Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-01T06:52:48-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Banquete indigesto

Terminou em pizza: Burger King (BKBR3) volta atrás e cancela a compra da Domino’s

Com a instabilidade vista no mercado e a queda das ações do Burger King (BKBR3), a polêmica compra da Domino’s no país foi desfeita

1 de novembro de 2021
6:52
Placa com o logotipo do Burger King (BKBR3). A empresa desistiu da compra das operações da Domino's no país
Imagem: Shutterstock

A tão falada compra das operações da Domino's no país pelo Burger King Brasil (BKBR3), que vinha com uma cobertura extra de polêmica e bordas recheadas de conflitos entre acionistas, terminou em... pizza. As partes chegaram a um acordo para cancelar a transação, anunciada em julho — e a piora recente no mercado ajuda a explicar a falta de apetite.

É verdade que as partes não levantaram da mesa sem nada: por mais que ninguém tenha tocado no banquete, as sobras do jantar ao menos foram guardadas na geladeira. E isso porque Burger King e Domino's acertaram alguns direitos de preferência para os próximos 12 meses.

Por exemplo: caso a Domino's feche acordo de venda para algum outro grupo, o Burger King poderá atravessar a negociação e levar as operações da rede de pizzarias no país pelo mesmo preço oferecido a essa terceira empresa. Uma segunda possibilidade é a criação de um contrato de máster franquia — por ora, não há nada assinado.

Caso a união entre Burger King e Domino's fosse para frente, a nova companhia passaria a operar 1.200 restaurantes no país, tornando-se uma das maiores operadoras de fast food da América Latina.

Burger King (BKBR3): a polêmica com a Domino's

Por mais que, do ponto de vista qualitativo, a junção das duas empresas fizesse bastante sentido — a Domino's tem um serviço de delivery e de vendas digitais bastante maduro, o que ajudaria o Burger King num contexto de pandemia e de queda no consumo in loco nos restaurantes —, fato é que, desde o dia do anúncio, a eventual compra acendeu uma polêmica no mercado.

E isso porque a Vinci Partners, controladora da Domino's, já era dona de quase 6,5% do Burger King Brasil. Como foi acertado que os acionistas da pizzaria receberiam cerca de 16% das ações BKBR3 para fechar o negócio, a Vinci passaria a deter mais de 20% do capital da nova companhia.

Naturalmente, essa arquitetura trouxe muita discussão no mercado e levantou questionamentos a respeito do papel da Vinci no fechamento da operação; os minoritários do Burger King foram os que se mostraram mais contrariados, uma vez que, do dia para a noite, seriam diluídos e um acionista passaria a ter grande poder sobre a empresa.

BKBR3 e a turbulência na bolsa

Quando a fusão entre as companhias foi anunciada, o valor de mercado do Burger King girava em torno de R$ 3,3 bilhões. No entanto, com a forte instabilidade vista na bolsa ao longo das últimas semanas, com desvalorizações intensas em quase todas as ações, o negócio perdeu boa parte do seu brilho.

Vamos às contas: em 11 de julho, dia anterior ao anúncio, as ações BKBR3 estavam cotadas à R$ 11,50. Mas, passados pouco mais de três meses, os papéis fecharam a sessão da última sexta-feira (29) a R$ 6,87 — uma queda de 40% no período em questão. Nesse contexto, o valor de mercado do Burger King caiu a R$ 1,88 bilhão.

Com tanta perda de valor, não é de se espantar que as partes — e o Vinci Partners — tenham optado por desfazer a operação. A mistura entre hambúrguer e pizza, que dava água na boca lá atrás, passou a trazer uma sensação de enjoo depois de toda a turbulência no mercado.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin e ethereum despencam hoje, e principal criptomoeda do mundo se afunda ainda mais no ‘bear market’

Após uma semana que terminou com ganhos, as duas maiores moedas digitais do mercado sofreram na virada de sexta-feira para sábado

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

IPO do Nubank, como driblar os impostos e onde investir o 13º salário: confira os destaques da semana

Nada é pior para um ansioso do que a incerteza. E o mercado, ultimamente, vem sendo marcado por uma forte onda de incertezas, vindas de todos os lados. Os preços dos ativos respondem a isso com volatilidade, e não há muito o que fazer a não ser manter a calma, focar nos fundamentos e aguardar […]

Clube anti-cripto

China acertou ao banir o bitcoin? Braço direito de Warren Buffett diz que as criptomoedas nunca deveriam ter sido inventadas

A aversão de Charlie Munger pelo bitcoin cresceu ainda mais durante a pandemia; para o bilionário, o criptoativo é “repugnante”

COMEÇAR TUDO DE NOVO

‘Um dos textos mais horríveis que já tramitaram’: relator da reforma do Imposto de Renda defende arquivamento da proposta

Angelo Coronel (PSD-BA) defende a criação de um novo texto para votação no Senado após ampla discussão com os setores que mais pagam impostos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies