🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

Existe vida na bolsa depois do topo, mas é preciso tomar cuidado com o “tudo ou nada”

O que os gestores vencedores têm de diferente das pessoas comuns é a capacidade de ajustar o portfólio de acordo com as condições de mercado e suas convicções

22 de janeiro de 2021
5:45 - atualizado às 13:43
Bolsa mercados ações topo montanha
Imagem: Shutterstock

Nos últimos meses você deve ter lido algumas vezes que chegou o momento para investir em ações, ou que esta é a oportunidade perfeita para entrar no mercado acionário.

O problema é que os investidores nem esperaram a pandemia terminar e levaram a bolsa dos 60 mil pontos para mais de 120 mil pontos, em poucos meses. O Ibovespa não apenas dobrou de valor, como ainda renovou seu recorde histórico. 

E agora, com a bolsa nas alturas, muita gente fica se perguntando o que fazer: será que ainda é hora para investir em ações ou será que a festa está perto de terminar?

Ninguém sabe

Antes de mais nada, é bom esclarecer que você nunca vai conseguir adivinhar se a bolsa vai marcar um topo na semana seguinte e cair seis meses sem parar. Muito menos se ela vai continuar subindo e triplicar de valor em relação aos patamares atuais. 

A verdade é que ninguém consegue saber isso. Nem os grandes gestores de fundos multibilionários possuem esse poder.

O que esses gestores vencedores no longo prazo têm de diferente das pessoas comuns é a capacidade de ajustar o portfólio de acordo com as condições de mercado e suas convicções, o que nos leva a um outro ponto importante. 

Ações: tudo ou nada?

Às vezes eu tenho a impressão que as pessoas tratam a exposição às ações nos portfólios como tudo ou nada.

Ou tem muitas ações, ou não tem nada de ações. 

Em um determinado momento, a bolsa está lá embaixo, as condições para investimentos não parecem tão boas e você deixa todo o dinheiro guardado na poupança. 

De repente, a bolsa começa a subir e no mesmo dia que o analista de um banco de investimentos menciona que chegou o momento de comprar ações, você se desfaz de todos os investimentos conservadores e coloca tudo em ações, com o único medo de perder a alta dos mercados.

Mas não é assim que as coisas funcionam – ou, pelo menos, não é assim que elas deveriam funcionar. Se é dessa maneira que você está cuidando dos seus investimentos, você precisa mudar urgentemente.

Risco vs retorno

Enquanto a maioria dos investidores gostam de brincar de tudo ou nada – terminando a brincadeira geralmente com nada –, os grandes nomes do mercado vão ajustando as suas posições de acordo com o risco vs. retorno dos ativos. 

Se a economia está em crise, mas as ações já estão muito depreciadas, os bons gestores começam a colocar um pouco mais de ações na carteira. 

Não porque acordaram em uma determinada manhã com a premonição de que a bolsa iria subir no dia seguinte – mais uma vez, nem eu, nem você, nem ninguém consegue adivinhar isso. 

Eles fazem isso porque as ações atingiram um nível de preço tão baixo que se tornaram bons investimentos. Apenas isso. 

Mas eles não vão entrar com tudo de uma vez. Se o fundo está com 5% de exposição em ações, aumenta para 10%, depois para 15%, e assim por diante, à medida que a convicção aumenta. 

Da mesma forma, quando o cenário é perfeito, as bolsas estão nas alturas e os preços das ações esticados, carregar muitas ações começa a se tornar arriscado, e os gestores começam a reduzir a quantidade de ações no portfólio. 

Novamente: não porque eles acham que a bolsa vai cair no dia seguinte, mas porque o risco vs. retorno já não é mais tão convidativo. 

Não é para vender tudo

Neste ponto eu volto àquela lição sobre o "tudo ou nada", lembra? 

Não é porque a assimetria piora que esses gestores vendem todas as ações e colocam o dinheiro do fundo embaixo do colchão. 

Eles apenas reduzem marginalmente a alocação em ações e colocam em ativos mais seguros (como Tesouro Direto, CDBs de bancos grandes, ouro, dólar). 

Mas se eles estão pessimistas, porque não tiram todo o dinheiro de ações?

Porque eles não sabem de verdade se a bolsa vai cair. Mais uma vez: ninguém sabe!

O fato de ela ter dobrado em um ano não quer dizer que ela não pode subir 100%, 200% ou mais no ano seguinte. E se isso acontecer, vender todas as ações teria sido um erro gigantesco.

É por isso que a melhor estratégia é reduzir aos poucos à medida que o risco vs retorno piora. Não vender tudo, nem ficar 100% alocado. 

Se o mercado continuar subindo, eles ainda conseguem ganhar dinheiro com as ações. 

Points scored

E se o mercado virar para baixo, eles sofrerão menos com a queda e ainda poderão utilizar parte do dinheiro recebido com a venda das ações no topo para comprar as mesmas ações depois a preços bem mais interessantes.

Points scored

Ajustando o portfólio

Antes que você me pergunte, apesar do tom da coluna de hoje, eu continuo otimista com as ações.

Apesar dos valuations esticados, as empresas estão mostrando boa recuperação, os juros estão nas mínimas e, aos trancos e barrancos, o plano de vacinação começou a andar no Brasil. 

No entanto, eu gostaria de lembrar que é justamente quando as bolsas estão nas máximas que os investidores comuns costumam ir para o tudo ou nada, comprando ações desesperadamente para aproveitar o "oba oba".

Se você está no grupo dos que investem conscientemente e mantêm um portfólio equilibrado, ótimo.

Mas se você é como a grande maioria e acabou de sacar o seu FGTS, todo o dinheiro da poupança, ou vendeu a casa para investir tudo o que tem em ações porque seu vizinho está ganhando rios de dinheiro com elas, lembre-se que essa é a melhor maneira de quebrar a cara no mercado financeiro. 

Um portfólio com cerca de 50% a 60% de exposição em renda variável (ações e fundos imobiliários) e o restante dividido entre caixa, Tesouro, dólar e ouro nos parece uma alocação apropriada para este momento – aliás, é com base nela que a Carteira Empiricus está posicionada atualmente.

Mas é claro que isso pode mudar, à medida que os preços se alteram. Os assinantes da Carteira Empiricus recebem em primeira mão não apenas as mudanças de alocação sugeridas, como também quais ativos inserir no portfólio a cada flutuação de mercado.

Não à toa, o Felipe Miranda costuma dizer que essa é a série mais completa da casa. 

Se quiser conferir, deixo aqui o convite. E lembre-se que a melhor maneira de construir riqueza no longo prazo é evitar fazer loucuras com o seu dinheiro no meio do caminho. 

Um grande abraço e até a próxima!

Leia também:

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar