Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-19T10:15:46-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
passando um aperto

Primeira classe e hotéis de luxo: o que será dos setores aéreo e hoteleiro com o fim das viagens executivas?

Com a redução de viagens, hotéis de luxo e passagens mais caras saíram do dia a dia das empresas aéreas, que buscam por renovação do setor

19 de abril de 2021
10:15
Food,Served,On,Board,Of,Business,Class,Airplane.
Imagem: Shutterstock

Sócio-administrador do escritório Machado Meyer Advogados, Tito Andrade era conhecido dos funcionários do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Antes da pandemia, costumava vê-los pelo menos duas vezes por semana: na ida e na volta de suas viagens a negócios. Com unidades em Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, o escritório frequentemente enviava seus advogados a essas cidades para reuniões.

Nos últimos 12 meses, porém, Andrade viajou apenas cinco vezes. Voos devem voltar à rotina de Andrade assim que for possível, diz ele, mas não com a mesma frequência. O advogado imagina que a redução pode chegar a 40% na comparação com o pré-pandemia.

A estimativa de Andrade é um pouco mais drástica do que a da consultoria Bain & Company, que projeta um recuo definitivo de 35% para o segmento de viagens corporativas, o que afetará empresas aéreas, hotéis, agências de turismo e toda uma cadeia relacionada ao setor.

Dados da Global Business Travel Association (associação internacional do setor) indicam que essa indústria movimentou US$ 1,4 trilhão em 2018 globalmente - pouco mais da metade disso apenas nos EUA e na China. No Brasil, foram US$ 30 bilhões em 2015.

Responsável por pagar passagens aéreas mais caras e diárias em hotéis de luxo, o turismo corporativo passará por uma transformação profunda decorrente da necessidade de as empresas economizarem e após elas terem conferido que muitas viagens não são mais necessárias com a popularização das videoconferências.

"O efeito dessa aceleração do trabalho remoto vai comer mais ou menos 35% das viagens a negócios de forma permanente. Essa é a nossa primeira estimativa, mas pode ser mais", destaca o consultor André Castellini, sócio da Bain.

O que conseguir sobreviver desse setor deve enfrentar uma retomada lenta. Um estudo da consultoria McKinsey mostra que viagens internacionais a negócios originadas nos EUA levaram cinco anos para se recuperar completamente após a crise de 2008, enquanto as viagens a lazer levaram apenas dois anos.

Castellini, da Bain & Company, conta que, em reuniões com executivos de empresas, quando pergunta sobre o lado positivo da quarentena, a maioria cita o fato de estar viajando menos e tendo mais tempo com a família. Segundo ele, na própria Bain, a redução nas viagens deve chegar a 40%. Hoje, os funcionários estão viajando 15% do que costumavam.

O corte, diz Castellini, será sobretudo em atividades internas, como recrutamento. Antes da pandemia, nas três rodadas de entrevistas que a empresa fazia com candidatos de fora do País, um funcionário era enviado para fazer a seleção. Após a pandemia, as duas primeiras fases serão online. Das viagens a treinamento, 25% devem ser eliminadas na consultoria.

No escritório Machado Meyer, viagens que tinham como objetivo construir relações com clientes devem ser retomadas. Mas aquelas em que o advogado perdia o dia todo em deslocamento para fazer apenas uma reunião serão extintas.

"Algumas reuniões presenciais são importantes e permitem decisões mais rápidas, além de uma compreensão mais clara do que o interlocutor está pensando. Por outro lado, tinha reuniões e viagens que eram desnecessárias e que provavelmente vamos continuar fazendo por vídeo", diz Andrade.

Além das viagens domésticas semanais que realizava, o advogado costumava ir seis vezes por ano ao exterior a trabalho. A Europa e os EUA eram os destinos mais frequentes, mas a Ásia também aparecia nos roteiros e, nesse caso, a viagem era em classe executiva.

Setor aéreo

O setor corporativo é o maior responsável pela demanda por passagens executivas e pernoites em hotéis de luxo. Antes da pandemia, as passagens em primeira classe e na executiva eram, em média, cinco vezes mais caras do que as da econômica. Com isso, esses bilhetes eram cruciais na receita das empresas, representando 30% do faturamento das companhias internacionais. Agora, segundo a Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata), a diferença de preço entre as classes premium e a mais barata é apenas o dobro. Essas tarifas mais baratas devem dificultar a recuperação do setor aéreo, de acordo com a entidade.

No caso da Gol, como a empresa tinha poucos voos internacionais, esse impacto da classe executiva é limitado. Ainda assim, há uma preocupação com a redução no número de passageiros a negócios. Relatório do Itaú BBA aponta que, antes da pandemia, 70% da receita da empresa com venda de passagens era gerada no segmento corporativo, apesar de ele representar apenas 30% do número de passageiros. Hoje, essa participação da receita é de 25%.

Na Azul, entre 60% e 65% dos passageiros eram corporativos antes da pandemia. Questionado sobre uma redução permanente deste mercado, o presidente da companhia aérea, John Rodgerson, disse que outras demandas podem substituir a que se tinha antes, como a de profissionais viajando para o litoral para trabalhar remotamente. "Claro que o mercado vai ser diferente, mas o setor aéreo está crescendo no Brasil. Nos EUA, onde o mercado estava estável, a recuperação está sendo rápida. Imagina aqui, onde havia crescimento."

Em nota, a Latam informou que é "fato que as viagens corporativas têm impacto relevante e direto nas receitas do setor, pois, historicamente, apresentam um tíquete médio mais alto e isso contribui em larga escala para margem da companhia". "A Latam permanece acompanhando este cenário e acredita que haverá, no futuro, uma jornada mais híbrida, permitindo, aos poucos, a volta do passageiro corporativo".

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo em dezembro, o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, reconheceu que um terço das viagens corporativas deve desaparecer. "Mas inspeções de engenharia e reuniões para vendas vão continuar presenciais. Uma reunião presencial vai acabar sendo até um diferencial competitivo", afirmou.

Em hotéis de turismo corporativo, ocupação é de 25%

Assim como ocorre nas empresas aéreas, nos hotéis de alto padrão os viajantes de negócios são os principais clientes. Eles costumam gerar 70% da receita nesses empreendimentos, segundo o World Travel & Tourism Council (organização que reúne o setor de turismo globalmente). Hoje, porém, a ocupação média nas redes hoteleiras corporativas não costuma passar de 25%, de acordo com a Associação Brasileira de Agência de Viagens Corporativas (Abracorp).

Um dos hotéis de São Paulo mais populares entre executivos, o Grand Hyatt tem conseguido alguns "picos" de ocupação de 28%. A unidade, onde 92% do público costumava ser corporativo, viu essa taxa cair a 10% no pior momento da pandemia. Em tempos normais, a ocupação fica ao redor dos 70%.

O diretor de marketing e vendas do Grand Hyatt São Paulo, Thiago Castro, diz acreditar que o Hyatt pode sofrer menos que o segmento em geral. Isso porque o hotel hospeda principalmente executivos de alto escalão, que vão à cidade inclusive para reestruturar operações de empresas e que podem retomar as viagens antes da maioria dos viajantes corporativos.

Renovação

O Hyatt criou um produto para, durante a quarentena, atrair executivos que precisam trabalhar remotamente mas não têm tranquilidade em casa. Nesse caso, o hóspede paga para usar um quarto transformado em escritório. Segundo Castro, porém, o público ainda é pequeno. "São profissionais que pagam do próprio bolso para usufruir disso. Acho que essa é uma barreira. Como tudo está sendo repensado agora, talvez empresas comecem a conceder isso como benefício. Aí pode haver uma mudança", diz.

O grupo Accor também criou produtos semelhantes. Em maio, lançou o "room office", quartos alugados para trabalho e que estão em 152 hotéis dos 321 que a rede tem no País. Até agora, o produto rendeu 1,5 mil diárias para a companhia na América do Sul.

A empresa ainda trouxe para o Brasil espaços de trabalho em áreas comuns dos hotéis e salas para reuniões a partir de três pessoas. Todas essas medidas buscam aumentar a receita do grupo, que, em média, tem dois terços de sua origem no setor corporativo. No ano passado, a Accor registrou, na América do Sul, queda de 62% na receita por quarto disponível. A rede estima que haverá redução permanente entre 7% e 10% da clientela corporativa no pós-pandemia.

O presidente executivo da Abracorp, Gervasio Tanabe, diz que o setor espera o início da recuperação entre agosto e setembro, quando a vacinação estiver mais avançada. Para ele, deve, sim, haver uma redução definitiva no segmento, mas ainda não é possível afirmar a proporção. O executivo aposta que viagens de treinamento serão mais afetadas, enquanto as comerciais, menos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

parecer do relator da reforma

Dividendos recebidos por fundos de investimento; veja novas mudanças em 4 pontos

Relator da reforma do Imposto de Renda inseriu em seu parecer a previsão de que os lucros e dividendos recebidos por fundos de investimento serão tributados em 5,88%

seu dinheiro na sua noite

Com alta da Petrobras, Ibovespa fecha terça no azul; veja os destaques

Dia teve tanto o Ibovespa quanto o dólar em uma verdadeira montanha-russa, mas altas de Vale e Petrobras garantiram fechamento no azul

FECHAMENTO DO DIA

Vale puxa o Ibovespa e garante alta do dia, mas dólar avança com temores fiscais na véspera do Copom

Em Nova York, a volatilidade foi mais comedida. No Brasil, o conturbado cenário interno trouxe dor de cabeça e tensão para o Ibovespa e o câmbio

Chama o Max!

Como ter renda extra através de ações? Max Bohm explica os diferentes tipos de proventos!

Já pensou viver de renda? É o sonho de muitos brasileiros. Max Bohm, analista da Empiricus, explica quais são os diferentes tipos de proventos recebidos por um acionista. Confira agora!

Com preço no piso da faixa indicativa, Raízen movimenta R$ 6,9 bilhões no IPO; veja o que vem a seguir para esta ação

Ação da produtora de açúcar e álcool e dona dos postos Shell é precificada a R$ 7,40 e começará a ser negociada no próximo dia 5

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies