Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-10T18:20:28-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Blindando o caixa

Com tensão política e juros em alta, empresas antecipam captações bilionárias; veja quem está na fila

Algumas empresas já começaram a acessar também o mercado externo em busca de recursos e encontraram uma demanda positiva para os títulos

10 de setembro de 2021
18:20
Bonecos em miniatura de homens vestidos de terno sentados em pilhas de moedas
Com as perspectivas de mudança na tendência do juro local e externo, e a incerteza política ameaçando o cenário fiscal e macro, as companhias buscam antecipar operações que eventualmente fariam mais adiante. Imagem: Shutterstock

Diante da antecipação das tensões político-eleitorais e da perspectiva de inflação e juros atingirem patamares mais elevados no ano que vem, várias empresas estão captando bilhões em recursos no mercado para reforçar seus caixas e rolar ou alongar dívidas tomadas antes e durante a pandemia.

O mercado de debêntures viu um boom de anúncios de emissões por gigantes como Comgás, 3R Petroleum, Vibra e Hypera, com operações de cerca de R$ 1 bilhão. Embora a taxa Selic tenha saído de 2% em março para 5,25% em agosto, com as expectativas de que chegue a 8% no final do ano, o custo de captação para as empresas ainda é favorável.

Algumas empresas já começaram a acessar também o mercado externo em busca de recursos. Setembro é tradicionalmente a segunda melhor janela do ano para captações no exterior, com investidores voltando do período de férias. Movida e Suzano levantaram ontem US$ 300 milhões e US$ 500 milhões, respectivamente.

A demanda dos investidores estrangeiros foi considerada positiva - dado o ambiente de agravamento da turbulência política, que pesou nos mercados locais acionário, de câmbio e de juros ontem - e pode animar outras empresas a seguirem o mesmo caminho.

A B3, por exemplo, anunciou na manhã desta sexta-feira (10) que também estuda realização de uma emissão de títulos de dívida no mercado internacional. A operadora da bolsa brasileira informou, em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que iniciou hoje as reuniões com potenciais investidores e busca recursos para a "gestão ordinária dos negócios".

De olho no futuro

Com as perspectivas de mudança na tendência do juro local e externo, e a incerteza política ameaçando o cenário fiscal e macro, as companhias buscam antecipar operações que eventualmente fariam mais adiante. Especialistas acreditam que várias outras companhias devem acessar o mercado de dívida externa até o final do ano, em montante que pode superar os US$ 3 bilhões somente este mês.

Segundo o diretor de renda fixa e produtos estruturados do Itaú BBA, Felipe Wilberg, nos patamares atuais de custo as empresas olham para seus passivos e começam a antecipar renegociações de dívidas e alongar prazos, considerando a perspectiva de as taxas subirem um pouco mais. Segundo ele, as empresas estão voltando a alongar o prazo médio de suas dívidas.

A tendência de uma alta mais acentuada nos juros foi reforçada com a divulgação de ontem do índice oficial de inflação (IPCA) de agosto. O dado ficou acima do esperado pelo mercado, no maior patamar em 21 anos, e levou analistas a revisar a previsão da Selic para cima.

"Em 2019, havia um volume enorme de ofertas, e as empresas AAA (de primeira linha) captavam a CDI mais 1% ou 0,80%, ao prazo de cinco anos. Em 2020, esse custo foi para 3%, agora falamos algo em torno de 1,40%", afirmou Wilberg.

Retomada também chama atenção

O diretor de Mercado de Capitais e Infraestrutura do Santander Brasil, Sandro Marcondes, afirma que algumas empresas também estão motivadas pela retomada, uma vez que a imunização provoca maior atividade econômica. "No terceiro trimestre não houve expansão do PIB, mas existe uma retomada em andamento e com a imunização, a expectativa é de que as captações aumentem."

Marcondes nota que de fato as empresas antecipam captações que poderiam fazer no ano que vem, dada a perspectiva de maior volatilidade com as eleições. Um dos fatores que impulsionam o volume das operações, segundo Wilberg, é o impacto da inflação nos custos. Com maior gasto de operação, as empresas são obrigadas a levantar mais recursos do que buscariam há alguns meses.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Quem paga mais?

Hapvida (HAPV3) x SulAmérica (SULA11): a briga de gigantes por um pequeno grupo de saúde no interior de SP

A HB Saúde atua na porção norte/nordeste/noroeste de São Paulo, área rica do estado e que é bastante visada pelos grupos de saúde

DESTAQUE DO DIA

Minério de ferro despenca mais 8% e siderúrgicas e Vale acompanham queda

A redução da produção de aço vem trazendo seguidas perdas para o minério de ferro.

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: falas de Ray Dalio e da gestora que previu alta das ações da Tesla movimentam o dia

Otimismo com bitcoin a US$ 500 mil e preocupação com a regulamentação: quem vencerá o cabo de guerra das criptomoedas

Parceria digital

Assaí (ASAI3) faz parceria com Cornershop, aplicativo de compras online

A plataforma foi criada para que consumidores comprem produtos de supermercados locais com entregas rápidas ou programadas

Exile on Wall Street

O que faz as empresas falharem? Conheça as cinco “assassinas silenciosas” que podem impactar nos seus investimentos

O verdadeiro início da derrocada de uma empresa não pode ser devidamente noticiado pelas finanças ou pelas operações, mas somente dentro do núcleo de cultura corporativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies