Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-04T20:12:30-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
temporada de resultados

Lucro da Petrobras atinge R$ 42,8 bilhões no 2º trimestre e supera projeções

Analistas projetavam lucro de R$ 20,6 bilhões para o período, segundo dados da Bloomberg; confira os principais dados divulgados pela Petrobras

4 de agosto de 2021
18:47 - atualizado às 20:12
Fachada de prédio da Petrobras, com logo da empresa
Imagem: Shutterstock

A Petrobras teve lucro líquido de R$ 42,855 bilhões no segundo trimestre de 2021, ante prejuízo de R$ 2,713 bilhões no mesmo período do ano passado, segundo balanço divulgado pela companhia nesta quarta-feira (4).

A cifra representa uma alta de 3572,2% sobre o lucro do primeiro trimestre, quando a empresa teve ganhos de R$ 1,1 bilhão. O resultado também é maior do que o projetado por analistas, de R$ 20,6 bilhões, segundo dados da Bloomberg.

O lucro líquido da Petrobras teve no segundo trimestre os seguintes principais impulsionadores:

  • Maiores margens de derivados;
  • Maiores volumes de vendas de óleo e derivados no mercado interno e de exportações;
  • Ganhos cambiais devido à valorização do real frente ao dólar;
  • Ganhos de participações em investimentos, com a precificação da oferta da BR Distribuidora.

A Petrobras lista também o impacto positivo da apreciação do real sobre a dívida: a empresa reduziu em US$ 27,5 bilhões a dívida bruta na comparação anual, alcançando US$ 63,7 bilhões.

O ano de 2021 é definido pela estatal como um período de transição. A Petrobras dedica grande parte de sua geração de caixa ao pré-pagamento da dívida, com o objetivo de atingir a dívida bruta de US$ 60 bilhões.

Ao final do segundo trimestre, a relação dívida líquida / Ebitda ajustado diminuiu para 1,49x, melhor marca desde o terceiro trimestre de 2011, quando os arrendamentos ainda não faziam parte do endividamento.

O Ebitda ajustado (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou em 147,9%, na base anual, para R$ 61,9 bilhões, de acordo com a estatal.

Fluxo de caixa, venda de ativos e alta das receitas

O fluxo de caixa operacional e fluxo de caixa livre totalizaram R$ 56,6 bilhões e R$ 48,6 bilhões, respectivamente. A empresa também teve a entrada de caixa referente a venda de ativos de US$ 2,8 bilhões até o início de agosto.

A Petrobras informou que no segundo trimestre teve R$ 110,7 bilhões de receita de vendas, em uma alta anual de 117,5% e avanço de 28,5% sobre o primeiro trimestre.

A alta dessa linha do balanço é atribuída à valorização de 13% nos preços do petróleo tipo Brent e ao aumento do volume de vendas de derivados no mercado interno e das exportações. Entre as receitas, outros destaques:

  • A receita com exportações foi de R$ 33,6 bilhões, 47,2% superior ao primeiro trimestre. O resultado reflete o aumento nos preços do Brent e o maior volume exportado, fruto da maior realização de estoques em andamento e da menor carga processada nas refinarias devido às paradas programadas para o trimestre;
  • A receita de derivados no mercado interno atingiu R$ 63,8 bilhões, aumento de 22,6% sobre o primeiro trimestre, refletindo os maiores preços praticados e o crescimento de 5,5% do volume de vendas, principalmente de diesel e gasolina;
  • A receita com gás natural foi de R$ 7,0 bilhão (23,4% superior ao primeiro trimestre) devido à maior demanda do mercado não termelétrico e à atualização trimestral dos contratos de venda;
  • Em termos da composição da receita no mercado interno, o diesel e a gasolina continuaram sendo os principais produtos. Ambos correspondem juntos por 73% da receita nacional de vendas de derivados de petróleo.

"Além da China, os melhores destinos para as vendas de petróleo nacional neste período foram Europa, América Latina, Estados Unidos e Índia"

Petrobras, em comunicado
  • Volume de exportações de petróleo está dividido da seguinte forma:
País 2T21
China 45%
Índia 9%
Portugal8%
Estados Unidos9%
Holanda 8%
Chile 3%
Peru 4%
Outros 14%

Petrobras já havia informado alta em volume de vendas

A estatal informou em relatório divulgado anteriormente um crescimento de 13% no volume total de vendas, sobre os três primeiros meses do ano.

O número foi impulsionado pelo aumento sequencial de 5,5% das vendas de derivados no mercado local e alta trimestral de 35% em exportações.

Segundo a Petrobras, houve uma redução de cerca de 80 mil barris por dia nos estoques. O Credit Suisse destacou a produção nos campos de pré-sal, que subiu 3,5%.

“Os volumes continuaram crescendo em participação na produção total, também ajudados pelos desinvestimentos de ativos não essenciais em terra e em águas rasas", disseram os analistas.

A venda de ativos é um dos focos da gestão atual da Petrobras. A estatal seguiu no segundo trimestre se desfazendo inclusive da importante fatia remanescente na BR Distribuidora.

O plano de desinvestimentos foi prosseguido pela empresa mesmo depois de mais uma troca de comando. Insatisfeito com a política de preços dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro interferiu na Petrobras e trocou o CEO da companhia — colocando o general Joaquim Silva e Luna, que assumiu o cargo em abril.

O mercado temeu pelo pior com a mudança, mas a mensagem da nova gestão foi de um trabalho de continuidade, com foco na geração de valor para o acionista.

Para os analistas do BTG Pactual, embora não chegue a destruir valor, a Petrobras deixa dinheiro na mesa com a política de preços atual. O banco fala em uma falta de confiança, mantém cautela e uma recomendação "neutra" para os papéis da empresa.

Já o Itau BBA recomenda a compra das ações da Petrobras, que tem preço-alvo de R$ 38. O banco espera resultados "fortes" em exploração e produção (E&P) e diz que a receita da companhia será impactada de forma positiva pela alta do preço do petróleo no mercado.

A commodity tipo Brent subiu 11% em um ano, lembra o Itaú BBA. Analistas do banco projetam a capacidade das refinarias chegando a 75%, depois da baixa com o pior momento da pandemia.

  • VÍDEO: ação da Raízen (RAIZ4) pode se valorizar mais de 50% após o IPO 
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Clube do livro

“Era para termos entrado no Primeiro Mundo há 30 anos”, escreve Gustavo Franco em seu novo livro “Lições Amargas”; leia a resenha completa

O ex-presidente do Banco Central tece críticas ao Brasil e sua estagnação prolongada e apresenta uma “história provisória da atualidade”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies