Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-16T16:56:45-03:00
Ruy Hungria
Ruy Hungria
SEXTOU COM O RUY

Na bolsa, não adianta pular de galho em galho: é melhor ter ações que se sustentam em qualquer cenário

Certas ações tendem a ir melhor em certos contextos. Mas escolher papéis que vão bem em qualquer ocasião é fundamental ao se pensar na bolsa

17 de dezembro de 2021
5:42 - atualizado às 16:56
Macaco num galho de árvore
Imagem: Inès d'Anselme/Unsplash

Se você pensa em pegar uma carona na sua viagem de fim de ano, já vou avisando que, quando se trata de dirigir em linha reta, ninguém é melhor que o Jorge. Estradas retilíneas são perfeitas para o seu estilo muito calmo. Sem muitas curvas para se preocupar, ele adora colocar o carro em velocidade de cruzeiro, ligar o som e curtir a paisagem.

Mas se Jorge manda bem nas retas, por outro lado ele é calmo demais para trechos com muitas curvas — e, quando elas começam a chegar, isso se torna um problema e ele quase sempre comete alguma besteira.

Por isso, se a estrada será repleta de trechos sinuosos, ninguém melhor do que a Maria para te levar. Agitada demais para trechos monótonos, ela manda muito bem naquelas pistas com curvas que não terminam e que necessitam de um condutor com um pouco mais de energia.

Agora, se estiver chovendo, é com o Paulo que você deveria pegar uma carona. Nem muito agitado, nem muito calmo, ele possui a combinação certa das duas características para guiar com cuidado e se manter alerta quando a pista está escorregadia e com a visibilidade limitada.

Pedir carona para quem?

Quando você sabe exatamente como será a sua viagem, é fácil encontrar a carona perfeita: aquela que vai fazer você ter a melhor viagem possível. Infelizmente, não é assim que as coisas funcionam, não é? Normalmente, a estrada é composta de vários trechos diferentes entre si e frequentemente temos de lidar com surpresas no meio do caminho.

Na mesma viagem você pode ter chuva, sol, neblina, trechos sinuosos, pista de terra — e não me parece inteligente levar oito motoristas diferentes para poder trocar toda vez que a situação mudar.

Mais importante do que escolher o condutor perfeito para cada tipo de situação é estar com alguém que consiga lidar bem com qualquer tipo de desafio, e que te proporcione uma viagem tranquila não importa o que aconteça.

Pulando de galho em galho

Apesar de esse parecer ser um exemplo tosco, no fundo é exatamente isso o que acontece com boa parte dos investidores no mercado. Eles tentam a todo instante comprar "a ação perfeita para aquele momento".

Quando a Selic sobe um pouquinho, eles saem correndo comprar ações de bancos cujos empréstimos ficam mais caros; depois, quando o dólar se valoriza, eles vendem os bancos e compram ações das exportadoras de celulose que recebem em moeda estrangeira.

Em seguida, quando as chuvas melhoram, eles não pensam duas vezes para trocar todas as suas ações por outras de companhias hidrelétricas, que passam a gerar mais energia. Mais tarde, quando a China apresenta um bom crescimento, eles tornam a vender as suas ações para comprar papéis de mineradoras. E assim vai…

Pode até parecer inteligente esse tipo de estratégia, mas normalmente você estará em desvantagem se fizer isso.

Primeiro por conta dos custos transacionais. Depois, porque é muito difícil ser mais rápido que os grandes fundos, com milhões de algoritmos, recursos infinitos e equipes dedicadas 24 horas por dia, 7 dias por semana, para encontrar as mínimas distorções.

Mas, mais importante que tudo isso: nós nunca sabemos realmente como será a estrada logo à frente. E ela pode ser completamente diferente daquilo que você estava esperando.

Você pode apostar em dólar alto e quebrar a cara, em muita chuva e não cair uma gota do céu, em shoppings bombando e aparecer uma pandemia, entre outras tantas coisas que podem (e vão) fugir do seu controle.

Por isso, melhor do que tentar prever a companhia perfeita para a situação que você está esperando é investir em companhias que se sairão bem na maioria dos cenários e que não vão quebrar mesmo que o pior deles aconteça.

Pau para toda obra na bolsa

Se você lê esta coluna com certa frequência, já sabe que a Eneva (ENEV3) é uma das minhas companhias preferidas. Mas não porque está faltando chuva no país — o que, consequentemente, contribui para um aumento da geração de energia em suas termelétricas.

É verdade que a tese de investimentos é ajudada se a falta de precipitações permanecer. Mas esse não é o fator determinante para ganharmos dinheiro com as ações — e, nesta semana, ela deixou isso ainda mais claro, depois de adquirir a Focus Energia (POWE3).

Para começar: com a transação, a Eneva diversifica seu portfólio e adquire grandes projetos de geração solar, passando a depender menos das condições hidrológicas.

Além disso, ela ganha acesso aos mais de 1,6 mil clientes da Focus, justamente em um período de abertura do Mercado Livre de Energia e do Mercado de Gás, ampliando bastante as possibilidades de receita no segmento de comercialização e, mais uma vez, diversificando o negócio.

Mas não se trata apenas de saber que a companhia conseguirá enfrentar melhor qualquer condição hidrológica e as mudanças regulatórias dos mercados em que atua.

Mais do que isso, ela comprova uma enorme disciplina de capital por parte do management, já que a compra foi realizada depois de uma baita desvalorização de POWE3 na bolsa, e mostra que não precisamos ficar preocupados com um velho problema de gestores de companhias de sucesso: dinheiro sobrando.

É claro que, vez ou outra, aparecerão algumas chances de comprar ações que se aproveitarão como poucas de um determinado cenário à frente, e se a relação entre o risco e o retorno for convidativa você precisa aproveitar. Mas a parcela principal do seu portfólio deve ser composta por ações de companhias que vão atravessar bem qualquer tipo de situação.

Se vai sobrar ou faltar dinheiro, chover demais ou de menos, se o dólar vai subir ou cair, se a Selic vai para níveis descontrolados ou se o próximo Presidente será reformista são todas coisas que estão completamente fora do nosso alcance.

O que sabemos é que a administração da Eneva tem mostrado constantemente que consegue lidar com cada uma dessas situações crescendo e gerando muito valor para os acionistas.

A Eneva (ENEV3) é apenas uma das companhias com essas características dentro da série Oportunidades de Uma Vida. Lá você encontra muitas outras empresas bem tocadas, com grande disciplina de capital e que contam com um longo histórico de geração de valor, mesmo com todas as surpresas negativas que costumam aparecer nas viagens dos investidores brasileiros.

Se quiser conferir a lista de ações, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a próxima!

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies