Menu
2021-04-16T08:06:33-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Odisseia: Ibovespa vence (ou ignora) cenário interno e deve refletir PIB chinês no pregão de hoje

O poema épico de Homero pode ser fortemente comparado ao Ibovespa

16 de abril de 2021
7:59 - atualizado às 8:06
shutterstock_1271788918

Certa vez, comparei, neste mesmo espaço, a bolsa e o mercado às Mil e Uma Noites, peça épica da literatura árabe. Desta vez, vamos para o Ocidente, mais especificamente na Grécia, acompanhar a Odisseia, mas com a mesma ideia: uma série de eventos e histórias, mais ou menos correlacionados, mas definitivamente desafiadores.

A bolsa brasileira tem vivido dias de glória como Odisseu (ou Ulisses, se preferir a versão latina do herói), engatando sucessivos dias de alta até o pregão de ontem, quando subiu 0,34%, aos 120.700 pontos, motivado pelas bolsas americanas

No mesmo mar turbulento de Odisseu, sem encontrar o caminho de casa, o principal índice da bolsa brasileira sai destemido, vencendo (ou solenemente ignorando) os eventos ao seu redor. 

A CPI da Covid está aumentando a pressão sobre o presidente da República, Jair Bolsonaro, enquanto os impasses com o Congresso atrasam cada vez mais o pacote de reformas. O Orçamento para 2022 já aponta para um rombo de R$ 170 bilhões e o de 2021 gera cautela entre os investidores. 

Apesar dos dados positivos da economia chinesa estarem animando os índices pelo mundo afora, o cenário interno ganhou um novo personagem: Lula volta à cena política para polarizar com Bolsonaro. Tudo isso durante a temporada de balanços nos Estados Unidos, que tem animado os índices americanos.

O que será do nosso herói Ibovespa no dia de hoje? Confira os principais destaques para esta sexta-feira (16):

Na cola de 2022

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a suspensão das acusações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos casos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia. Na prática, isso representa uma volta dos direitos políticos de Lula, que pode concorrer à eleição de 2022.

Principal opositor do atual presidente Jair Bolsonaro, Lula já apareceu à frente nas pesquisas eleitorais para 2022. Analistas do mercado temem que a polarização deixe de lado pautas importantes para a economia nacional, como as reformas tributária e administrativa. Por falar nelas…

Ou ele, ou eu!

Por mais que o mercado tenha ignorado no dia de ontem, o impasse com o Orçamento fez subir o tom entre duas partes importantes para o governo. De um lado, Paulo Guedes colocou o cargo à disposição se o Orçamento não tiver algumas partes vetadas. Do outro, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deu um ultimato a Bolsonaro, afirmando que, se vetar os trechos apontados pela equipe econômica, pode dar adeus à aprovação das reformas.

O Orçamento para 2021, que já conta com cinco meses de atraso, extrapola o teto de gastos e é impossível de ser executado, de acordo com Paulo Guedes, sem a ocorrência de crime de responsabilidade. As chamadas “pedaladas fiscais” foram motivo do impeachment de Dilma Rousseff em 2016. 

Por mais que Lira já tenha afirmado que não irá avançar com o processo de impeachment de Bolsonaro na Casa, o presidente da República segue com grande desgastes em todas as esferas dos Poderes e não pode se arriscar. 

PIB chinês

O Produto Interno Bruto (PIB) da segunda maior economia mundial avançou 18,3% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. Apesar de ser um crescimento recorde, ela representa uma recuperação a partir da vertiginosa queda dos negócios causada pela pandemia de covid-19. 

Economistas ouvidos pelo Wall Street Journal esperavam um aumento de 19,2% nos primeiros três meses de 2021. Na margem, a economia chinesa registrou expansão de 0,6%, de acordo com o Dow Jones Newswires. 

Mesmo assim, o resultado foi suficiente para animar os negócios na região e no Velho Continente.

Bolsas pelo mundo

Motivados pelos dados da economia chinesa, os índices asiáticos fecharam em alta generalizada. Os sinais de que a China está se recuperando dos efeitos causados pela pandemia apontam para um duplo sinal: um reaquecimento dos negócios e um maior apetite de risco por parte dos investidores, mas também o temor de retirada de estímulos monetários e fiscais do país. 

As bolsas europeias também sentiram os dados do gigante asiático. Apesar dos dados de inflação da Zona do Euro apontarem para uma alta, o ânimo dos índices asiáticos e a perspectiva de uma retomada forte dos negócios contaminaram o Velho Continente. 

Além de estarem de olho nos dados econômicos de EUA e China, os futuros de Nova York ainda prestam atenção na temporada de balanços desta semana, com a divulgação dos dados do primeiro trimestre da Morgan Stanley. 

Agenda do dia

Confira os principais eventos e indicadores econômicos para esta sexta-feira (16):

  • Zona do Euro: Inflação de março para a Zona do Euro e balança comercial (6h)
  • FGV: IPC-S da segunda quadrissemana de abril (8h)
  • B3: Bolsa divulga segunda prévia do ibovespa para o período maio-agosto (antes da abertura)
  • EUA: Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe o primeiro ministro do Japão na Casa Branca (sem horário marcado)

Empresas

  • Morgan Stanley divulga balanço do primeiro trimestre (8h30)
  • A Telefônica aprovou o pagamento de dividendos no valor de R$ 1,587 bilhões, o equivalente a R$ 0,66 por ação
  • A Blau fixou em R$ 40,14 o preço por ação da empresa para o IPO
  • A Oi prorrogou o prazo para subscrição e integralização de debêntures

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies