2021-09-28T23:13:31-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

20 de setembro de 2021
17:13 - atualizado às 23:13
Além do Evergrande, China sinaliza retirada de estímulos do setor imobiliário e bancário, além de dados mais recentes do varejo e da produção industrialImagem: Shutterstock

A crise da dívida da Evergrande, segunda maior incorporadora imobiliária da China, provoca estragos nos mercados globais, incluindo a bolsa brasileira, com o Ibovespa caindo 3%, mas também alivia o mercado de juros futuros na B3.

Por volta das 16h, os contratos de DIs, que podem ser entendidos como a consolidação da média das projeções do mercado para as taxas de juros dentro dos próximos anos, operavam da seguinte forma:

  • Janeiro de 2022: de 7,09% para 7,08%.
  • Janeiro de 2023: de 9,13% para 9,00%
  • Janeiro de 2025: de 10,29% para 10,14%
  • Janeiro de 2027: de 10,75% para 10,55%

-

Para o economista e sócio da BRA Investimentos João Beck, o desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado.

"[O caso Evergrande] sinaliza uma desaceleração da China. O país vai passar por uma fase de desalavancagem, o que contribui para a queda do preço das commodities, impactando a inflação por aqui", diz.

Beck também lembra de sinalizações de um processo de retirada de estímulos do setor imobiliário e bancário, além de dados mais recentes do varejo e da produção industrial, que vieram abaixo do esperado no país.

A alta dos preços de produtos que o Brasil exporta — soja, por exemplo — é uma das razões para a subida de itens da cesta básica, que tem grande peso sobre a população mais pobre, enquanto o avanço do minério de ferro e petróleo mexem com o custo.

A retomada econômica aliada ao desequilíbrio na cadeia de suprimentos também contribui para o avanço dos preços.

A taxa básica de juros, cujas projeções são sinalizadas nos contratos DIs, é utilizada para controlar a inflação. Atualmente a Selic está em 6,25% e o Banco Central deve anunciar mais um ajuste de um ponto percentual na próxima quarta (22).

  • Antes de continuar, um convite: apresentamos no nosso Instagram uma breve análise sobre o risco de uma "nova crise de 2008" que algumas pessoas vêm comentando e como o governo chinês pode driblar essa situação.

Só a Evergrande explica?

Além da crise de dívida da Evergrande, o sócio da Ajax Capital, Rafael Passos, lembra que nos Estados Unidos o payroll, indicador do mercado de trabalho, mostrou um resultado abaixo do esperado. O especialista fala em desaceleração de crescimento das economias globais.

Passos também justifica o comportamento dos juros futuros com a fala mais recente do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que disse que a autoridade monetária não vai alterar seu "plano de voo" a cada novo dado.

"Já vimos algum 'alívio' nas apostas mais hawkish (isto é, de 125-150 bps), sinalizando que o BC deve manter esse ritmo de alta de 100 bps também nessa reunião de setembro", explica o sócio da Ajax Capital.

Ainda no Brasil, a crise hídrica pode afetar o crescimento da economia, o que implicaria em menos pressão sobre os preços, exigindo menos ajustes na Selic, lembra Passos.

Leia também sobre Evergrande e Ibovespa:

Impacto sobre o Ibovespa

A desaceleração da China reduziria o consumo do minério de ferro, impactando a bolsa brasileira e mexendo com o Ibovespa.

Bruno Madruga, responsável pela área de renda variável da Monte Bravo Investimentos, lembra que o índice tem uma grande dependência das commodities metálicas, energia e setor bancário.

"O minério de ferro é muito responsável pela movimentação das ações da Vale, setor de siderurgia e nosso setor imobiliário", diz o especialista.

A commodity também é pressionada por intervenções da China na produção de aço, em uma tentativa de segurar os preços após a disparada do último ano. Acompanhe a cobertura de mercados do Seu Dinheiro.

*Colaborou Jasmine Olga

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira