Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-15T18:50:06-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Saindo do limbo

Em recuperação judicial desde 2016, construtora Viver diz estar pronta para voltar à normalidade

A construtora Viver deu entrada num pedido para o encerramento do processo de recuperação judicial; as ações disparam hoje na bolsa

15 de junho de 2021
12:17 - atualizado às 18:50
Beira Mar Condomínio Clube, em Paulista (PE), construído pela Viver (VIVR3), que saiu de recuperação judicial
Beira Mar Condomínio Clube, em Paulista (PE), construído pela Viver - Imagem: Viver / Divulgação

O ano de 2007 ficou conhecido pelo enorme volume de IPOs: 51 empresas estrearam na bolsa brasileira. E, em meio à febre das aberturas de capital, o setor de construção e incorporação foi destaque, com 14 ofertas públicas — e a Viver, que está em recuperação judicial, fez parte desse grupo.

A companhia, no entanto, está a um passo de deixar esse limbo. A Viver deu entrada num pedido para encerrar o processo de recuperação judicial que já se arrasta por cinco longos anos.

De fato, a construtora já dava sinais de que poderia dar a volta por cima. Em maio, o Seu Dinheiro publicou uma análise sobre as ações de empresas em recuperação judicial. Dos 20 ativos nessa condição, apenas três foram apontados como opções válidas de investimento — e a Viver era um deles.

Na ocasião, destacamos que a Viver já tinha conseguido renegociar parte relevante de sua dívida e que estava numa boa posição para cumprir os compromissos restantes. E, com o pedido para encerramento da recuperação judicial, foram dados mais detalhes do estágio atual do processo.

Em primeiro lugar: lá em setembro de 2016, quando começou a recuperação judicial da Viver, havia um passivo de quase R$ 1 bilhão a ser reestruturado. De lá para cá, foram feitas cinco etapas de capitalização da companhia — e, com isso, 98% da dívida habilitada foi quitada.

Mas isso não quer dizer que a Viver já saiu da recuperação judicial. Com o pedido de encerramento sendo protocolado, cabe à Justiça analisar as etapas processuais restantes — o que pode levar algum tempo. A Dexxos, por exemplo, ficou quase dois anos aguardando o parecer do Judiciário.

De qualquer forma, o mercado já reage com empolgação: as ações ON da Viver (VIVR3) dispararam quase 30% no pregão de hoje, fechando a R$ 2,82. Mais cedo, a alta chegou a ultrapassar os 40%, levando os papéis acima da faixa dos R$ 3 pela primeira vez desde o começo de 2019.

Viver ações

A Viver, hoje

Dito isso: qual a situação operacional da Viver neste momento?

Analisando os dados do balanço da companhia no primeiro trimestre, dá para ver que a Viver tem um ritmo de atividade bastante lento. Foram vendidas apenas 41 unidades entre janeiro e março deste ano, ou R$ 13,4 milhões.

A receita líquida somou R$ 23,9 milhões, o Ebitda foi de R$ 9,2 milhões e o lucro líquido de meros R$ 100 mil — números que, embora modestos, representam uma evolução na comparação com o primeiro trimestre de 2020.

Com o fim do processo de recuperação judicial, no entanto, abrem-se novos horizontes para a empresa. Em primeiro lugar, o acesso a linhas de crédito com condições mais atraentes será facilitado, o que facilitará a compra de novos terrenos e o desenvolvimento de empreendimentos nas áreas que já estão em posse da companhia.

Aliás, atualmente a Viver tem um banco de terrenos de R$ 153,7 milhões — mais da metade está na região Sudeste. Uma área pouco expressiva em termos de valor, mas que está em regiões aquecidas.

A classe de 2007

As 14 construtoras e incorporadoras que fizeram IPO em 2007 tiveram histórias bastante distintas. Muitas delas fecharam o capital; outras foram compradas nos momentos de crise do setor e também deixaram a bolsa. Por fim, há as empresas que entraram em recuperação judicial, como a Viver e a PDG.

Mas nem todas tiveram um final triste. Algumas das construtoras que estrearam na bolsa naquele ano seguem fortes até hoje, sendo referência em seus segmentos de atuação. É o caso de MRV, Helbor e JHSF, entre outras.

Construtoras que fizeram IPO em 2007

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Nova bolada

Corretora que quer levar brasileiros a investir nas bolsas dos EUA recebe aporte de R$ 150 milhões; saiba mais

Com US$ 1 bilhão em ativos sob gestão e 300 mil clientes, a Avenue Securities recebeu aporte do fundo japonês Softbank

O gigante quer mais

Buscando margem: Itaú Unibanco (ITUB4) aposta em retomada de crédito pessoal para lucro continuar em alta

Carteira de crédito tem sido impulsionada por linhas com juros mais baixos para os clientes, como financiamento de imóveis e de veículos

Na mira da lei

O que bitcoin e carro tem em comum? Para o novo diretor da CVM americana, ambos precisam de limites

O novo chefe da SEC, a CVM americana, é um entusiasta de criptomoedas e deve trazer um time de peso para sua equipe

Na agenda

Reforma administrativa deve ser votada na Câmara no fim de agosto, diz Lira

O parlamentar avaliou que ficará mais difícil avançar com reformas no ano que vem, quando os interesses políticos vão se sobrepor à agenda econômica

Negócios

Ganhando tração, área de gestão de patrimônio da Vitreo já captou R$ 520 milhões –meta é chegar a R$ 1 bi ainda em 2021

Com serviços exclusivos para clientes com patrimônio acima de R$ 10 milhões, a Vitreo Wealth tem diversos diferenciais e avança em cenário de aquecimento da economia, boom de IPOs, fusões e aquisições e de fortalecimento das startups

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies