Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-22T13:40:14-03:00
Ricardo Gozzi
FIM DE UMA ERA?

Saiba por que o Fifa 22 pode ser o último da série de games de futebol mais popular do mundo

A entidade máxima do futebol mundial e a desenvolvedora do game de maior sucesso comercial baseado no esporte emitiram sinais públicos de um rompimento iminente – e deixam campo aberto para novos jogadores

21 de outubro de 2021
12:22 - atualizado às 13:40
imagem de divulgação do jogo eletrônico fifa 22
O craque francês Mbappé é o destaque do Fifa 22, da Electronic Arts - Imagem: Divulgação

Se você já está com o Fifa 22 em sua coleção de games, guarde-o com bastante cuidado e carinho. É cada vez mais provável que em pouco tempo você tenha em mãos um item de colecionador.

Tudo porque a parceria de quase três décadas entre a Eletronic Arts (EA) e a Fifa, entidade máxima do futebol mundial, parece estar com os dias contados.

Onde há fumaça...

Os primeiros sinais da ruptura emergiram no início de outubro, quando veio à tona a notícia de que a EA estaria considerando a possibilidade de mudar o nome de um de seus jogos eletrônicos de maior sucesso.

Um novo nome comercial, EA Sports FC, já está inclusive registrado no Reino Unido e na União Europeia (UE).

Os rumores ganharam ainda mais força com o anúncio da renovação do contrato da EA com a FIFPRO, empresa responsável pelo licenciamento da imagem de milhares de atletas de todo o mundo.

Do que se queixa a EA

A insatisfação da EA deriva do fato de a Fifa ter exigido quase o dobro para manter a licença da desenvolvedora norte-americana de games a partir de 2023.

Pelo contrato em vigor, que se encerra com o Fifa 22, a Electronic Arts pagou a bagatela de US$ 1,5 bilhão diluído em dez anos, o que já faz deste o mais lucrativo acordo de licenciamento da Fifa. Para renová-lo, porém, a entidade exigia US$ 1 bilhão, mas por apenas quatro anos de contrato.

Ou seja, a EA passaria a desembolsar US$ 250 milhões por ano, de US$ 150 milhões anuais hoje. Ainda que somente os sucessivos contratos de licenciamento com a Fifa tenham rendido mais de US$ 20 bilhões em vendas à EA desde 1993, quando o Fifa International Soccer foi desenvolvido para o Mega Drive, trata-se de um reajuste de 66,7%.

… há fogo

Se faltava ainda algum indício de que algo não ia bem, a Fifa tratou de jogar gasolina na fogueira.

Na última sexta-feira, a entidade anunciou a intenção de colocar em prática um novo posicionamento nos mercados de games e de e-sports.

Essa nova prática incluiria licenciar a marca Fifa sem contrato de exclusividade com os desenvolvedores interessados.

O motivo é grana, claro

A Fifa pode até ser, oficialmente, uma entidade sem fins lucrativos, mas a fixação de seus dirigentes pelo vil metal é pública e notória no sem número de escândalos que a envolvem praticamente desde sua fundação, há mais de um século.

O cálculo da entidade é que, diante do interesse de desenvolvedores concorrentes, seus ganhos com licenciamento podem ser majorados por meio do fatiamento das licenças envolvendo diferentes marcas de propriedade da Fifa.

Além disso, a Fifa é conhecida por seus esforços para monopolizar tudo o que orbita o universo do futebol. Em seu comunicado, a entidade deixa no ar que a parceria com a EA parece ter ido longe demais no que se refere a seus interesses.

O que esperar?

Ainda não houve um rompimento formal e não se pode descartar um possível acordo entre as partes, ainda que num novo formato.

De qualquer modo, é impossível prever neste momento o resultado desta reformatação no mundo dos e-sports. A EA, inclusive, é parceira da Fifa em sua hoje badalada e-World Cup, a Copa do Mundo de Futebol Eletrônico.

Com valor de mercado de quase US$ 40 bilhões e beneficiada pela renovação do acordo com a FIFPRO, a Electronic Arts até agora não sentiu nem cócegas por causa do imbróglio.

Listadas na Nasdaq, as ações da EA seguem perto de sua máxima histórica. O ticker EA fechou em US$ 139,20 por ação ontem e operava em alta hoje. Na B3, os BDRs da EA (EAIN34) também subiam hoje, depois de terem fechado ontem a R$ 384,19 por unidade.

O fato é que, neste momento, tanto a Fifa quanto a EA parecem acreditar que são capazes de jogar com as próprias pernas pelos campos do e-futebol.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

DOBRANDO A ESQUINA

Lucro das empresas com ações na bolsa deve cair 6,3% em 2022, diz BTG Pactual

Mesmo assim ainda é possível encontrar setores em que o cenário é positivo; saiba quem é quem

Bateu o martelo

IPO do Nubank sai no topo da faixa indicativa, a US$ 9 por ação; banco ultrapassa Itaú (ITUB4) e é a instituição financeira mais valiosa da América Latina

Com isso, os BDRs, que serão negociados por aqui a partir da próxima quinta-feira (09), saem valendo R$ 8,38

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies