⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2021-11-22T13:42:43-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Choque do trovão

Pokémon GO captura US$ 5 bi em receita — mas, para a Nintendo, isso não vale uma insígnia

O Pokémon GO, jogo em realidade aumentada para dispositivos móveis, chegou à marca em 5 anos. Mas a Nintendo fica só com uma parte pequena

8 de julho de 2021
17:12 - atualizado às 13:42
Pokémon GO Nintendo Niantic Pikachu
Imagem: Shutterstock

O Victor Aguiar do mundo real é jornalista e tem três cães: Tambor, Caju e Amora. Já o Victor Aguiar virtual do Pokemón GO é um treinador de nível 13 e que já capturou 54 monstrinhos diferentes — só mais um entre os quase 630 milhões de aspirantes a Ash Ketchum que já baixaram o app inspirado na marca da Nintendo.

Eu, na verdade, baixei o jogo novamente no meu celular para escrever essa matéria — e, para minha surpresa, os meus dados continuavam todos sãos e salvos, só esperando para que eu recomeçasse minha jornada rumo ao título de Mestre Pokémon.

Conto tudo isso apenas para dizer que o Pokémon Go, o app de realidade aumentada que virou febre mundial, acaba de completar cinco anos desde seu lançamento. E, para a surpresa de quem considera isso tudo apenas uma diversão de criança: o jogo atingiu nesta semana a marca de US$ 5 bilhões em receita.

O dado foi revelado pela Sensor Tower, um site que monitora o mercado de apps para celular. Talvez ainda mais impressionante que o número em si é a tendência mostrada pelo Pokémon Go: a receita gerada só cresce, semestre após semestre.

Receita Pokémon GO
Evolução da receita do Pokémon GO, segundo a Sensor Tower

E como é que o Pokémon GO gera toda essa receita, sendo que seu download é gratuito? Bem, graças às microtransações, um conceito cada vez mais comum na indústria de jogos. Para ter acesso a determinados itens ou eventos dentro do app, é preciso pagar — e as pessoas estão gastando cada vez mais.

Ainda segundo a Sensor Tower, apenas nos EUA foram gerados US$ 1,9 bilhão em receita desde o lançamento do game — Japão e Alemanha aparecem logo atrás.

Também é interessante notar que, mesmo com a pandemia, o Pokémon GO — um app cuja premissa é fazer as pessoas andarem pelas ruas atrás dos monstros — manteve-se forte. E isso graças à estratégia do game, que criou eventos e estímulos dentro do jogo para quem estava em casa, de modo a manter seu engajamento alto.

Só que todo esse sucesso num filão promissor da indústria de games não anima muito os acionistas da Nintendo. Isso porque o Pokémon Go não é um produto exclusivo da empresa: ele, na verdade, foi desenvolvido em parceria com a Niantic — e a divisão da receita entre as partes é, no mínimo, desigual.

Tanto é que, na bolsa de Tóquio, as ações da Nintendo não reagiram com grande entusiasmo à notícia: os papéis estão num nível superior ao visto há um ano, mas também estão abaixo das cotações de fevereiro e março.

Ações da Nintendo

Pokémon GO: Temos que pegar

Indo direto ao ponto: as demonstrações financeiras da Nintendo não mostram com clareza qual porcentagem dos lucros gerados pelo Pokémon Go ficam com ela.

Há apenas um detalhamento por área de atuação: no trimestre encerrado em março, o braço de jogos para dispositivos móveis teve receita de 57 bilhões de ienes (cerca de US$ 517 milhões). A cifra representa pouco mais de 3% da receita total da Nintendo no período.

A única ocasião em que a gigante japonesa abriu os números do Pokémon GO foi no segundo trimestre de 2016, logo após o lançamento do jogo — época em que havia um verdadeiro frenesi no mercado para entender como o app afetaria as finanças da empresa.

Naquele momento, estimava-se que o game já tinha gerado US$ 600 milhões em receita. A Nintendo afirmou que 12 bilhões de ienes foram para ela — o que, no câmbio da época, correspondia a US$ 115 milhões.

Mas a conta não é tão simples, e isso porque a Nintendo possui participação no capital da Niantic, uma empresa que era avaliada em mais de US$ 4 bilhões em 2019 — mais uma vez, os números exatos da fatia da Nintendo não são conhecidos.

Apesar dos pontos cegos, é razoável assumir que a Nintendo fica com uma fatia minoritária da receita do Pokémon GO — basicamente, a empresa cedeu os direitos da marca para que a Niantic desenvolvesse o jogo do zero, o que justifica essa divisão.

É uma constatação agridoce: por um lado, o sucesso do jogo dá impulso à receita da Nintendo; por outro, esse empurrão poderia ser muito maior caso a empresa tivesse desenvolvido o app em casa, sem a ajuda de terceiros.

E não dá para dizer que a Nintendo não tem expertise na criação de games e plataformas inovadoras.

Sem evolução para a Nintendo

Essa hesitação em relação aos jogos para dispositivos móveis sempre foi alvo de críticas por parte de analistas e investidores.

Essa é uma indústria que movimenta cerca de US$ 85 bilhões ao ano, já respondendo por metade da receita do setor de games como um todo. E o Pokémon GO foi pioneiro no segmento de jogos para celular com realidade aumentada.

Quando foi lançado, ainda em 2016, já havia um clamor para que a Nintendo começasse a produzir jogos para celulares — a companhia, uma veterana no mercado de videogames, seguia 100% focada no desenvolvimento de consoles e desprezava as plataformas móveis.

E até hoje há pouquíssima oferta de jogos com o selo da Nintendo na Apple Store e na Google Play Store: Super Mario Run, Mario Kart Tour, Animal Crossing: Pocket Camp e Fire Emblem Heroes são os outros representantes da casa.

A sensação é a de que a Nintendo, dona de inúmeros jogos de sucesso e criadora de alguns dos personagens mais famosos do mundo dos games, deixou a oportunidade passar — e mesmo quando agarrou a chance com o Pokémon GO, o fez sem convicção, entregando o desenvolvimento a outro estúdio.

Mas nem tudo é potencial perdido: a Nintendo já fechou uma nova parceria com a Niantic para o desenvolvimento de um jogo em realidade aumentada baseado na série Pikmin — resta saber se a divisão da receita será mais favorável para o lado da empresa.

Enquanto isso, fiquem com uma imagem do Charmander que eu acabei de capturar — já que eu baixei novamente o Pokémon GO, porque não me divertir um pouco?

Pokemon GO Nintendo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Quem apoia Lula e Bolsonaro no segundo turno, Elon Musk de volta ao Twitter e as ações mais indicadas para outubro; confira os destaques do dia

4 de outubro de 2022 - 18:55

Se ontem (03) a forte alta do Ibovespa foi muito além dos ganhos vistos em Wall Street, hoje o dia foi marcado pelo movimento contrário.  Em Nova York, os investidores seguiram otimistas com a possibilidade de que os mais recentes dados da economia americana possam levar o Federal Reserve a diminuir o ritmo do seu […]

FECHAMENTO DO DIA

Peões se movimentam no xadrez político e Ibovespa tem alta limitada; dólar cai a R$ 5,16

4 de outubro de 2022 - 18:37

O principal índice da bolsa brasileira teve alta de 0,08%, enquanto o dólar à vista caiu 0,11%, a R$ 5,1680. Isso porque as atenções dos investidores estão de volta ao tabuleiro político do país.

Alívio no bolso

Pensão alimentícia agora é isenta de IR, e quem pagou o imposto nos últimos anos pode reaver a bolada; veja como

4 de outubro de 2022 - 18:21

Plenário do STF confirmou decisão de junho que isenta pensão alimentícia de imposto de renda; veja se você já pode parar de pagar o carnê-leão e como pleitear o ressarcimento dos valores pagos nos últimos cinco anos

Crédito privado

Após resgates superarem 75% do patrimônio, Captalys fecha fundo Orion para novas aplicações

4 de outubro de 2022 - 17:42

Em comunicado enviado aos cotistas, a Captalys informa que a presidente, Margot Greenman, vai se dedicar exclusivamente a retornar o capital integralmente aos cotistas

INCLUSÃO E DIVERSIDADE

Vivo abre mais de 400 vagas para pessoas com deficiência; saiba como participar do processo seletivo

4 de outubro de 2022 - 17:35

As oportunidades, com atuação presencial ou remota em 15 cidades do país, são para as áreas corporativas e comercial; as inscrições vão até 13 de outubro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies