Menu
Jojo Wachsmann
Diário de Bordo
Jojo Wachsmann
É CIO e sócio fundador da Vitreo.
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-11T09:20:38-03:00
Coluna do jojo

Mercados hoje: novos balanços, desdobramentos em Brasília e inflação dos EUA

Com a PEC do voto impresso derrotada na noite de ontem (10), o mercado retorna atenção na Câmara na expectativa da votação do novo Imposto de Renda. Lá fora, o destaque é para inflação norte-americana

11 de agosto de 2021
9:20
Colun do Jojo
Imagem: Curtindo a Vida Adoidado (1986)

Bom dia, pessoal!

Depois de ser norteado ontem (10) pela aprovação bipartidária do pacote de infraestrutura, o mercado internacional volta a atentar aos EUA, com investidores aguardando que a taxa de inflação americana, a ser divulgada hoje, cresça a um ritmo mais lento em julho em relação ao ano anterior; isto é, ligeiramente inferior aos 5,4% de junho. Uma leitura mais alta do que o esperado pode sugerir que a inflação é mais persistente e aumentar o risco de um cronograma de aperto monetário mais estreito do Fed.

Também há preocupação com a propagação da variante delta na Ásia, o que resultou em nova imposição de restrições de viagens na China – partes do Japão, incluindo Tóquio, a capital, permanecem em estado de emergência. O Brasil, por sua vez, corre o risco de seguir sua própria dinâmica, com muito fator político de Brasília a ser digerido ao longo do pregão.

A ver...

Back to basics: o temor fiscal volta a assombrar

Depois de rejeitar a PEC do voto impresso por 79 votos – foram 229 votos a favor versus 218 contrários (houve 65 ausências), mas para PEC é necessário 2/3 de apoio –, voltamos a prestar atenção na Câmara, com a expectativa de votação nesta quarta-feira (11) do projeto do Imposto de Renda, que teve um novo parecer apresentado na noite de ontem pelo relator Celso Sabino (PSDB-PA). O mercado deverá ler com cautela adicional o texto a ser aprovado, enquanto também aguarda pela votação da reforma política, na quinta-feira (12), e da reforma administrativa, esperada para o final de agosto.

Há uma renovação de desconforto por parte do mercado frente às incertezas que rodeiam a PEC dos Precatóriospelo que temos, ficou soando um pouco como pedalada, o que gera aversão ao risco por parte dos agentes. Para ilustrar, ontem à noite, o Ministério da Economia assumiu que alterou a regra de ouro, que veda que os ingressos financeiros oriundos do endividamento (operações de crédito) sejam superiores às despesas de capital (investimentos, inversões financeiras e amortização da dívida), para ter maior agilidade na disponibilização dos recursos públicos. Tais manobras devem ser absorvidas negativamente pelo mercado.

Mais sobre o tema do ano: inflação

Lá fora, o principal evento de hoje será a divulgação dos números da inflação para julho dos EUA. Na verdade, não se trata do número em si, mas o que ele pode significar para os planos do Federal Reserve (Fed) de começar a endurecer sua política monetária. Nos últimos 12 meses, a inflação dos EUA tem corrido em seu ritmo mais rápido em décadas, em meio a gargalos e escassez da cadeia de suprimentos à medida que a economia reabre. Mas as autoridades permaneceram focadas nas expectativas de inflação de longo prazo, que não mudaram tanto, indicando que a alta recente é de cunho temporário.

Projeta-se uma alta de 5,3% na comparação anual, após ganho de 5,4% em junho – junho foi a maior alta desde julho de 2008, com o IPC em seu nível mais elevado em 30 anos. O núcleo do IPC, que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, deverá aumentar 4,3%, em comparação com 4,5% anteriormente. Vale pontuar que, se avaliarmos as minúcias do número, notaremos que uma quantidade muito pequena de itens tem variações de preço muito grandes. Tais distorções são o que leva o Fed a entender este momento inflacionário como transitório.

Finalmente, aprovado!

O Senado dos EUA finalmente aprovou o projeto de redistribuição fiscal de infraestrutura de cerca de US$ 1 trilhão com apoio bipartidário – a votação foi de 69 a favor e 30 contrários –, partindo agora para a Câmara. Agora, os democratas já trabalham no próximo passo, naquele projeto que se entende como de “infraestrutura humana”, de US$ 3,5 trilhões, que não deve ter sua redação finalizada antes do início de setembro.

O próximo plano inclui gastos com a expansão do Medicare (programa para a saúde dos americanos), financiamento de creches, faculdade comunitária gratuita, projetos de habitação pública e medidas relacionadas ao clima. A proposta também deverá elevar os impostos sobre empresas e indivíduos com alta renda para compensar alguns dos gastos, de modo a financiar os gastos adicionais. Espere ouvir muito sobre isso nas próximas semanas.

Anote aí!

O Brasil conta com a continuidade de sua temporada de resultados, ficando no aguardo de nomes como NotreDame Intermédica, Eletrobras, Equatorial Energia, JBS, Suzano, Ultrapar e Via (antiga Via Varejo). Na agenda de dados, o IBGE divulga vendas no varejo, que possuem como expectativa em seu número restrito uma alta de 0,70% em junho – no varejo ampliado, a mediana das expectativas repousa em queda de 1,60%.

Ainda no Brasil, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga o Índice de Confiança do Empresário Industrial de agosto, enquanto investidores prestam atenção na fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que participa às 17 horas de evento do Goldman Sachs.

Lá fora, o grande destaque fica por conta da inflação americana, mas outras coisas podem chamar atenção, como a divulgação pelo Departamento do Tesouro dos EUA do demonstrativo de orçamento mensal para julho de amanhã (12) – o déficit estimado é de US$ 267 bilhões para o mês e US$ 3 trilhões para o ano fiscal de 2021, que termina em setembro e ganha contornos mais relevantes após a aprovação do pacote de infraestrutura.

Muda o que na minha vida?

O segundo reforço (ou terceira dose) parece inevitável. Israel se tornou o primeiro país a lançar um programa de injeção de reforço contra a Covid-19 no início desta semana, enquanto a Alemanha e o Reino Unido devem começar a oferecer terceiras doses no início do próximo mês. Nos EUA, por sua vez, a Food and Drug Administration (FDA) espera revelar sua estratégia de reforço dentro de semanas. Mas o mercado parece estar calculando esse preço.

Por outro lado, as doses de reforço para o outono certamente garantirão que as vendas da vacina contra a Covid-19, para empresas como Pfizer e Moderna, continuem crescendo – bom para as ações das companhias. Os países parecem estar favorecendo as vacinas de mRNA em seus planos de reforço, uma vantagem para Moderna e Pfizer, mas entende-se que em breve todos passaremos por isso, inclusive no Brasil.

Contanto que o reforço mais ajude do que atrapalhe, o mercado deve lê-lo como positivo e uma forma de nos vermos livres da variante delta mais rapidamente.

Fique de olho!

Desde que a carteira Oportunidades de Uma Vida foi criada, em dezembro de 2015, ela já rendeu mais de 560% até 30 de julho de 2021.

Isso quer dizer que, em pouco menos de seis anos, ela multiplicou o patrimônio de quem investiu lá no começo e seguiu todas as indicações por 6,6 vezes.

O Ibovespa, por sua vez, no mesmo período, rendeu 157,1%.

Já o fundo da Vitreo que é inspirado na carteira rendeu 8,2 vezes mais do que o Ibovespa em 2021 até a cota do dia 4 de agosto de 2021.

Lembrando sempre que rentabilidade passada não garante lucro futuro, é uma verdadeira SURRA NO IBOVESPA.

Para comemorar esses resultados massivos, resolvemos te dar um presente. Um presente com a nossa cara: foco no cliente, ganha-ganha na veia.

O nosso head de Renda Variável, Marcel Andrade, gravou um vídeo para explicar como vai funcionar esse presente. E, fique tranquilo (a), não tem pegadinha.

Estamos chamando essa ação de “A Oportunidade Ganha-Ganha da Sua Vida”.

Temos motivo para comemorar: aplicar uma surra dessas no índice, resistente ao teste do tempo, não é pra qualquer um.

Queremos que você também ganhe com ela. Clique abaixo, assista ao vídeo e valide seu presente.

QUERO VALIDAR

  • Não deixe de ler o regulamento do fundo e seus fatores de risco antes de investir.
  • Retornos passados não garantem retornos futuros.
  • Não há nenhuma garantia de retorno.
  • As rentabilidades apresentadas nas comunicações da Vitreo não são líquidas de impostos.

- A aplicação em fundos de investimento não conta com a garantia do FGC, de qualquer mecanismo de seguros ou dos prestadores de serviço do fundo.

Um abraço,

Jojo Wachsmann

No quadro Ações Para Ficar de Olho desta semana, o Victor Aguiar preparou uma análise completa de empresas promissoras; confira no vídeo abaixo:

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies