Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-13T14:22:53-03:00
Insights Assimétricos

Ecos de Independência: o risco político do 7 de setembro e o desconto na bolsa e nos ativos brasileiros

O feriado traz consigo o medo da elevação do risco político. Mas é preciso ter calma para analisar o panorama para a bolsa e os investimentos

7 de setembro de 2021
7:24 - atualizado às 14:22
Montagem do Congresso Nacional com desenhos de um touro e um urso, sinalizando as instabilidades geradas pelo risco político ao desempenho da bolsa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Chegamos ao tão aguardado dia 7 de setembro. Muito temos acompanhado ao longo deste terceiro trimestre, que tanto nos prometia, quanto à deterioração das relações entre os Poderes da República — e o impacto do risco político no desempenho da bolsa. Há muita gente falando sobre isso, e a verdade é que poucos são os que realmente agregam à discussão. 

O Brasil é pouco trivial quando se trata de política, o que dá contornos bem nebulosos às cenas dos próximos capítulos. Havendo ou não real risco de ruptura institucional, notou-se nas últimas semanas um maior desconto sobre os ativos de risco locais, derivado, entre outras coisas, desse desconforto com o contexto político de Brasília. Já não há muitas perspectivas de aprovações relevantes positivas nesta segunda metade de 2021.

Elevou-se, portanto, a percepção de risco local com o esticar da corda nas mão do Palácio do Planalto. Temor político e falta de visibilidade fiscal, o calcanhar de Aquiles da economia brasileira, fez com que houvesse perda de aderência entre os fundamentos da realidade concreta e os ativos financeiros.

Consequentemente, o Brasil acabou ficando extremamente desvalorizado. Uma maneira de ver isso é comparar as participações de investidores estrangeiros no Brasil (BRL) com as da África do Sul (ZAR), antes (esquerda) e depois do COVID (direita). Em outras palavras, em % do PIB, as participações de investidores estrangeiros no Brasil são agora menores do que em 2010.

Gráficos mostrando a alocação dos investidores estrangeiros nos mercados emergentes ao longo do tempo. A bolsa e os ativos do Brasil perderam espaço, dado o aumento no risco político

Difícil argumentar que o desconto é válido. Quero dizer, não somos perfeitos, mas isso é demais. Os investidores estrangeiros têm aumentado suas participações em ações e títulos na China em 5% trimestralmente, mas por muitos anos tiraram dinheiro do Brasil.

Isso está mudando gradualmente, vale dizer: o capital está voltando para o Brasil e os investidores estrangeiros agora estão mais otimistas do que os brasileiros. Mas ainda assim, as últimas porradas sobre nossas ações provocaram um desconto aparentemente exagerado, em meu entendimento.

Veja abaixo o múltiplo de preço sobre lucro projetado para os próximos 12 meses do Ibovespa, o principal índice da bolsa. Estamos no mesmo patamar do low verificado no pior da pandemia no ano passado — a conta não fecha.

Gráfico de linha com a evolução do indicador Preço Lucro do Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira

Risco político e bolsa: faz sentido?

Dificilmente você vai conseguir me convencer de que é justo o desconto simplesmente pelo risco de ruptura institucional. Principalmente porque o Brasil, segundo a teoria da ciência política, seria o que poderíamos chamar de "sistema político de múltiplos vetos". 

O que isso quer dizer?

Bem, se trata da combinação de Suprema Corte independente, Ministério Público independente, divisão clara dos poderes com um Congresso forte e independente (cada vez mais independente nos últimos cinco anos, vale ressaltar), mídia livre e estados da federação com poder de polícia e orçamentário (arrecadatório e de investimento).

É difícil governar o Brasil. Uma ruptura institucional, então, é mais difícil ainda.

Claro, todos ficaremos de olho para acompanharmos o tom das manifestações de hoje, dia 7 de setembro. Contudo, é provável que as coisas não se percam mais do que se perderam. Se algo pior acontecer, o caldo tende a engrossar para o lado do Executivo, que deverá conter sua ala de apoio ao longo do dia de hoje.

Risco político é muito difícil de mensurar. O mercado sabe ler este risco menos ainda. Ainda assim, temos verificado uma conjuntura macroeconômica soberana. Se o dia 7 de setembro passar e, conforme predominantemente se espera, os atos sejam mais manifestações pacíficas do que qualquer outra coisa, podemos voltar a tentar precificar de maneira mais apurada nossos ativos.

Em sendo o caso, o Brasil e a bolsa estão bem baratos, como pudemos ver acima. 

Na série "Palavra do Estrategista", best-seller na Empiricus, Felipe Miranda e eu construímos algumas carteiras muito interessantes para capturar a valorização dos ativos brasileiros nesta segunda pernada do segundo semestre, enquanto o risco da crise hídrica ainda não aparecer de maneira mais evidente no radar e o Federal Reserve nos EUA não aperta sua política monetária com a redução da compra de ativos por lá ("tapering").

Para os interessados em aproveitar este desconto proporcionado, entre outras coisas, pela degradação fiscal brasileira e pelo risco político doméstico, que deve se apaziguar (as coisas pioram antes de melhorar), vale a pena conferir a série e se debruçar sobre nossas análises para os mais variados tipos de investimentos para diferentes perfis de investidores.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

IPO adiado

Bluefit: nem desconto de 20% garante estreia da rede de academias na bolsa

Inicialmente estimado em R$ 600 milhões, IPO da rede de academias de baixo custo agora deverá ter o valor reduzido e envolver apenas investidores institucionais, como fundos e fundações

Tensão EUA-China

Executiva da Huawei detida no Canadá em 2018 volta à China após acordo com os EUA

Confinada à cidade de Vancouver há quase três anos, onde havia sido presa sob acusação de fraude, CFO da Huawei, Meng Wangzhou, protagonizou incidente diplomático entre Canadá, EUA e China

o melhor do seu dinheiro

Mercados na semana: O destino da Evergrande, uma análise da Vale e seis ações indicadas por analistas

A semana que termina nos mercados foi marcada pela incerteza quanto ao futuro da incorporadora chinesa Evergrande e seus desdobramentos sobre a economia global. A crise na empresa, que tem um passivo oscilando à beira da insolvência, é consequência do aperto monetário e regulatório sobre o setor promovido pelo governo chinês desde o final do […]

Estimativas

Carrefour (CRFB3) divulga projeção para Atacadão e estima R$ 100 bi em vendas em 2024

A projeção de vendas brutas da rede no exercício social que se encerrará em 31 de dezembro de 2021 é de R$ 60 bilhões

PODCAST MESA PRA QUATRO

Da Conga até o Tik Tok: Gretchen conta de sua carreira artística e como administra seu dinheiro

Aos 60 anos, Gretchen relata sobre sua independência financeira e histórias de família e de carreira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies