🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

13 de junho de 2021
7:13 - atualizado às 12:25
Computador tecnologia ações
Ações de tecnologia - Imagem: Shutterstock

O que o site IMDb, um dos principais bancos de dados sobre filmes no mundo, a Siri e o sistema operacional Android possuem em comum? 

A princípio, não muito, além do fato de serem todos ligados à internet. A resposta, porém, vai muito além disso - e aposto que seja algo que você nunca tenha reparado. 

Após minha estreia aqui na Estrada do Futuro, em que te contei um pouco sobre o quanto as gigantes da internet sabem sobre você, decidi explorar um novo tema, que é o elemento de ligação entre IMDb, Siri e Android: aquisições

Isso mesmo. As três empresas e ferramentas foram algumas das centenas de aquisições que as big techs fizeram ao longo das últimas duas décadas, a fim de compor seus negócios.

O IMDb foi comprado pela Amazon em 1998. 

A Siri, sistema de reconhecimento de voz desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA, foi comprada pela Apple em 2010. 

Já a Android, em 2005, foi adquirida pela Google no ano de seu IPO e hoje divide com o iOS o posto de sistema operacional mais usado em dispositivos móveis. 

Esses são apenas alguns dos exemplos que você provavelmente conhece do dia a dia e, ao longo dos anos, foram incorporados aos maiores nomes de tecnologia do mundo. 

De fato, aquisições sempre fizeram parte da essência de empresas de tecnologia, tendo ganhado ainda mais tração nos últimos dez anos. 

"No mundo de tecnologia, ou você vai às compras, ou você definha", foi o que me disse Fernando Cirne, CEO da Locaweb (LWSA3), no episódio #27 do Tela Azul.

Com isso em mente, quero me aprofundar aqui com você nas abordagens que empresas tech vêm tendo em relação a aquisições e destrinchar as duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro nesse setor.

Como empresas de tecnologia crescem

Há uma grande liquidez hoje no mercado financeiro, o que faz com que muitas empresas, tech ou não, tenham acelerado seus processos de investimento em outras frentes. 

Em tecnologia, em especial, temos visto cada vez mais aquisições interessantes, que não são apenas ligadas ao negócio principal da companhia mãe, mas pequenas incursões em negócios adjacentes. Como um polvo que vai criando pequenos, e múltiplos, tentáculos. 

Um caso bem interessante em terras brasileiras é a bem conhecida Magalu, que vem criando um verdadeiro ecossistema em torno do e-commerce que vai de pagamentos a canais especializados em conteúdo. 

Na minha opinião, uma das aquisições mais interessantes do Magalu em termos de temática, feita em agosto de 2020, foi a do Canaltech. 

Uma empresa de ecommerce comprando um blog de tecnologia? Se isso significa um poderoso canal de crescimento de sua base de clientes, a partir da união entre conteúdo e anúncios, por que não? 

O paralelo internacional da Magazine Luiza, a Amazon, não é chamada de "a loja de tudo à toa". 

A empresa de Jeff Bezos nasceu como uma plataforma de venda online de livros e hoje tem uma das fatias mais relevantes da sua receita vinda do segmento de cloud, com a AWS. 

Os exemplos não param por aí. Mais abaixo, trago algumas das principais aquisições de Amazon, Apple, Facebook e Alphabet ao longo da história. 

O fato é claro: empresas tech crescem de duas formas: 

  1. Fortalecendo suas linhas principais de negócio e ganhando market share - como é o caso da Apple com iPhones e iMacs ou da Google e Facebook com anúncios, ou;
  2. Ampliando seus escopos de atuação, a partir da aquisição de empresas que representem algum tipo de sinergia para o negócio principal.

Quem comprou quem ao longo da história

Enquanto pesquisava alguns dados para esta edição, algo em particular me chamou a atenção. Algo em comum entre as aquisições que Apple, Amazon, Google e Facebook fizeram desde a década de 90, principalmente, é que a maior parte foi de empresas fora da linha original de negócios. 

Veja o placar: 

  • Apple: 27 aquisições no ramo de hardware, software e apps, contra 96 aquisições fora do ramo principal. Em especial, comprou empresas focadas em tecnologias de mapeamento, para concorrer com o Google; 
  • Amazon: 40 aquisições no ramo de livros e e-commerce, versus 71 fora dele. Entre a segunda parte, estão empresas de cloud computing, que deram origem a Amazon Web Services; 
  • Google: 81 aquisições voltas para pesquisa, mapeamento e anúncios e, de outro lado, 187 compras de empresas em setores como inteligência artificial; 
  • Facebook: 28 aquisições em redes sociais, mensageria e anúncios, contra 77 fora dessa linha principal. O principal destaque: empresas de desenvolvimento de apps, como foram os casos de Whatsapp e Instagram. 

Os bichos-papão do mercado claramente têm um foco de adicionar novos negócios aos seus guarda-chuvas. Na maioria das vezes, são pequenas startups com ou que contam com patentes interessantes e/ou uma equipe fora da curva. 

O nome disso: opcionalidade. 

Como boas investidoras, essas gigantes sabem que, ao pulverizar o capital entre uma grande quantidade de apostas de alto potencial é o suficiente para que, mesmo sabendo que nem todas darão certo, seus negócios capturem ganhos acima da média. 

Caso você esteja curioso para saber quais foram algumas das principais aquisições de cada empresa que citei acima, aqui está uma lista das que mais me interessaram: 

Amazon

Além da compra do site IMDb, em 1998, também adquiriu a Audible, que se tornou um produto de mídia da frente de livros, assim como o Kindle, só que do lado de audiobooks. 

Chama a atenção, ainda, a Twitch, plataforma de streaming utilizada, majoritariamente, por gamers. 

Apple

Após a compra da Siri em 2010, no período entre 2013 e 2020, a Apple fez a aquisição de nada menos que 14 empresas de inteligência artificial focadas em reconhecimento facial e de voz, assistentes virtuais e machine learning. 

Em 2014, comprou a famosa Beats, empresa de equipamentos de áudio fundada pelo rapper Dr. Dre. 

Google

Você já sabe sobre a compra do Android em 2005 e do Youtube em 2006 que, inclusive, foi uma das maiores aquisições da Alphabet, por US$ 1,6 bilhão. 

Porém, talvez não conheça a Writerly e a Tonic Systems, que ajudaram a companhia a concorrer com o pacote Office da Microsoft, gerando, respectivamente, o Google Docs e o Google Slides. 

Facebook

Por último, a empresa de Mark Zuckerberg é conhecida por menos aquisições, só que mais caras. 

A compra do Whatsapp chegou à cifra de US$ 19 bihões, em 2014. Já o Instagram foi adquirido por US$ 1 bilhão em 2012 (depois disso, e da porta na cara que Zuckerberg levou do Snapchat,  você passou a ver stories em absolutamente todos os lugares).

Duas (e outras duas) formas de ganhar dinheiro

Neste ponto, já deve ter ficado claro para você que, no mercado de tecnologia, pode-se ganhar dinheiro investindo tanto nas grandes empresas quanto nas pequenas. Caçador e caça. 

Ao comprar uma big tech, você está comprando também todos os negócios adjacentes que ela vier a gerar e todas as opcionalidades embutidas. 

Por outro lado, é possível também buscar "na fonte" essas opcionalidades, investindo em empresas menores, ainda fora dos holofotes, que venham a ter sinergias com esses negócios enormes e incorporados por eles. 

Um exemplo muito bom é o caso da plataforma de comunicação Slack, muito conhecida no meio de desenvolvimento de software e startups, mas que entrou no radar do mercado após o anúncio da possível aquisição pela SalesForce, uma empresa bastante consolidada. 

Além dessas duas formas mais claras de alocar seu capital como investidor em torno de bons retornos, existem outras duas facetas das techs que vale a pena explorar. 

Me refiro às duas estratégias macro de alocação de capital das big techs, bem representadas pelas abordagens da Amazon e da Alphabet. 

A empresa de Jeff Bezos aposta em uma exploração de novos negócios alinhados à visão de ser uma loja (e empresa) de tudo.

Ela é conhecida por fazer várias apostas em empresas que tenham alto potencial de crescimento por tempo indeterminado. 

Ou seja, compra um bando de empresas com crescimento acima da média ao longo do tempo, de forma que quando olhamos para a companhia como um todo, não há previsibilidade de quanto ela parará de crescer. 

Sempre haverá negócios de alto crescimento em ciclos distintos. Logo, se as partes estão constantemente crescendo, a Amazon também está. 

Isso ajuda a explicar as altas taxas de crescimento da empresa ao longo do tempo, em frentes diversas. 

Agora, se olharmos com atenção a abordagem da Alphabet, veremos algo diferente. A dona do Google tende a ser mais cautelosa, mirando em novos negócios que têm alto potencial desde o início e não só no futuro. 

A Alphabet olha para empresas que podem virar negócios relevantes como o Google, o Youtube, o Maps e o Android. 

Alinhando esses negócios ao seu ecossistema central, de plataformas e anúncios, ela consegue lançar, de cara, produtos que alcançam o nível de um bilhão de usuários. Se a funcionalidade tiver potencial para o efeito de rede, ganhará tração naturalmente. 

Dessa forma, a estratégia da Alphabet está mais ligada a fortalecer suas linhas principais de negócio do que ampliar o escopo para "N" vertentes possíveis. 

Seja pela abordagem da Amazon ou da Alphabet, você há de concordar comigo que as big techs criaram duas formas matadoras de crescer e dar lucro.

Um convite, se você procura empresas fora do radar

Antes de me despedir, se você, assim como eu, tem um interesse particular por empresas que não estão ainda no consenso e, por isso, podem ser as grandes "porradas" do futuro, tenho um convite a fazer. 

Entre os dias 16 e 21 de junho eu, o Richard Camargo e o André Franco faremos uma imersão nos investimentos em tecnologia, totalmente online, em busca dos próximos SuperLucros desse mercado.

O Deep Dive Tech, como batizamos o evento, está com inscrições abertas, gratuitamente. 

Basta se inscrever aqui para participar conosco e descobrir quais serão as próximas empresas fora do radar capazes de entregar lucros impressionantes. 

Posso contar com a sua participação? Sei que sim. Te vejo lá. 

E, com isso, fico por aqui. Espero que tenha curtido o texto deste domingão. 

Escreva para mim no [email protected] com seu feedback. Ele nos ajuda sempre a melhorar. 

Aquele abraço. Fique bem!

Compartilhe

LONGE DOS ESCRITÓRIOS

Na contramão de Elon Musk: Amazon, empresa de Jeff Bezos, não tem planos de retorno ao trabalho presencial

8 de setembro de 2022 - 16:50

A gigante de tecnologia adotou o modelo de trabalho remoto no ano passado, em que a quantidade de idas ao escritório é determinada pelos gerentes dos setores

ESTRADA DO FUTURO

Por que você deveria ter as ações (ou BDRs) da Amazon entre as maiores posições do seu portfólio

4 de agosto de 2022 - 5:57

Muita coisa precisa dar errado para que, em longo prazo, esse seja um ponto de entrada ruim para as ações ou BDRs da Amazon (AMZO34)

JEFF BEZOS RINDO À TOA

Amazon vende mais que o projetado no segundo trimestre e dispara mais de 10% na bolsa

28 de julho de 2022 - 17:12

A Amazon teve prejuízo no trimestre, mas as vendas ficaram acima do que o mercado previa — e, assim, as ações sobem forte no after market

ROTA DO BILHÃO

Jeff Bezos revolucionou o mundo dos livros e disputa o espaço com Elon Musk; saiba como o dono da Amazon se tornou o terceiro homem mais rico do mundo

24 de julho de 2022 - 8:16

O bilionário foi o homem mais rico do planeta por três anos consecutivos, antes de ser desbancado por Elon Musk; Bezos também teve o divórcio mais caro do mundo

SALÁRIOS MILIONÁRIOS

CEOs das maiores empresas do mundo ganham 324 vezes mais do que o salário médio dos funcionários; confira

19 de julho de 2022 - 12:30

Expedia, Amazon e Intel são as empresas, que compõem o S&P 500, que possuem os maiores salários de CEOs; no Brasil, as maiores remunerações são pagas pelo Santander, Vale e Itaú

Amazon

Amazon anuncia dia do ‘Amazon Prime Day’, evento de vendas com promoções; grupo específico de clientes terá ofertas antecipadas

16 de junho de 2022 - 12:13

Amazon tem “black friday fora de época” em mais de 20 países; saiba mais detalhes

TEMPOS DE VAGAS MAGRAS

Elon Musk, Jeff Bezos e Bill Gates perderam US$ 115 bilhões em cinco meses; saiba por quê

29 de maio de 2022 - 16:22

Os homens mais ricos do mundo acumulam perdas em ações das empresas; Elon Musk, por exemplo, vendeu ações da Tesla para comprar o Twitter

ESTRADA DO FUTURO

Resultado da Amazon pode ter decepcionado o mercado, mas a gigante do e-commerce tem a joia da coroa do setor de tecnologia

5 de maio de 2022 - 6:12

Atenções estão voltadas para a AWS, divisão de infraestrutura em nuvem da Amazon, que deve começar a atrair cada vez mais investimentos

BRIGA DE GIGANTES

Corrida das big techs: Google, Apple e Microsoft fizeram a Amazon (AMZO34) comer poeira?

3 de maio de 2022 - 17:58

Saiba como a gigante do comércio eletrônico dos EUA pode dar a volta por cima após um trimestre decepcionante com prejuízo bilionário

Criptomoedas

A “loja de tudo” está de olho no mundo cripto. CEO da Amazon abre portas para empresa vender NFT no futuro

14 de abril de 2022 - 14:21

Andy Jassy aposta em crescimento significativo dos tokens não-fungíveis; ele também falou sobre a possibilidade de a Amazon aceitar pagamentos em criptomoedas no futuro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies