribuir dividendos regularmente diminui muito o risco do investimento, permitindo que ele se pague em forma de renda, e que o investidor tenha acesso ao seu dinheiro mensalmente, sem precisar se desfazer das cotas para reaver o principal.

A volatilidade do Kinea Infra também pode ser considerada um tanto alta, uma vez que as debêntures do fundo têm uma duration média - prazo médio de retorno dos investimentos - superior a cinco anos. E quanto maior a duration, mais o preço do ativo oscila.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nova variante vira a mesa nos mercados, bitcoin entra em ‘bear market’ e outros destaques do dia

Se você já estava pronto para tirar o pó da sua fantasia de Carnaval, talvez seja melhor esperar mais um pouco. Além de algumas cidades brasileiras terem decidido adiar a festança por mais um ano, uma reviravolta no andamento da pandemia deixou mais uma vez o mundo em pânico. A variante B.1.1.529 (batizada de ômicron […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Nova cepa do coronavírus pega mercado de surpresa; Ibovespa recua quase 4% no dia e apaga ganhos da semana

Ao longo da semana, o Ibovespa também foi pressionado pela indefinição em torno da PEC dos precatórios e a pausa para o feriado nos Estados Unidos

DINHEIRO NO FIM DO ANO

Yduqs (YDUQ3) pagará R$ 141 milhões em dividendos; confira o valor por ação

A empresa do setor de educação pagará cerca de R$ 0,40 por ação ordinária e o dinheiro cairá na conta dos acionistas em 7 de dezembro

OMICRON

5 fatos sobre a nova variante do covid que derrubou os mercados nesta sexta

O anúncio de que uma nova variante do coronavírus surgiu na África do Sul fez com que os mercados internacionais desabassem; veja o que sabemos até agora