🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

O dilema do Astra 2005: Ainda vale a pena investir em Petrobras (PETR4) após a disparada das ações?

A companhia não está entre as queridinhas, atua em um setor que certamente não conta com uma legião de fãs e ainda pode a qualquer momento sofrer com interferências políticas. Vale o custo-benefício?

6 de agosto de 2021
5:43 - atualizado às 22:27
Carro Astra 2005 Petrobras Logo
O Astra tem uma ótima relação custo-benefício. E PETR4? Imagem: Montagem Andrei Morais

Desde muito pequeno, eu sou apaixonado por carros.

No meu aniversário, se você não quisesse errar no presente era só me dar um carrinho de presente, qualquer um servia. 

Lembro até hoje que um dos meus passatempos preferidos quando tinha uns seis anos era tentar descobrir se a roda de determinado carro era daquele modelo mesmo ou tinha sido trocada pelo dono.

"Olha lá mãe, um Gol com roda de Santana" ou "pai, olha ali um (Opala) Diplomata com roda de Ômega". 

Os anos foram passando mas a paixão não. Eu continuo acompanhando tudo o que consigo sobre os lançamentos, tendências do setor.

Mas é engraçado como, mesmo sendo vidrado em carros potentes e requintados, o veículo que escolhi pra mim não é apenas velho, como também barato e sem frescura alguma.  

Se você ficou curioso, o primeiro (e último) carro que comprei na vida foi um Chevrolet Astra 2005 igual ao da foto abaixo.

Confortável, com mecânica resiliente, consumo e potência que não deixam a desejar e tudo isso por um preço muito (MUITO) menor do que qualquer modelo novo de entrada.   

Ele pode não ter os mesmos penduricalhos dos carros glamourosos modernos, mas em termos de custo vs benefício, garanto é um concorrente difícil de ser batido.

Custo vs Benefício é o nome do jogo

Quando começamos a nos aventurar no mercado financeiro, parece que as únicas ações que valem a pena são aquelas queridinhas, que todos os gestores falam bem, que estampam as capas dos jornais com resultados imponentes. 

Estou falando aqui de Localiza (RENT3), Lojas Renner (LREN3), Magazine Luiza (MGLU3) entre outras “famosinhas” da Bolsa. 

Mas nem sempre as companhias mais cobiçadas são aquelas nas quais você obterá retornos satisfatórios. 

Na Bolsa, tudo depende da relação entre custo e benefício. 

As queridinhas dos investidores podem continuar trazendo retornos acima da média, mas elas custam caro. E por negociarem com múltiplos muito elevados, precisam constantemente superar expectativas já muito otimistas — o que às vezes pode se tornar uma tarefa muito difícil. Basta apenas um pequeno tropeço para as suas ações desmoronarem. 

Qualquer semelhança com o que aconteceu com a Localiza (RENT3) não é mera coincidência. Para o mercado, depois de um 2T21 abaixo das expectativas, o preço (custo) das ações já não parece mais tão condizente com os retornos (benefícios) esperados, e RENT3 foi severamente punida.  

Por outro lado, vimos o oposto acontecer com a Petrobras (PETR4) ontem – que chegou a subir 10% no meio do pregão e rendeu um grande ganho com opções na minha série Flash Trader, inclusive.

A companhia não está entre as queridinhas, atua em um setor que certamente não conta com uma legião de fãs e ainda pode a qualquer momento sofrer com interferências políticas em sua gestão.

No entanto, a PETR4 negocia por menos de 5 vezes preço/lucros e 4 vezes EV/Ebitda. Com múltiplos extremamente descontados, ainda que falte muito glamour e sobrem riscos, temos uma ótima relação de custo vs benefício, e isso significa que podemos conseguir extrair ótimos retornos de suas ações.

Confira também no nosso Instagram (aproveite para nos seguir lá):

A relação de custo vs benefício de Petrobras (PETR4)

Se você ainda se pergunta se, depois da alta de ontem, as ações da Petrobras continuam com uma relação de custo vs benefício atrativa, a resposta é “sim”. 

Primeiro porque os múltiplos de PETR4 permanecem amassados. E segundo porque as condições operacionais e financeiras da companhia estão cada vez melhores. 

A Petrobras apresentou crescimento relevante no Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de todos os segmentos de atuação, com preços mais elevados de petróleo e derivados, aumento nas vendas e forte controle de gastos.

E se o desempenho operacional tem ajudado a gerar valor, a ótima gestão da dívida vai cumprir um papel decisivo no pagamento de dividendos para os acionistas a partir dos próximos trimestres.

Desde que parou de investir em projetos mirabolantes sem qualquer relação com a produção de petróleo e derivados, a Petrobras tem gerado uma quantidade brutal de caixa. 

Nos últimos anos, a companhia tem aproveitado essa geração para reduzir suas dívidas. No entanto, agora que a alavancagem chegou a patamares saudáveis (1,5 vezes dívida líquida/Ebitda), ela poderá começar a pagar quantidades relevantes de dividendos. 

Fonte: Petrobras

Aliás, na divulgação de resultados do 2T21, a companhia já antecipou mais de R$ 30 bilhões de dividendos referentes ao ano de 2021, o que representa um dividend yield (retorno com dividendos) de quase 10% – uau!

E com a manutenção da disciplina financeira aliada ao foco cada vez maior na Exploração & Produção (E&P) do pré-sal (cujo custo marginal de extração é extremamente baixo), a tendência é vermos os dividendos permanecerem em patamares nos próximos anos também — não é à toa que PETR4 está na série Oportunidades de Uma Vida, junto com outras ações com excelente potencial de valorização e que têm superado com folga o desempenho do Ibovespa em 2021. 


Vale a pena comprar ações da Raízen (RAIZ4? Confira a análise completa da Larissa Quaresma, colunista do Seu Dinheiro. E aproveite para se inscrever no nosso canal:


Mais uma vez: não estamos falando da companhia mais bonita, mais moderna, nem a mais glamurosa da Bolsa. Mas, pelos múltiplos atuais, com toda a evolução esperada para os próximos anos e elevados dividendos pingando na conta dos acionistas, temos uma relação de custo vs benefício que está entre as mais interessantes do mercado — quer dizer, ainda é uma relação pior que a do meu Astrinha, mas esse também não está à venda.

Um grande abraço e até a próxima!

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar