Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-16T13:45:08-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Quem paga mais?

Hapvida (HAPV3) x SulAmérica (SULA11): a briga de gigantes por um pequeno grupo de saúde no interior de SP

A HB Saúde atua na porção norte/nordeste/noroeste de São Paulo, área rica do estado e que é bastante visada pelos grupos de saúde

16 de setembro de 2021
13:33 - atualizado às 13:45
Fachada da unidade de pronto-atendimento da HB Saúde em Olímpia, no interior de São Paulo. A empresa está sendo disputada por Hapvida (HAPV3) e SulAmérica (SULA11)
Fachada da unidade de pronto-atendimento da HB Saúde em Olímpia, no interior de São Paulo - Imagem: Divulgação/HB Saúde

O ano de 2021 tem sido bastante agitado no lado das fusões e aquisições, particularmente no setor de saúde: quase toda semana há anúncios de compra por parte dos principais players. E, nessa corrida por novos ativos, Hapvida (HAPV3) e SulAmérica (SULA11) entraram em rota de colisão pela HB Saúde, um grupo com sede em São José do Rio Preto (SP).

O Hapvida deu o primeiro passo, avaliando a HB Saúde em R$ 450 milhões fechando um acordo de compra ainda em julho. No entanto, a SulAmérica atravessou o negócio em agosto, oferecendo uma quantia maior — e desencadeando uma disputa direta, com lances cada vez maiores sendo dados por ambos os lados.

A última rodada aconteceu nesta manhã: a SulAmérica colocou R$ 563 milhões na mesa, enquanto o Hapvida foi além e fez uma proposta de R$ 650 milhões, voltando à liderança na corrida — é um aumento de 45% em relação ao valor original. Por enquanto, ainda não há uma nova oferta por parte da rival.

Essa queda de braço chama a atenção, considerando o porte das partes envolvidas. SulAmérica e Hapvida são gigantes do setor de saúde, com receitas líquidas na casa dos bilhões de reais apenas no segundo trimestre; a HB Saúde, por outro lado, é minúscula na comparação: seu faturamento em todo o ano de 2020 foi de "apenas" R$ 310 milhões.

Indo além: o grupo do interior paulista tem cerca de 150 mil beneficiários de planos de saúde e odontológicos, uma fração da carteira de 4,3 milhões de pessoas da SulAmérica e de 7,2 milhões de usuários do Hapvida.

Dito isso, o que explica essa briga? Por que as duas gigantes do setor de saúde estão tão empenhadas em comprar um ativo tão pequeno em relação aos seus portfólios atuais?

Bem, o que está em jogo é muito mais que uma rede de hospitais ou uma carteira de beneficiários. Hapvida e SulAmérica duelam pelo território atualmente atendido pela HB — e, no tabuleiro do mercado de saúde, quem chega primeiro consegue uma vantagem competitiva importante.

HB Saúde e a briga por territórios

Para entender melhor o racional por trás desses movimentos, é preciso antes consultar um mapa. A HB Saúde atua no norte/nordeste/noroeste do estado de São Paulo, uma área economicamente próspera e que é impulsionada pelo agronegócio. Além de São José do Rio Preto, o grupo atende também os mercados de Barretos, Fernandópolis, Votuporanga, Catanduva e Araçatuba, chegando ainda a Três Lagoas (MS) e Uberaba (MG).

É uma área que possui quase quatro milhões de habitantes e tem cerca de 1,1 milhão de beneficiários de planos de saúde privados, segundo dados divulgados pelo Hapvida. Ou seja: estamos falando de um mercado com tamanho nada desprezível e de poder econômico elevado.

Mapa indicando as porções Norte, Noroeste e Nordeste do Estado de São Paulo
As porções Norte, Nordeste e Noroeste de São Paulo, indicadas em vermelho, englobam o foco de atuação da HB Saúde

Considerando os potenciais 1,1 milhão de beneficiários, a HB Saúde e sua carteira de 150 mil clientes correspondem a cerca de 13% do mercado da região. Assim, Hapvida e SulAmérica querem uma porta de entrada para o Norte/Nordeste/Noroeste paulista — e, a partir daí, usar sua capacidade financeira para avançar sobre a área.

E dinheiro tem sido o nome do jogo no setor: em meio à pandemia, pequenos grupos hospitalares e de planos de saúde têm encontrado dificuldades para se manter de pé, o que tem sido um prato cheio para quem tem mais poder de fogo

Além de Hapvida (HAPV3) e SulAmérica (SULA11), companhias como NotreDame Intermédica (GNDI3) e Rede D'Or (RDOR3) estão aproveitando para fazer aquisições e aumentar seu alcance geográfico. E, em regiões mais pulverizadas, como o interior paulista, fincar a bandeira antes dos concorrentes é sinônimo de ganho rápido de escala.

E, vale lembrar: Hapvida e NotreDame Intermédica já acertaram a combinação de seus negócios, criando um conglomerado com atuação nacional e participação de mercado próxima de 20%; a operação ainda está sendo analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Mas, voltando à HB Saúde: o grupo tem como principal ativo o hospital HBS Mirassol; seu portfólio ainda conta com oito unidades ambulatoriais, uma clínica infantil, centros clínicos e de diagnóstico e espaços de medicina preventiva e ocupacional, além de um centro oncológico.

É uma rede que não é desprezível, mas que é pequena para o tamanho da população da região. Sendo assim, com SulAmérica ou Hapvida por trás, o grupo terá mais facilidade para ampliar suas instalações e, consequentemente, conquistar mais beneficiários, atender mais pacientes e gerar mais receita.

Linha do tempo da disputa entre Hapvida (HAPV3) e SulAmérica (SULA11) pela HB Saúde

Hapvida (HAPV3) versus SulAmérica (SULA11)

A questão territorial é o racional mais macro do setor de saúde. Mas é claro que Hapvida e SulAmérica têm seus motivos particulares para terem interesse na HB Saúde.

No caso do Hapvida, há um potencial ganho administrativo e operacional a ser destravado com a incorporação da rede do grupo paulista: a empresa já possui operações em Ribeirão Preto, mais ao nordeste de São Paulo, e em Uberaba, contando com 110 mil beneficiárias na área de atuação da HB Saúde. Assim, caso concluída, os ganhos de sinergia tornariam o Hapvida uma força relevante na região.

Para a SulAmérica, a compra representa o avanço numa região considerada estratégica para o seu plano de expansão — a companhia trabalha com um modelo de 'hubs regionais'; um exemplo é a atuação no sul do país, via Paraná Clínicas.

Seja qual for o desfecho, o mercado financeiro não se mostra muito empolgado com a guerra de preços pela HB Saúde: tanto as ações ON do Hapvida (HAPV3) quanto as units da SulAmérica (SULA11) operam em queda nesta quinta-feira (16), acompanhando o movimento do Ibovespa, que recua mais de 1% hoje.

Vale lembrar, ainda, que as propostas dizem respeito à 100% da HB Saúde, mas que não necessariamente será fechada a venda do grupo inteiro. Tanto Hapvida quanto SulAmérica deixam claro que uma eventual transação precisa envolver mais de 50% do grupo paulista, de modo a garantir o controle da companhia.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Clube do livro

Um passeio entre chás, sementes e cerveja: como “Uma Senhora Toma Chá…” conta a história da estatística moderna de maneira descomplicada

O livro de David Salsburg te convida a conhecer o pouco mais de um dos campos mais necessários para o melhor entendimento do mundo das finanças, e claro, da ciência

A bolsa como ela é

Onde as fake techs não têm vez: mercado não tem mais espaço para empresa que não gera valor de verdade

Com alta dos juros, quem não gerar caixa suficiente para remunerar o investidor em 16% ao ano está, em bom português, no sal

Ora, pois

Bradesco deve abrir base em Portugal para ‘seguir’ milionários brasileiros

Movimento de migração de famílias clientes do segmento private do banco após a pandemia levou à retomada dos estudos para entrar no mercado lusitano

De volta aos dois dígitos

Mercado já vê juros de até 11% em 2022

Drible no teto de gastos gerou movimento generalizado nas instituições financeiras para revisar para cima suas projeções para a taxa de juros

Óleo e gás

3R Petroleum (RRRP3) certifica reservas provadas de 185,1 milhões de barris

Companhia divulgou resultado da certificação de reservas do Campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos, cuja participação foi adquirida da Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies