Petrobras detalha plano estratégico; confira os principais pontos

Cotações por TradingView
2021-03-29T11:06:42-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
Entrevista exclusiva

Home office ‘eterno’ e urnas eletrônicas: as apostas da Positivo para manter o lucro em alta após pandemia

No ano da pandemia, lucro da empresa saltou 839%; CEO fala em continuidade da mudança de comportamento que beneficiou a companhia e conta como a empresa diversificou os negócios após crises

29 de março de 2021
6:05 - atualizado às 11:06
44
Hélio Rotenberg, presidente da Positivo Tecnologia. - Imagem: Divulgação / Positivo

A necessidade de trabalhar em casa diante da pandemia da covid-19 fez o brasileiro redescobrir o computador, que nos últimos anos havia perdido espaço para os smartphones.

A onda do home office impulsionou os resultados da Positivo Tecnologia, principal fabricante brasileira de produtos eletrônicos — entre eles os procurados notebooks.

No ano da pandemia, o lucro da empresa saltou 839%, para R$ 196 milhões. Parte do ganho veio de uma questão tributária, mas ainda sem considerar esse efeito não recorrente o resultado teria aumentado 174% em relação a 2019.

A divulgação do balanço impulsionou as ações da Positivo (POSI3), que acumulam alta de 20% em março — em mais um momento emblemático da longa trajetória da companhia na bolsa, cheia de altos e baixos.

A grande dúvida é se os números se sustentam em um cenário pós-pandemia e se a mudança de hábito que beneficiou a empresa veio para ficar.

O CEO da Positivo, Hélio Rotenberg, não tem dúvida da resposta para ambas as questões. "Está claro para nós essa tendência de crescimento, mais do que algo pontual", disse o executivo, em entrevista ao Seu Dinheiro.

O otimismo da Positivo se refere a frentes tradicionais, como a de notebooks, mas também a investimentos mais recentes — a base de clientes da "Casa Inteligente" saltou 1.485% no ano passado, para 250 mil usuários únicos.

Segundo Rotenberg, a demanda por notebooks deve continuar em alta porque o mercado está "muito deprimido": a fatia de computadores vendida no Brasil já correspondeu a 4% do que era comercializado no mundo, mas caiu pela metade nos últimos anos. "Esse mercado [de notebooks] ainda vai nos trazer bons resultados", diz.

Gargalos, dólar e economia

No curto prazo, porém, a Positivo vai ter de lidar com alguns obstáculos, como a falta de insumos — problema de vários mercados após a pandemia ter desestruturado as cadeias de suprimentos. “A gente não está conseguindo abastecer toda a demanda. Mas acredito que a situação se normalize até o final do ano.”

Outro problema é a alta do dólar, que escalou 29% em 2020. A empresa tem grande parte dos custos atrelados a moeda americana e não vê alternativas a não ser repassar os ajustes ao consumidor. "É uma particularidade do mercado de tecnologia: os componentes são dolarizados", defende Rotenberg.

Segundo o executivo, o preços de telas LCD, por exemplo, disputadas inclusive por fabricantes de TVs, dobrou para US$ 52 em 2020. Rotenberg prevê que o preço médio de computadores tenha uma alta de 15% a 20% neste ano, depois de subir 25% no ano passado.

Apesar do bom momento, os analistas ainda acompanham com certo ceticismo a acelerada da Positivo na crise. A alta da moeda americana e o fim do auxílio emergencial foram os principais motivos para a XP, por exemplo, ainda manter recomendação neutra sobre as ações da companhia.

Outra razão para a cautela do analista é a piora nas perspectivas para a economia. Mas para Rotenberg, a demanda deverá seguir forte, mesmo que a retomada venha num ritmo mais lento. “Acredito que, passada a pandemia, a economia vai crescer”, diz o executivo.

Fábrica da Positivo / Divulgação

Dos PCs ao momento tech

Não é a primeira crise que Rotenberg vivencia como CEO da Positivo Tecnologia. O executivo está à frente da companhia desde a sua fundação, em 1989.

A empresa surgiu a partir de uma derivada do grupo de educação curitibano Positivo, quando Rotenberg sugeriu a um dos sócios da companhia a criação de uma linha de informática voltada à educação.

A iniciativa foi para além da sala de aula e nos anos 2000 cresceu apoiada na fase de alto consumo da classe média. No entanto, no início da década seguinte teria o desafio de continuar relevante em meio à crise e ao mercado de computadores pessoais em declínio por conta da popularização dos smartphones.

A empresa teve de encolher — de seis mil funcionários para atuais dois mil — e apostar em novos produtos, entre eles tablets e smartphones. Trocou de nome, de Positivo Informatica para Positivo Tecnologia, em uma decisão que sintetizaria a estratégia mais ampla da companhia. A governança também foi ampliada.

A mais recente incursão da Positivo é pela smart home, uma linha de produtos que inclui câmeras Wi-Fi, plugues de alimentação, lâmpadas inteligentes, controles universais, alarmes e sensores de segurança.

A "Casa Inteligente" faz parte de um guarda-chuva de iniciativas em que a empresa vê um maior potencial de crescimento. Hoje, essas "avenidas" representam 19% da receita do negócio, mas o plano da companhia é fazer a fatia chegar a 50%.

Segundo Rotenberg, por trás das novas iniciativas há um esforço em elevar o ticket médio da companhia (relação entre faturamento e vendas). "As 'avenidas de crescimento' trazem mais serviços embutidos e geram uma margem [de lucro] maior que a do computador", afirma.

A Positivo consolidou sua posição de liderança na fabricação de eletrônicos no Brasil com foco em consumidores de baixa renda. A companhia detém participação de 84% no mercado de computadores abaixo de R$ 1,2 mil.

"Mas hoje a Vaio, que atende a classes A/B, compete de igual pra igual com multinacionais", diz o CEO da Positivo. A empresa é responsável pela produção e distribuição da marca japonesa no Brasil desde 2015. No varejo, a Vaio cresceu 292% no quarto trimestre.

Aperta e confirma

A Positivo também produz para instituições públicas, com produtos "sob medida" para vencer editais. O destaque recente é o processo envolvendo a compra de urnas eletrônicas.

Em julho de 2020, a empresa venceu o processo licitatório junto ao TSE para o fornecimento de até 180 mil equipamentos usados no voto e outros produtos e serviços previstos no edital.

A companhia espera faturar R$ 650 milhões com o negócio até 2022. "A licitação pública faz parte da nossa história", diz Rotenberg sobre a companhia que sempre vendeu PCs para escolas.

Segundo o executivo, está nos planos da Positivo entrar no ramo de tecnologia para terminais lotéricos e avançar sobre as maquinas de pagamento e adquirentes — o principal cliente hoje é a Cielo.

O segmento de servidores e soluções para infraestrutura de tecnologia da informação, cuja receita avançou 29% no ano passado, é outro foco da empresa.

Três anos atrás, a Positivo comprou 80% da Accept — hoje Positivo Servers&Solutions —, uma empresa especializada na produção e comercialização de produtos como servidores e soluções em computação de alta desempenho.

Para Rotenberg, a diversificação dos negócios deve evitar um "novo sofrimento", como aquele pelo qual a empresa passou a partir de 2013. “Na verdade, se a gente soubesse que o computador chegaria ao patamar atual, talvez não tivesse diversificado”, brinca. “Mas já que diversificamos, estamos numa posição muito boa.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NATAL ANTECIPADO

Dividendos e JCP: Vale (VALE3) anuncia pagamento bilionário de proventos; confira valores e prazos

1 de dezembro de 2022 - 19:36

A mineradora informou que o montante a ser distribuído poderá sofrer variação em razão de eventual alteração do número de ações em tesouraria

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) tomba após plano estratégico e leva junto o Ibovespa; dólar cai abaixo dos R$ 5,20

1 de dezembro de 2022 - 19:31

Estamos oficialmente no último mês do ano. O clima natalino se confunde com a energia caótica da Copa do Mundo, mas o mercado financeiro sabe bem o que quer ver sob a árvore de Natal antes de o Ano Novo chegar — mas boa parte desses presentes depende da disposição do presidente eleito em distribuir.  […]

INVESTINDO MAIS

Suzano (SUZB3) vai investir R$ 18,5 bilhões em 2023

1 de dezembro de 2022 - 19:30

O valor projetado pela Suzano (SUZB3) está acima dos R$ 16,1 bilhões investidos neste ano, especialmente pelos gastos com o Projeto Cerrado

OLHOS NO FUTURO

Sem dar grande atenção ao novo governo e possíveis interferências, Petrobras (PETR4) detalha seu plano estratégico falando em continuidade

1 de dezembro de 2022 - 18:36

Temas que mais preocupam o mercado após a divulgação dos próximos passos da Petrobras (PETR4) são distribuição de dividendos e política de investimentos

Previdência Social

STF aprova revisão da vida toda, que pode aumentar valor da aposentadoria pelo INSS; veja quem pode se beneficiar

1 de dezembro de 2022 - 18:28

Medida leva em conta contribuições feitas antes de julho de 1994, caso estas beneficiem o aposentado; em fevereiro, plenário virtual do STF já tinha formado maioria a favor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies