Menu
2021-03-02T18:56:51-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
calma, gente

XP considera exagerada reação do mercado à alta de impostos sobre bancos

Analistas ponderam impacto que alta do tributo terá no lucro e no valuation e mantêm recomendação de compra para Bradesco e BB

2 de março de 2021
11:51 - atualizado às 18:56
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de zerar os impostos federais sobre o diesel e o gás de cozinha, compensando a renúncia fiscal por meio do aumento de tributos sobre bancos pegou mal nos mercados ontem.

Hoje, as ações dos principais bancões registraram recuperação na B3 desde o início do pregão. As units do Santander (SANB11) fecharam em alta de 3,14%, as ações do Banco do Brasil (BBAS3) fecharam com ganho de 3,84%, s papéis preferenciais do Bradesco (BBDC4) tiveram valorização de 2,68% e os do Itaú Unibanco (ITUB4) avançaram 4,04%.

Os bancos sofreram ontem (1º) com a possibilidade de o governo federal aumentar a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras para conseguir zerar as alíquotas de PIS e Cofins sobre a comercialização e a importação do óleo diesel e do gás liquefeito de petróleo (GLP) de uso residencial.

Enquanto a alta dos tributos era ainda rumor (o governo anunciou oficialmente a decisão à noite), os investidores já precificaram a decisão, com as ações dos bancos caindo em média 2,7%.

Não só os bancos sofreram. O Ibovespa como um todo sentiu o peso da decisão. Ainda que tenha subido 0,27%, fechando aos 110.334 pontos, o índice poderia ter fechado em uma pontuação ainda maior não fosse a medida.

Mas para os analistas da XP Investimentos, a reação foi exagerada.

Não é para tudo isso

Os analistas Marcel Campos e Paulo Gama fizeram algumas contas e constataram que um aumento permanente de 5% na CSLL teria um impacto sobre o lucro e o valuation dos bancos de aproximadamente 3,7%. 

Esse efeito não muda o cenário base deles, porque eles já consideravam a possibilidade de a CSLL dos bancos ser reajustada em junho de 2020, quando isso foi cogitado como uma forma para o governo lidar com os gastos provocados pela pandemia de covid-19.

Eles também destacaram que é preciso ponderar três questões na hora de analisar a decisão do governo federal:

  • o imposto só deve passar a valer a partir de julho;
  • o impacto é limitado para 2021; e
  • o Congresso ainda tem que aprovar a medida.

“Sendo assim, reiteramos nossa recomendação de compra para Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) e neutra para Itaú (ITUB4) e Santander (SANB11)”, diz trecho do relatório.

Não é só a XP...

A reação dos mercados contra a decisão do governo também foi vista como exagerada por André Pimentel, sócio da consultoria Performa Partners.

Para ele, a alta da CSLL proposta não deve trazer consequências negativas para os resultados dos bancos, com base na decisão que o governo apresentou.

"Olhando para a dimensão do lucro dos bancos nos últimos trimestres, é uma parcela pequena desse lucro. Portanto, não vejo condições de esse aumento trazer algum tipo de impacto no custo de captação ou de empréstimo dos bancos", disse ele em áudio enviado ao Seu Dinheiro.

Ele admite a possibilidade de queda na rentabilidade, mas ainda assim os bancos vão continuar apresentando um desempenho "muito acima dos pares em outros países".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies