Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-11T10:23:56-03:00
O MELHOR DA SEMANA

Sobre roxos, azuis e vermelhos: alta da Selic, inferno astral do bitcoin e IPO do Nubank. Veja o que foi destaque na semana que passou

Ibovespa conseguiu terminar semana no azul com o alívio dos juros futuros, mas as principais criptomoedas ficaram no vermelho, com desempenhos muito negativos

11 de dezembro de 2021
10:23
Meme do Tintin com capitão Haddock como bitcoin
Bitcoin foi destaque negativo na semana. Imagem: Montagem Andrei Morais/SeuDinheiro

Os mercados nesta semana ficaram multicoloridos. Não tivemos apenas a vermelhidão das cotações negativas, nem somente a tranquilidade dos desempenhos azuis, mas um pouquinho de cada nos segmentos mais importantes. Teve até um pouco de roxo, que felizmente não foi de hematoma.

O grande acontecimento da semana, para nós investidores brasileiros, foi o aumento da taxa Selic em 1,5 ponto percentual pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom.

A variação que levou a taxa básica de juros de 7,75% para 9,25% ao ano ficou dentro do esperado, mas o tom duro contra a inflação do comunicado da autoridade monetária surpreendeu um pouco os mercados.

Essa postura do Copom, aliada com o IPCA de novembro, que veio abaixo do esperado, deram alívio aos juros futuros mais longos, na medida em que agora o mercado passou a esperar que o BC não irá, de fato, pegar leve com a inflação.

Com isso, a bolsa brasileira também teve espaço para se recuperar, e o Ibovespa terminou a semana no azul, acumulando uma alta de 2,56% e chegando aos 107.758 pontos. O dólar, por sua vez, viu um certo alívio, recuando 1,16% no período, para R$ 5,61.

O mercado cripto, por outro lado, ficou manchado de vermelho. A semana foi pesada para o bitcoin, que arrastou junto boa parte das maiores criptomoedas do mercado. Entenda o que está acontecendo.

Por fim, tivemos nesta semana uma estreia de peso na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). O Nubank finalmente concluiu seu IPO e pintou Wall Street de roxo, como eu conto mais adiante, nesta newsletter.

Veja a seguir as principais matérias do Seu Dinheiro na semana.

1. O sonho acabou?

O destaque negativo da semana (e de 2021) ficou com as varejistas, cujas ações amargaram novas perdas, que já ultrapassam os 60% no acumulado do ano. Queda na renda do brasileiro, inflação alta, aumento de juros… o mar não está para peixe para essas empresas. Nesta matéria, a Jasmine Olga resumiu as quatro principais razões para o inferno astral de Magazine Luiza, Lojas Americanas e Via na bolsa.

2. Estreia bombástica

A semana também foi marcada pela estreia bombástica do Nubank na bolsa de Nova York. A demanda pelas ações do roxinho foi forte em Wall Street, o que fez com que o IPO saísse no topo da faixa indicativa, a US$ 9 por papel. Com isso, o banco digital conseguiu ir a mercado valendo US$ 41 bilhões, ultrapassando o Itaú e tornando-se a maior instituição financeira da América Latina.

Só na abertura, o banco digital chegou a disparar mais de 30%, e com a alta acumulada nos seus dois primeiros dias de pregão (31,3%), seu valor de mercado chegou à faixa dos US$ 50 bilhões, valor inicialmente almejado pela companhia.

Aqui no Brasil, a demanda por BDRs não foi tão alta, nem mesmo entre os clientes do Nubank que tiveram direito de ganhar um “pedacinho” da fintech de graça. Mesmo assim, os recibos de ações do Nubank também dispararam, acumulando alta de 37,2% em dois dias.

3. Mudou e continua ruim

A alta da Selic para um patamar superior a 8,50% ao ano acionou o gatilho que muda a remuneração da poupança, que agora atingiu sua rentabilidade máxima, a mesma da “poupança antiga”. Mas isso não quer dizer que é hora de aplicar na velha caderneta, como eu te mostro nesta matéria.

A poupança ficou ainda mais desvantajosa ante as outras aplicações de renda fixa conservadora, e esta desvantagem deve aumentar conforme os juros subam ainda mais. Veja como fica a rentabilidade das aplicações de renda fixa conservadora com a Selic em 9,25%.

4. Ordem na criptocasa

A reportagem do Seu Dinheiro mais lida da semana discute a regulamentação do mercado cripto no Brasil. O Renan Sousa ouviu especialistas a respeito de três projetos de Lei apresentados pelo senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO) à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, que colocam as criptomoedas sob a alçada do Banco Central e incentivam a mineração desses ativos no Brasil. Se você ainda não leu, vale a pena entender.

5. Os FIIs que se salvam da alta dos juros

O mês de novembro foi terrível para os fundos imobiliários, que têm apanhado com a alta dos juros, mas um segmento desse mercado está sobrevivendo em grande estilo. Os fundos de recebíveis imobiliários, títulos de renda fixa ligados a imóveis, vêm se destacando entre os preferidos nas indicações das corretoras. Para dezembro, porém, o FII que ostentava a coroa há quatro meses teve de ceder a majestade para outro FII de papel. Saiba que fundo é esse, na matéria da Larissa Vitória.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro no sábado". Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mercados Hoje

Ibovespa abre em alta de mais de 1% puxado pelo exterior positivo, e dólar recua a uma semana da reunião do Federal Reserve

Commodities permanecem no radar: minério de ferro avançou na China durante a madrugada, e agentes de mercado já apostam numa alta do petróleo até US$ 100 neste ano

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança próximo da estabilidade e dólar cai de olho no exterior positivo e nos balanços dos bancos de hoje

As commodities permanecem em rota de valorização, com o petróleo e o minério de ferro em destaque hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Um guia com 51 investimentos para 2022, a queda das ações tech na B3, Binance e outros destaques do dia

Confira os investimentos mais promissores do ano, além de uma análise completa dos riscos e oportunidades nas principais classes de ativos

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas buscam recuperação lá fora, de olho nos balanços do dia e Ibovespa foca no cenário doméstico

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem até sexta-feira (21) para decidir sobre o Orçamento e o reajuste dos servidores públicos

PAPO CRIPTO #010

Maior corretora de criptomoedas do mundo, Binance vê 2022 como o “ano da regulação” do mercado

“Existe um preconceito com o mercado de criptomoedas como um todo”, diz a representante da Binance no Brasil sobre países que proibiram a atuação da corretora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies