🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
VÍDEO

Afinal, Weg ON (WEGE3) está cara ou barata após a disparada dos últimos anos? O Seu Dinheiro te ajuda a decidir

Trimestre após trimestre, a Weg (WEGE3) mostra bons resultados e surpreende o mercado, mas muitos consideram suas ações caras demais. E agora?

Victor Aguiar
Victor Aguiar
7 de outubro de 2021
9:30 - atualizado às 13:28

Falar sobre as ações da Weg (WEGE3) é uma tarefa difícil: por um lado, seus múltiplos são muitíssimo esticados e dão a entender que a cotação está cara demais; por outro, a empresa funciona como um relógio — trimestre após trimestre, entrega resultados surpreendentes e, como resultado, seus papéis continuam se valorizando na bolsa. Esse dilema é debatido pelo Seu Dinheiro no "Ações para ficar de olho" desta semana:

Num cenário como esse, o que fazer? As ações do grupo catarinense ainda são atrativas após acumularem ganhos de mais de 4.500% desde o IPO? Ou é hora de ficar longe de WEGE3, dadas as cotações já elevadas e o clima nada positivo do mercado acionário como um todo?

A resposta é complexa e depende muito do cenário que você, investidor pessoa física, enxerga para a Weg no futuro. É verdade que o valuation da empresa está esticado, mas também é verdade que ele tem permanecido nesses níveis há anos — o que, no fim das contas, pode significar que esse é o patamar correto para as ações de uma empresa tão sólida.

Dito isso, é preciso entender exatamente quem é a Weg e o que ela faz para ter as ferramentas corretas de avaliação dos papéis.

Weg (WEGE3): Diversificação é o negócio

A Weg é uma empresa do setor de bens industriais com foco em máquinas e equipamentos elétricos. Produz motores, capacitores, geradores e muitos outros itens do tipo. Pela natureza de seus produtos, acaba sendo um importante fornecedor para diversos setores da economia — construção civil, mineração, óleo e gás, saneamento, energia elétrica, bens duráveis e muitas outras cadeias estão na carteira da empresa.

Essa diversidade de clientes é um dos trunfos da Weg, uma vez que os momentos de fraqueza de determinando segmento costumam ser compensado por uma demanda maior de outros setores, blindando-a de uma eventual desaquecimento de uma cadeia específica.

O próprio portfólio do grupo catarinense mostra um leque de atuação bastante amplo. Há quatro grandes divisões:

  • Equipamentos eletroeletrônicos industriais;
  • Geração, transmissão e distribuição de energia (GTD);
  • Motores comerciais e appliance; e
  • Tintas e vernizes.

Há mais um componente importante a destacar na carteira de clientes e de produtos da Weg: o prazo. Certos equipamentos são de ciclo curto e são demandados em intervalos curtos de tempo pelas empresas, como motores para eletrodomésticos; há outros de ciclo longo, com demanda pontual e prazo mais extenso de duração, como certos componentes de GTD.

É mais um elemento que protege a Weg de oscilações: como os contratos firmados possuem prazos diferentes — alguns curtos, outro longos —, ela garante a geração de receita em diferentes janelas de tempo, novamente ficando blindada de eventuais instabilidades econômicas.

Weg e o exterior

Outro fator fundamental para a resiliência da Weg é sua exposição ao mercado internacional: no segundo trimestre de 2021, por exemplo, a empresa teve receita líquida de R$ 5,7 bilhões, alta de 41,4% em um ano; desse montante, 45% dizem respeito ao Brasil, enquanto os 55% restantes foram obtidos no exterior.

E mesmo a fatia internacional é bastante diversificada: a América do Norte é o principal mercado da Weg, com 43,3% da receita externa, mas Europa (25,7%), Ásia-Pacífico (12,2%), América do Sul e Central (12,1%) e África (6,7%) também têm fatias relevantes.

Ou seja: a exposição à dinâmica externa traz à Weg um componente em dólar para a receita líquida; além disso, também a deixa exposta à economia internacional; momentos de fraqueza no mercado doméstico tendem a ser compensados pela demanda mais alta lá fora.

Como resultado de toda essa diversificação, a receita líquida da Weg cresceu de maneira praticamente ininterrupta nos últimos anos, apesar da pandemia de Covid-19.

Gráfico de barras e linhas mostrando a evolução da receita líquida, do Ebitda, do lucro líquido e da margem Ebitda da Weg (WEGE3) ao longo dos trimestres

WEGE3: cara ou barata?

Considerando todos esses fatores, não resta dúvida quanto à qualidade da Weg enquanto empresa. Mas, ainda assim, é importante entender se as ações WEGE3 já precificam esse fator, ou se há espaço para ganhos adicionais no papel.

Em termos de valuation, WEGE3 tem um indicador P/L estimado para 2022 em 46,63x; o EV/Ebitda para o ano que vem está em 35,37x, segundo dados do TradeMap. São múltiplos muito esticados e que se equiparam ao das big techs dos EUA — empresas que apresentam uma taxa de crescimento bem mais alta que a da Weg no curto prazo.

Por outro lado, os dados do TradeMap também nos mostram que esses dois indicadores de valuation estão abaixo da média de três anos para WEGE3 — o que, considerando os preços historicamente elevados para a ação, dá a entender que ela pode estar relativamente descontada.

Tanto é que os analistas de grandes bancos se dividem quando o assunto é Weg: entre as principais casas de análise, há quem recomende compra de WEGE3 e enxergue um enorme espaço para valorização, mas há também quem recomende venda e aposte numa queda adicional dos papéis.

O resumo das recomendações dos grandes bancos e seus preços-alvos, além de outros elementos para que você possa montar sua tese de investimentos na Weg, estão no nosso vídeo desta semana:

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar