2021-10-21T17:04:47-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Sem dor de cabeça

Hypera (HYPE3) dá a largada na temporada de balanços nesta sexta (22); saiba o que esperar

A Hypera (HYPE3) deve mostrar uma expansão de quase 20% no lucro líquido no terceiro trimestre; a temporada vai até o dia 16 de novembro

22 de outubro de 2021
5:42 - atualizado às 17:04
Imagem: YouTube/Divulgação

A temporada de balanços do terceiro trimestre começa nesta sexta-feira (22), e já com a divulgação de uma integrante de longa data do Ibovespa: a Hypera (HYPE3) reporta seus números hoje, depois do fechamento dos mercados. A teleconferência com analistas e investidores está marcada para a próxima segunda (25), às 11h.

E, em linhas gerais, a expectativa dos analistas para a estreia da temporada é positiva. Apoiada pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, a Hypera deve reportar um crescimento de quase 20% no lucro líquido em relação ao terceiro trimestre de 2020; a receita líquida e o Ebitda também vão ter expansões intensas.

O Seu Dinheiro teve acesso às projeções de três grandes bancos para os resultados da Hypera: JP Morgan, BTG Pactual e Credit Suisse. Veja abaixo o resumo das estimativas e a comparação com os números do terceiro trimestre do ano passado:

(em R$ milhões)Receita líquidaEbitdaLucro líquido
BTG Pactual1.578532440
JP Morgan1606551414
Credit Suisse1584533368
Média das projeções1.589539407
Hypera - 3T201.089394346
Variação anual+46%+37%+18%

O BTG Pactual não forneceu comentários específicos para os resultados da Hypera — suas projeções trazem apenas os números em si, sem maiores explicações quanto ao cenário que está sendo vislumbrado. Dito isso, eis a visão de JP Morgan e Credit Suisse quanto ao terceiro trimestre da farmacêutica:

JP Morgan: boas tendências operacionais

  • Recomendação: compra;
  • Preço-alvo para HYPE3: R$ 38,00 (potencial de alta de 33% em relação às cotações atuais).

"Boas tendências da indústria, favorecendo a Hypera: com os ventos contrários da Covid-19 se dissipando, o crescimento do mercado farmacêutico tende a retornar ao ritmo histórico, com uma participação maior dos remédios para doenças pontuais"

"Medicamentos genéricos continuam a ter um desempenho melhor que os outros, favorecendo o foco maior da Hypera nesse segmento, incluindo os novos lançamentos"

"A Hypera se envolveu em três operações transformacionais de fusão e aquisição nos últimos dois anos, comprando marcas e portfólios de longa data no mercado. Conforme esses ativos são integrados, as sinergias começam a aparecer, principalmente nos fronts fiscal e de produção".

Credit Suisse: positivo, continuando as tendências do trimestre anterior

  • Recomendação: compra;
  • Preço-alvo para HYPE3: R$ 40,00 (potencial de alta de 40% em relação às cotações atuais).

"Remédios que precisam de receita médica e outros medicamentos prescritos (como Addera e dermatológicos) devem seguir as tendências passadas e mostrar um crescimento relevante"

"A operação da Takeda deve contribuir positivamente com os resultados, graças à elegibilidade para aplicação de benefícios fiscais sob o controle da Hypera"

"A companhia é uma geradora de caixa com estabilidade. O crescimento consistente deve ajudar a impulsionar as ações no longo prazo"

HYPE3: ações em baixa

As ações ON da Hypera (HYPE3) acompanharam a tendência vista na bolsa como um todo e, nas últimas semanas, enfrentaram um movimento mais intenso de realização de lucro. Somente no último mês, os papéis acumulam baixa de 14% — com isso, o saldo no ano virou para o campo negativo, amargando perdas de 12% desde o começo de 2021.

Em termos de múltiplos, HYPE3 está sendo negociada com um P/L de 12,6 vezes e um EV/Ebitda de 13,3 vezes — em ambos os casos, o nível atual é inferior à média de três anos para o papel, de acordo com dados do Trademap.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento Hoje

Tensão entre Rússia e Ucrânia e expectativa com reunião do Fed derrubam bolsas pelo mundo, e Ibovespa cai quase 1%, mas NY vira para o azul na reta final

Wall Street consegue uma virada impressionante e fechar em alta, depois de índices terem chegado a cair mais de 3%; Ibovespa reduziu perdas, mas ainda fechou com queda significativa, enquanto dólar subiu

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço