Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-30T21:26:47-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

30 de julho de 2021
21:26
Ouro, dólar e bitcoin
Bitcoin, ouro e dólar foram os melhores investimentos de julho, após perdas fortes em junho. Imagem: Shutterstock

Depois de terem amargado as piores posições do ranking dos investimentos de junho, o bitcoin, o ouro e o dólar viram uma forte recuperação em julho, sagrando-se como os melhores investimentos do mês.

Em quarto lugar, veio outra classe de ativos que também vinha apresentando maus resultados e apanhou um bocado no mês passado: os fundos imobiliários (FII).

Já na lanterna da lista, vemos um retorno dos títulos públicos de longo prazo atrelados à inflação; e o Ibovespa, que vinha dando alegrias aos investidores brasileiros desde março (não sem fortes emoções, claro), apareceu como segundo pior investimento de julho.

Veja o ranking completo:

Os melhores investimentos de julho

InvestimentoRentabilidade no mêsRentabilidade no ano
Bitcoin25,77%45,61%
Ouro8,19%-3,80%
Dólar à vista4,76%0,41%
IFIX2,51%-1,60%
Dólar PTAX2,40%-1,43%
Índice de Debêntures Anbima Geral (IDA - Geral)*0,58%3,54%
Tesouro Selic 20270,54%-
Índice de Debêntures Anbima - IPCA (IDA - IPCA)*0,52%3,27%
Poupança antiga**0,50%3,55%
Tesouro Selic 20240,46%-
CDI*0,37%1,61%
Poupança nova**0,24%1,12%
Tesouro IPCA+ 2026-0,32%-2,12%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2030-0,53%-3,57%
Tesouro Prefixado 2024-0,87%-
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2040-1,18%-3,82%
Tesouro Prefixado 2026-1,36%-7,06%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055-1,40%-6,01%
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2031-1,45%-10,28%
Tesouro IPCA+ 2035-1,90%-5,92%
Ibovespa-3,94%2,34%
Tesouro IPCA+ 2045-4,04%-14,29%

(*) Até o dia 29/07.
(**) Poupança com aniversário no dia 28.
Todos os desempenhos estão cotados em real. A rentabilidade dos títulos públicos considera o preço de compra na manhã da data inicial e o preço de venda na manhã da data final, conforme cálculo do Tesouro Direto.

Fontes: Banco Central, Anbima, Tesouro Direto, Broadcast e Coinbase, Inc..

Medo e delírio em Brasília

Em julho não faltaram notícias para deixar os mercados tensos, tanto no Brasil quanto no exterior.

Por aqui, o mês começou com tensões políticas relacionadas à CPI da covid-19, que finalmente chegou ao Palácio do Planalto, com as denúncias de corrupção envolvendo a compra de vacinas pelo Ministério da Saúde; e com o mercado ainda digerindo - a contragosto - os impactos da reforma do imposto de renda sobre os investimentos.

Depois o Congresso entrou em recesso, mas os ruídos em Brasília continuaram. Além do embate constante do presidente Jair Bolsonaro com os demais poderes, ainda vimos o Congresso aprovar um aumento do fundo eleitoral, um peso nas contas públicas.

Bolsonaro, por sua vez, prometeu vetar a medida, comprando briga com o Centrão; em seguida, promoveu uma reforma ministerial a fim de apaziguar os ânimos, nomeando o senador Ciro Nogueira, do PP, ministro da Casa Civil.

Nesta semana, mais uma ameaça ao teto de gastos, com o risco de que a reformulação do Programa Bolsa Família resulte em uma despesa de até R$ 30 bilhões acima do teto, além de uma nova notícia de que o governo federal estuda mais uma vez mexer com o pagamento de precatórios - cheirinho de calote no ar.

Assim, do ponto de vista doméstico, o risco de as reformas não andarem ou serem muito esvaziadas, além do risco fiscal que pesa sobre o câmbio e os juros de longo prazo, voltaram ao radar.

Onde Investir no 2o semestre de 2021

Difícil se encontrar no meio de tanta informação? Baixe o nosso eBook gratuito sobre Onde Investir no 2º semestre!

Apostas para a Selic sobem

Com os dados da inflação local trazendo mais preocupações em julho, o mercado passou a apostar cada vez mais num aumento de 1 ponto percentual para a taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), que acontecerá na semana que vem.

Afinal, os preços devem ficar ainda mais pressionados conforme a vacinação avança e a economia reabre ainda mais. Ainda mais em um cenário de crise hídrica que tende a pressionar os preços da energia elétrica.

Tudo ao mesmo tempo agora

No exterior, o mundo vive um momento de transição entre a crise da pandemia e a retomada econômica que fazem diversos elementos aparentemente antagônicos coexistirem de forma incômoda, como uma adolescência em que cada parte do corpo teima a crescer no seu próprio tempo.

Nos Estados Unidos, alguns dados econômicos já apontam para uma retomada e os índices de inflação indicaram pressão nos preços; no entanto, outros dados, notadamente os de emprego, ainda mostram alguma fraqueza.

Durante todo o mês, os investidores se perguntaram sobre quando, afinal, o Federal Reserve (Fed) - banco central americano - irá retirar os estímulos monetários, e isso causou volatilidade nos mercados.

Os dirigentes da entidade, por sua vez, admitiram preocupação com a inflação e o início de conversas para retirar os estímulos, ao mesmo tempo em que continuaram a garantir que os juros devem se manter baixos por um bom tempo.

O mercado comprou parcialmente o discurso, e os juros futuros americanos viram um alívio no mês, bem como o dólar, ante outras moedas fortes. Mas a preocupação com a inflação continua presente.

No front da pandemia, ao mesmo tempo em que acompanhamos a reabertura do mundo e a retomada das atividades - inclusive no Brasil -, cresce a preocupação das autoridades de saúde e também dos mercados com a variante delta do coronavírus.

Mais transmissível e capaz de provocar uma versão mais grave da doença, a cepa vem se espalhando na Europa e já chegou às Américas, até mesmo ao Brasil. E a possibilidade de que ela venha a provocar novas restrições à circulação de pessoas pesou nos mercados. De fato, países onde o uso obrigatório de máscaras já havia sido suspenso, voltaram a adotar o equipamento de proteção, após novos surtos de covid.

O Partidão mandou

Nesta última semana, os mercados começaram a reagir com mais intensidade aos mais recentes surtos intervencionistas do governo chinês no mercado.

Pequim já vinha encrencando, há algum tempo, com empresas chinesas de tecnologia que já tinham ou pretendiam ter ações listadas no exterior, investigando-as ou pressionando-as por mais medidas em relação à privacidade dos usuários.

Na última semana, vimos novas restrições não só às techs, como também a empresas de educação privada do país - uma reação do governo chinês ao aumento do endividamento das famílias com esse tipo de despesa.

Nesta sexta, foi a vez de o Gigante Asiático ordenar a redução da produção de aço para dar um alívio ao preço do minério de ferro e, assim, evitar a especulação neste mercado - preocupação que o governo já vinha tendo há algum tempo.

Bolsa para baixo, juros e dólar para cima

O Ibovespa acabou sucumbindo às tensões do mês e fechou em baixa de 3,94%, aos 121.800 pontos. Boa parte da queda, por sinal, se deu nesta última semana, com as notícias vindas da China e a derrubada do preço do minério.

O aumento da expectativa de alta da Selic na próxima reunião do Copom, combinado com a elevação das preocupações com o fiscal do país pesaram sobre os juros e o câmbio neste mês, levando o real a se depreciar ante o dólar e as taxas a subirem em todos os vencimentos.

Com isso, o dólar à vista terminou cotado a R$ 5,21, enquanto a taxa PTAX (cotação do Banco Central) fechou o mês a R$ 5,12. A alta dos juros futuros, por sua vez, mais uma vez depreciou os títulos públicos prefixados e atrelados à inflação, que costumam se desvalorizar quando as taxas sobem e valorizar quando estas caem. Os vencimentos mais longos, mais voláteis, acabaram sofrendo mais.

Porém globalmente, ante seus pares, o dólar se enfraqueceu em junho. Com isso, o ouro teve espaço para se recuperar do tombo de mais de 11% do mês passado. A queda dos juros futuros americanos e do dólar em um cenário de risco inflacionário tende a favorecer o metal precioso, que oferece proteção contra a alta de preços, mas costuma sofrer quando os títulos americanos ficam mais atrativos.

A Selic mais alta e com perspectiva de pelo menos mais uma elevação forte, por sua vez, beneficia os títulos de renda fixa pós-fixados, aqueles atrelados à própria taxa básica de juros ou ao CDI. Agora eles têm uma remuneração mais próxima do 0,5% ao mês.

Finalmente, uma notícia vinda de Brasília foi capaz de trazer alívio a um dos ativos negociados em bolsa. Os fundos imobiliários, que sofreram no mês passado com a perspectiva de terem seus rendimentos tributados, foram retirados da reforma do IR, e sua isenção foi mantida. Com isso, o Índice de Fundos Imobiliários (IFIX) conseguiu se recuperar, subindo 2,51%.

Melhores ações de julho

AçãoCódigoDesempenho no mês
JBSJBSS310,27%
Cia. HeringHGTX39,03%
RumoRAIL37,99%
CosanCSAN37,10%
UsiminasUSIM57,07%
CSNCSNA36,50%
BR DistribuidoraBRDT36,22%
WEGWEGE35,82%
HyperaHYPE34,12%
GerdauGGBR44,02%

Fonte: B3/Broadcast

Piores ações de julho

AçãoCódigoDesempenho no mês
Americanas S.A. (ex-B2W)AMER3-25,58%
Lojas AmericanasLAME4-20,95%
Pão de AçúcarPCAR3-19,81%
CVCCVCB3-19,66%
ViaVVAR3-19,63%
CognaCOGN3-15,94%
YduqsYDUQ3-15,04%
SulAméricaSULA11-13,74%
MRVMRVE3-11,70%
EZTECEZTC3-11,60%

Fonte: B3/Broadcast

Bitcoin renascendo das cinzas

Após três meses de perdas e, em particular, um tombo de quase 40% em maio, os preços do bitcoin apresentaram uma recuperação parcial em julho, à medida em que as taxas de mineração voltaram a se normalizar. As restrições da China aos mineradores começaram a ficar no passado, conforme esses foram migrando para outros países.

Já o bilionário Elon Musk, que volta e meia mexe com o mercado cripto com as suas declarações, disse que a sua Tesla pode voltar a aceitar pagamentos em bitcoin no futuro, quando a mineração da criptomoeda se tornar mais verde.

Notícias de institucionalização do mercado cripto também animaram esse mercado: a Amazon anunciou uma vaga para especialista em moedas digitais, o que sugere que a gigante do e-commerce deseja inovar no segmento; a Binance, uma das maiores exchanges de criptomoedas do mundo, disse que pode fazer um IPO; e o Goldman Sachs se prepara para lançar um fundo de índice (ETF) focado em blockchain e finanças descentralizadas (DeFis).

Com tudo isso, o bitcoin voltou a superar o patamar dos US$ 40 mil, sendo negociado, no último dia do mês, ao equivalente a quase R$ 220 mil.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

Uma tarde de soluços nos mercados

O preço dos combustíveis, um dos grandes vilões da elevada inflação brasileira, não dá sinais de enfraquecimento. Muito pelo contrário: a passagem do furacão Ida pelo Golfo do México deve seguir impactando a oferta de petróleo por mais alguns meses, o que traz reflexos diretos ao preço da commodity. O Brent fechou em alta pela […]

menos méliuz

Méliuz (CASH3): Truxt reduz participação na companhia

Negociações têm por objetivo investimento e não visam alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da empresa

atenção acionista

Dividendos: Multiplan (MULT3) paga R$ 270 milhões em juros sobre capital próprio

Empresa vai considerar os acionistas inscritos nos registros da companhia no dia 28 de dezembro, dado que as ações de emissão da companhia passaram a ser negociadas “ex juros” a partir de 29 de dezembro

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras dá susto, mas commodities garantem o avanço do Ibovespa; dólar sobe a R$ 5,37

A convovação de uma coletiva de última hora assustou os investidores, mas o Ibovespa retomou o ritmo de alta após a estatal confirmar que não irá mexr nos preços.

acesso bloqueado

Vale (VALE3) faz operação para resgatar 39 funcionários presos em mina no Canadá

De acordo com a empresa, na tarde de domingo (26), uma pá escavadeira que estava sendo transportada no acesso à mina subterrânea se desprendeu, bloqueando o shaft e, com isso, impedindo o meio de transporte dos empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies