Menu
2021-05-14T15:46:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

14 de maio de 2021
15:45 - atualizado às 15:46
BC Selic
Imagem: Shutterstock

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, reforçou nesta sexta-feira (14) que o patamar da taxa básica de juros de 2,00% ao ano "não era mais necessário", em função da retomada da atividade econômica mais rápida do que se imaginava. 

O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a Selic em 0,75 ponto porcentual nas últimas duas reuniões, para 3,50% ao ano, e já sinalizou nova alta idêntica em junho, para 4,25%.

Serra também descartou que o BC tente acumular uma "gordura" na política monetária. "Temos de ser xiitas com o centro da meta sempre. Ganhar gordura deliberadamente não é a nossa missão aqui", afirmou, em videoconferência organizada pelo Credit Suisse.

Alta nos preços força ajustes mais agressivos

Na primeira elevação da Selic em quase seis anos, em março de 2021, o Banco Central ajustou a taxa em um valor superior à expectativa majoritária do mercado, de 0,50 p.p.

"Tivemos choques na inflação, classificados como temporários, mas que nos obrigaram a fazer ajustes mais rápidos que o esperado", pontuou.

Serra elencou o choque de alimentos, e mais recentemente de combustíveis, ambos ocasionados pela alta dos preços das commodities, e a queda do valor do real em relação ao dólar.

"A inflação de serviços hoje está rodando baixa e de comercializáveis, alta", afirmou. "A tendência é que choques de inflação se aliviem bastante mais à frente", projetou.

O diretor afirmou que a entrada de dólares no Brasil é menor do que se esperaria, e alertou que as incertezas fiscais continuam. Segundo ele, algumas empresas também estão reduzindo endividamento no exterior. 

"A depreciação cambial em 2020 surpreendeu e puxou a inflação para cima", argumentou. "A incerteza fiscal durante a pandemia influenciou o dólar em níveis mais elevados", acrescentou, citando ainda a desmontagem do overhedge dos bancos no fim do ano passado.

Inflação no centro da meta

Considerando o cenário, o colegiado já sinalizou nova alta de 0,75 p.p. em junho, para 4,25% ao ano, mantendo a avaliação de que o ajuste na Selic deve ser "parcial".

Serra avalia que, se o consenso de projeções do mercado começar a se descolar da meta de inflação para 2022, o BC terá que mudar a sua reação. "Não há nada de errado nisso. Se os modelos mostrarem que a inflação está subindo muito teremos que passar para um ajuste total ou maior que o total", completou.

Para Serra, ainda assim o cenário para frente deve ser de melhora. "O risco país está explicando que o fiscal no Brasil piorou mais que o outros emergentes. Isso já está no preço. Será necessário uma novidade ruim adicional para piorar o cenário", argumentou. "Se houver descolamento de expectativas, BC vai colocar no modelo e reagir", repetiu.

Confiança

Serra reforçou que a instituição segue mais otimista para a aceleração da atividade econômica do segundo semestre, que justificaria o atual ciclo de alta mais forte da Selic.

"A economia tem alguns vetores que, quando passarem as restrições de mobilidade, estarão mais fortes. Isso é condizente com uma política monetária mais próxima do juro neutro", afirmou.

O diretor não espera uma reversão do choque de preços comercializáveis ainda esse ano e o horizonte relevante das decisões do Copom já está focado em 2022.

"Esse ajuste mais rápido da Selic agora é a chave para controlar as expectativas e garantir que esse choque seja mesmo temporário", completou.

Mais renda para serviços

Serra também aproveitou sua fala para dizer que a tendência da abertura da economia é direcionar mais renda para o setor de serviços. "Ao mesmo tempo, a melhora dos serviços deve reduzir a pressão sobre a inflação de bens, e devemos ver uma suavização dos preços internacionais das commodities", detalhou.

O diretor reforçou ainda que a recuperação da atividade econômica tem se dado de maneira desigual entre os setores. Ele citou o recuo de 1,59% do Índice de Atividade (IBC-Br) em março ante fevereiro, interrompendo uma série de dez meses consecutivos de recuperação. 

"Tivemos um fevereiro muito forte e um resultado pior em março, devido às restrições de movimentação em várias localidades. Ainda assim, a média móvel de 3 meses do IBC-Br está rodando em níveis melhores", afirmou.

A média móvel trimestral do IBC-Br subiu 0,39% em março, na série com ajuste sazonal. Em fevereiro, o indicador havia registrado alta de 1,15%.

Serra lembrou que o País segue em um dos momentos piores da pandemia, mas apontou que todos os setores econômicos estão recuperando os níveis pré-pandemia.

"Os dados mostram que a mobilidade no Brasil voltou mais rápida do que em outros lugares, talvez (de forma) mais rápida do que devesse", finalizou.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies