ESTÁ CHEGANDO A HORA: CONHEÇA AS 5 CRIPTOS QUE PODEM ‘EXPLODIR’ EM BREVE – CLIQUE AQUI

Cotações por TradingView
2021-11-03T16:13:51-03:00
Márcio Juliboni, do Money Times
Radiocash

Consumidores prestam atenção em pessoas e não em anúncios, diz sócio-fundador da Adventures

A agência criada há um ano para revolucionar não apenas o mercado publicitário, mas, com a própria forma como as companhias concebem e lançam novos produtos

Ricardo Dias
Ricardo Dias não tem nenhuma dúvida de que o novo marketing exige que as pessoas sejam colocadas no centro de todo o processo - Imagem: Divulgação

Se você ou sua empresa ainda pensam que contratar uma celebridade para estrelar o “anúncio” de um novo produto é o ápice de qualquer campanha bem-sucedida de marketing, é bom prestarem atenção no que diz Ricardo Dias, ex-vice-presidente de marketing da AB InBev e sócio-fundador da Adventures, agência criada há um ano para revolucionar não apenas o mercado publicitário, mas, também, a própria forma como as companhias concebem e lançam novas linhas de produtos.

Dias não tem nenhuma dúvida de que o novo marketing exige que as pessoas sejam colocadas no centro de todo o processo. Ao participar da edição desta semana do RadioCash, podcast da Empiricus Research apresentado pela analista Larissa Quaresma e por Jojo Wachsmann sócio-fundador da Vitreo, o empreendedor afirmou que “as marcas do futuro serão lançadas, criadas e administradas por pessoas.”

Mas, de quais pessoas, ele está falando? O primeiro grupo é o das celebridades – artistas e esportistas que reúnem milhões de seguidores em suas redes sociais e que, portanto, influenciam o comportamento do mercado consumidor. O segundo grupo, claro, são os consumidores. No meio, estão as empresas que tentam tomar emprestadas a fama e a influência de uns para vender seus produtos para os outros. E é aí que a Adventures, fundada em sociedade com Rapha Avellar, enxerga inúmeras oportunidades.

Celebridades como alavanca

A primeira é desenvolver linhas de produtos em sociedade com as celebridades, mas de um modo muito mais profundo. Não se trata apenas de assessorar algum ex-BBB que deseja lançar uma grife de roupas. Trata-se de assumir o risco do negócio, captar recursos e empreender. Não é à toa que sua empresa foi batizada de Adventures – trata-se da junção de duas palavras que representam o cerne de seu negócio: advertising (publicidade) e venture (no sentido de empreender).

Na conversa com Larissa e Jojo, Dias cita vários exemplos bem-sucedidos de celebridades que se tornaram verdadeiras potências do mundo dos negócios, como as irmãs Kardashian e Cristiano Ronaldo. O jogador da Seleção de Portugal e do Manchester City, aliás, é apontado pelo empreendedor como um mestre na arte de transformar fama em vendas. “Ele dá uma aula de marketing para qualquer celebridade”, afirma Dias.

Em dezembro, a Adventures lançará sua primeira linha de produtos, em sociedade com uma celebridade. No modelo proposto pela empresa, a fatia do negócio que caberá ao famoso da vez está atrelada a diversos indicadores, como sua influência nas redes sociais, medida não apenas pela quantidade de seguidores, mas também pelo engajamento deles com as postagens. Mas, de uma coisa, a Adventures não abre mão – em todos os projetos, a agência terá o controle acionário.

Dados preciosos

Ao explorar a força dos famosos nas redes sociais, Dias e seu sócio querem, também, inverter a hierarquia da mídia. “Começamos de baixo para cima: da comunidades, das redes sociais, até chegar à mídia tradicional, que é a que vai para os meios de comunicação”, explica. Essa estratégia tem, ainda, outra vantagem: conhecer em profundidade dos consumidores, algo difícil de se obter com as grandes mídias de massa.

Mais uma vez, Dias lembra de Cristiano Ronaldo. No site do craque português, as interações dos fãs não geram apenas comentários e visualizações de páginas, mas também vendas de artigos que vão de cuecas a acessórios. O mais precioso, contudo, é a informação gerada pelo rastreamento dos consumidores. “As grandes empresas dependem de intermediários para conhecer seus clientes, como os varejistas”, explica Dias. “E aí, faltam dados”.

Ao contar com a força das redes sociais e da internet para desenvolver marcas 100% nativas digitais, alavancadas pelo contingente de fãs de alguma celebridade, a Adventures amarra as pontas de seu modelo de negócios, reunindo preciosas informações para planejar seus próximos passos e se manter no mercado. “As empresas que não conhecem seus consumidores vão morrer”, sentencia o empresário. E, para usar uma expressão que Dias repetiu várias vezes no podcast: “tão simples, quanto isso”.

Ouça a seguir a íntegra do podcast RadioCash.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies