IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2021-09-22T14:46:31-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
nova selic hoje

BC deve manter ‘plano de voo’ e elevar taxa básica de juros em 1 ponto, para 6,25% ao ano; saiba o que esperar do Copom

Declaração recente de Campos Neto conteve apostas maiores que a de um ponto; crise hídrica e desaceleração da China podem aparecer em comunicado de decisão

22 de setembro de 2021
5:59 - atualizado às 14:46
Montagem de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC), com chapéu de aviador olhando sorrindo para o lado
O comandante do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto: a aeronave do Copom vai mudando a rota da Selic, apertando cada vez mais os juros - Imagem: Montagem Andrei Morais / Agência Brasil / Shutterstock/doomu

O Banco Central (BC) vai fazer tudo para trazer a inflação de volta para a meta, mas não vai alterar a estratégia ao sabor de cada novo indicador econômico. A fala de Roberto Campos Neto, presidente da autoridade monetária, no início da semana passada provocou uma reviravolta nas projeções do mercado para a taxa básica de juros (Selic).

A expectativa majoritária dos agentes financeiros aponta para uma elevação de 1 ponto percentual na Selic, para 6,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) desta quarta-feira.

Será o quinto aumento seguido dos juros, em um contexto de inflação tocando os dois dígitos em 12 meses, economia fragilizada e, mais recentemente, ameaçada de crise hídrica. O BC começou a aumentar a Selic em março, quando a taxa estava na mínima histórica de 2% ao ano.

Mas o consenso em torno da alta de 1 ponto na Selic se formou apenas nos últimos dias. A alta dos preços — que bateu 9,6% no último ano, conforme o IPCA de agosto — fez uma parte maior do mercado cogitar uma aceleração mais forte da Selic. A mudança nas expectativas ocorreu depois que Campos Neto sinalizou que não alteraria o "plano de voo" a cada novo dado econômico.

Em agosto, quando elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, o BC disse em comunicado que faria um movimento na mesma proporção em setembro.

O ajuste da Selic é o principal instrumento de controle da inflação, que também é influenciada pela quebra de cadeias produtivas com a pandemia e outros fatores de pouco alcance do BC.

Um deles é a a crise política, que atingiu o ápice nas manifestações de 7 de setembro e acabou ajudando a pressionar o dólar — que por sua vez também afeta os preços da economia.

Apesar da disparada da inflação, o mercado ainda acredita no poder do BC em domar o dragão. De acordo com o Boletim Focus mais recente, analistas projetam o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 4,10% em 2022, pouco acima do centro da meta de 3,5%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

As decisões do BC hoje já miram o próximo ano, considerando o tempo de efeito da política monetária, que costuma levar seis meses. A Selic deve encerrar 2021 em 8,25% ao ano, segundo as projeções reunidas pelo Focus.

Fonte: BC

Novas altas da Selic

Para o Goldman Sachs, tendo em vista declarações recentes dos membros do Copom (Comitê de Política Monetária), não só de Campos Neto, a probabilidade de uma alta de 1,25 ponto é pequena. Eles projetam uma elevação de 1 ponto nesta quarta.

Em relatório do último dia 17, os economistas Alberto Ramos e Daniel Moreno dizem que o BC vai continuar elevando a Selic para um nível acima do neutro.

Entre os motivos que devem balizar a decisão, a dupla cita pressões inflacionárias altas e disseminadas na economia, aumento intenso de custos na cadeia de suprimentos, deterioração das expectativas sobre os preços, falta de progresso das reformas e ajuste fiscal, além do "ruído político".

No comunicado após a reunião do Copom, o BC deve sinalizar altas adicionais. "O Copom deve reconhecer as surpresas negativas de inflação, sinais crescentes de disseminação da alta de preços, deterioração sobre as expectativas de 2021-2022, e piora generalizada para as perspectivas de inflação, incluindo núcleo e serviços", escreveram os economistas.

O Credit Suisse também está entre as instituições que esperam mais doses do remédio amargo da Selic: seriam quatro aumentos de 1 ponto na Selic e uma alta final de 0,50 ponto, levando a taxa para 9,75%.

China no radar

O sócio e economista da BRA Investimentos, João Beck, diz ainda que pode haver referências no comunicado a uma possível desaceleração do crescimento na China - sinalizada com dados recentes de produção industrial e vendas no varejo, além da crise da dívida da Evergrande, a segunda maior incorporadora imobiliária do país.

"Já está dado que China vai passar por uma fase de desalavancagem, o que pode contribuir para que o preço das commodities caia, impactando a inflação por aqui", diz o economista.

Para Beck, se o Fed, o banco central dos EUA, postergar uma elevação dos juros, o BC ficará menos pressionado a aumentar a taxa. A autoridade monetária também comunica decisão nesta quarta-feira, às 15h (horário de Brasília).

O economista considera que houve algum avanço na discussão sobre precatórios, as dívidas do governo na Justiça cujo parcelamento tramita no Congresso, e diz que a reforma administrativa "está andando", embora ainda não haja solução no Congresso.

  • Às vésperas da decisão do BC, o mercado de opções do Copom na B3 também evidenciava a aposta majoritária no aumento de 1 ponto na Selic. Veja no vídeo abaixo como ganhar dinheiro com esse instrumento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Troca ou devolução

Comprou na Black Friday e se arrependeu? Veja quais são seus direitos

26 de novembro de 2022 - 11:59

O excesso de compras para aproveitar as oportunidades da Black Friday podem se transformar numa ‘ressaca’ no cartão de crédito

Recomendação de compra

Cielo (CIEL3) já dobrou de preço, mas ainda pode subir mais de 50% na bolsa, diz Santander. Confira detalhes

26 de novembro de 2022 - 9:48

Analistas do banco veem a Cielo (CIEL3) com vantagem competitiva em relação a adquirentes como Stone e PagSeguro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: PIB do 3º trimestre no Brasil e payroll nos EUA são destaques de semana cheia

26 de novembro de 2022 - 8:11

A agenda econômica estará carregada nesta semana, com dados importantes de atividade e inflação a serem divulgados no mundo

Aperte o play!

Só acaba quando termina: Lula talvez não consiga gastar tanto assim; como isso mexe com seus investimentos?

26 de novembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, PEC da Transição, Haddad na Fazenda, Petrobras e, é claro, futebol

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As maiores reclamações da Black Friday, a decepção do mercado com Haddad e a semana difícil das criptomoedas; confira os destaques do dia

25 de novembro de 2022 - 19:16

Escalado para representar o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva no almoço anual de dirigentes dos bancos na Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, entrou em campo disposto a jogar para a torcida.  Diante de uma plateia de banqueiros e nomes fortes do setor […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies