Menu
2021-06-09T14:37:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Sem empolgação na bolsa

O novo prédio de luxo da Lavvi é sucesso de vendas. Mas as ações da empresa continuam modestas

A Lavvi vendeu 75% de seu lançamento de luxo, o Villa Versace, no primeiro fim de semana. Os analistas gostaram, mas as ações seguem patinando

9 de junho de 2021
14:37
Villa Versace, novo lançamento da Lavvi
Villa Versace, novo lançamento da Lavvi - Imagem: Divulgação

A Lavvi é uma veterana no mercado de construção e incorporação, mas ainda é novata na bolsa: fez seu IPO em setembro do ano passado, em meio à nova onda de aberturas de capital no setor — Mitre, Moura Dubeux, Cury, Plano&Plano e Melnick também estrearam em 2020.

O momento, afinal, parecia bastante oportuno. A indústria de construção estava aquecida no segundo semestre do ano passado, pouco afetada pela pandemia. E, para completar, os juros estavam nas mínimas históricas, o que facilitava a concessão de crédito imobiliário.

Só que, passados nove meses desde o IPO, as ações da Lavvi ainda não decolaram — na verdade, nenhuma das construtoras que chegou à bolsa no ano passado tem bom desempenho. E olha que o cenário não mudou muito de lá para cá: os juros até subiram, mas ainda estão estruturalmente baixos.

É como se os investidores estivessem com o pé atrás em relação às construtoras, apesar de os dados do setor e resultados corporativos comprovarem o bom momento dessas empresas.

E a própria Lavvi deu uma indicação do quão forte está a demanda por projetos residenciais: acabou de lançar o maior projeto de sua história — e, no primeiro fim de semana, já vendeu 75% das unidades.

O mercado até reagiu bem à notícia: as ações ON da Lavvi (LAVV3) sobem mais de 4% hoje, operando perto da faixa de R$ 8,80. Ainda assim, os papéis seguem abaixo do preço de estreia na bolsa, de R$ 9,50.

Lavvi vem com tudo

O novo projeto da Lavvi, batizado de Villa Versace, traz números superlativos. São duas torres de alto padrão no bairro de Moema, zona Sul de São Paulo, totalizando 409 unidades e R$ 632 milhões em valor geral de vendas (VGV, a cifra a ser obtida com a comercialização de todos os apartamentos).

Colocando esses números em perspectiva: em 2020, o VGV de todos os empreendimentos lançados pela Lavvi foi de pouco mais de R$ 400 milhões — um indicativo do quão importante é esse novo projeto para a empresa.

Lavvi Villa Versace
Imagens-conceito do Villa Versace, empreendimento residencial de luxo lançado pela Lavvi

Chama a atenção a velocidade das vendas desse empreendimento: 58% das unidades da torre de apartamentos (áreas de 150 m² a 220 m²) foram vendidas no primeiro fim de semana; a torre de studios (28 m² a 31 m²) saiu ainda mais rápido, com 80% já comprado.

E olha que as unidades não são exatamente uma pechincha. Eis o preço de tabela — a entrega está prevista para o começo de 2025:

  • Studios: a partir de R$ 510 mil
  • Apartamentos de 150 m²: a partir de R$ 3,3 milhões
  • Apartamentos de 220 m²: a partir de R$ 4,8 milhões

Em termos de valor, a Lavvi comercializou 60% do VGV no primeiro fim de semana, o que corresponde a cerca de R$ 380 milhões. Ou seja: temos um indicativo de que o segundo trimestre da companhia será forte.

Modéstia na bolsa

Apesar de todo o luxo do Villa Versace, as ações da Lavvi mostram-se bem mais modestas na bolsa. Mesmo com o desempenho de hoje, os papéis ainda acumulam baixa de 2,3% desde o começo do ano. Do IPO para cá, o recuo é de 6,6%.

Dentre as seis construtoras que abriram seu capital em 2020, apenas a Cury (CURY3) está sendo negociada a um preço superior ao do IPO — e, mesmo assim, os ganhos são bem singelos:

Lavvi e construtoras IPO

Independente do receio do mercado em relação ao setor, os analistas mostram otimismo com o segmento de construção. Seja pelo forte desempenho operacional, como o mostrado pela Lavvi com o Villa Versace, seja pelas perspectivas de manutenção dos juros em níveis baixos, há quase um consenso de que as empresas, em linhas gerais, estão baratas na bolsa.

E com a Lavvi não é diferente. Dentre as cinco casas de análise que possuem cobertura para o papel, todas têm recomendação de compra e preços-alvo que implicam numa valorização de dois dígitos:

  • BTG Pactual: preço-alvo de R$ 13,50 (potencial de alta de 52%)
  • Itaú BBA: preço-alvo de R$ 12,90 (potencial de alta de 45%)
  • Safra: preço-alvo de R$ 15,70 (potencial de alta de 77%)
  • XP: preço-alvo de R$ 11,50 (potencial de alta de 30%)
  • Eleven: preço-alvo de R$ 12,00 (potencial de alta de 35%)

Em relação aos números do Villa Versace, o BTG Pactual destaca que o VGV do projeto implica num aumento de preços da ordem de 20% em relação aos planos originais.

"Mesmo com as altas expectativas para o projeto, o desempenho das vendas superou todas as previsões", escrevem os analistas Gustavo Cambauva e Elvis Credendio, em relatório. "Acreditamos [que o empreendimento] deva proporcionar um grande segundo trimestre para a companhia, com crescimento forte das receitas e boas margens".

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mostrando as garras

Dirigente do Fed fala em alta de juros em 2022 e admite postura mais agressiva contra inflação

Em entrevista à CNBC, Bullard disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) adotou uma posição mais dura no encontro deste mês

Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, entrando no mercado pet. Entenda o racional da operação

Tela Azul

As fintechs continuarão ameaçando bancos tradicionais? Até certo ponto sim, dizem gestores da Opportunity

No episódio #36 do Tela Azul, podcast da Empiricus, Bruno Waga e Vinicius Ferreira, da gestora de recursos Opportunity conversaram com os analistas da Empiricus sobre os rumos que o setor financeiro vem tomando. Além disso, eles dão suas opiniões sobre as Big Techs no programa.

Quase lá

Só falta um passo: ANS aprova fusão entre NotreDame e Hapvida

A consolidação das duas gigantes do setor de saúde avançou mais um degrau e aguarda agora aprovação do Cade para concluir o negócio

Exile on Wall Street

Como um grande time, o melhor fundo é a combinação de bons investimentos

Dennis Rodman é o jogador de basquete com a menor pontuação da história a ser indicado ao Hall da Fama do esporte. Em 1995, mesmo quando já havia conquistado a NBA duas vezes com o Detroit Pistons, sua contratação pelo Chicago Bulls – equipe pela qual levaria as próximas três temporadas – foi considerada uma […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies