Menu
Vinícius Bazan
Crypto News
Vinícius Bazan
Head de Mobile na Empiricus, trabalha com produtos e plataformas digitais
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-15T18:32:00-03:00
CRYPTO NEWS

O bitcoin deveria proteger seu patrimônio da inflação, mas a alta dos preços também afeta as criptomoedas; entenda

A principal moeda digital do mercado e outros membros do criptouniverso
sofrem com a realidade de curto prazo nos Estados Unidos

15 de dezembro de 2021
18:28 - atualizado às 18:32
Bitcoin game over
Depois de humilhar o retorno anual do Bitcoin em apenas 24 horas, criptomoeda recém criada está pronta para dar um novo salto - Imagem: Andrei Morais

Pergunte a qualquer pessoa próxima a você se ela conhece os efeitos da inflação e você ouvirá as histórias mais diversas.

Os com mais experiência se recordarão dos tempos de hiperinflação no Brasil. A turma millennial talvez repare mais no aumento dos gastos com as saídas de fim de semana.

Seja como for, o efeito da inflação, infelizmente, sempre foi algo presente na realidade do brasileiro. Em alguns períodos, de forma mais firme. Em outros, mais brandamente.

Fato é que parecemos tomar a inflação como um elemento subjacente à nossa existência. Viver no Brasil é sinônimo de viver uma constante alta nos preços.

Agora, converse com um cidadão americano sobre o mesmo tema e arrisco dizer que a percepção será outra. Inflação constante e, por vezes, de dois dígitos, não é algo tão comum assim nos EUA.

Justamente por isso a inflação que vem batendo à porta dos americanos, refletida pelo Consumer Price Index (CPI), tem assustado tanto.

Dados recentes mostraram uma alta na inflação em solo americano não vista há décadas, chegando à marca de 6,8% no ano.

Tal movimento não acontece à toa e, na verdade, não deveria ser uma surpresa. A impressão de dinheiro nos EUA para conter os efeitos arrebatadores da pandemia de Covid-19 aumentou em 47% desde 2019.

Jerome Powell segurou a barra pelo tempo que foi possível, mas, conforme o tempo passa, vai ficando mais difícil negar a realidade.

Restam duas alternativas: passar a aumentar a taxa de juros, em um movimento similar ao que o Copom tem feito no Brasil com a Selic, ainda que o ritmo americano de fazê-lo seja beeem diferente do brasileiro; ou "deixar rolar" e ver quais serão os efeitos da inflação mais alta.

A primeira opção é diretamente ruim para ativos de risco, em especial para ações de empresas que têm seus valuations dependentes de fluxos de caixa bem no futuro, como é o caso de techs emergentes. A segunda, por sua vez, tem impactos socioeconômicos relevantes.

O mercado, hoje, espera que o primeiro caminho seja seguido, o que pode trazer uma postura mais conservadora e de aversão a risco para o jogo.

De fato, é o que já vem acontecendo nas últimas semanas, com reflexos claros sobre o mercado de cripto.

Mas, espera. Não era o bitcoin a grande proteção contra inflação?

Sim, essa tese continua válida. Entretanto, trata-se de algo que só pode se materializar no longo prazo, especialmente com um mercado de cripto maior e mais estável. Hoje, ainda é uma narrativa interessante, mas que sofre com a dureza da realidade no curto prazo.

Por ora, então, no mercado cripto, podemos esperar uma correlação maior com o mercado tradicional, com volatilidade e mais cautela dos investidores.

Isso não abala, porém, minha convicção de que o mercado tem muito espaço para crescer nos próximos anos, tanto com a maior entrada de fluxo de capital quanto com o crescimento e consolidação de segmentos como finanças descentralizadas (DeFi), jogos e NFTs, e infraestrutura para a Web 3.0.

Mais uma vez a história se repete, e mais uma vez precisamos de paciência e serenidade para atravessar momentos de correção e consolidação, mantendo o olhar fixo em nosso objetivo, que é a expansão de um mercado que, apesar de ter crescido bastante, ainda está apenas no início de sua
história.

E não se esqueça: o bitcoin também tem sua própria inflação - uma vez que as moedas são emitidas ao longo do tempo -, mas decrescente e com produção total limitada por algoritmo. Inclusive, acabamos de alcançar a marca de 90% de todos os bitcoins produzidos.

Faltam apenas 10% para serem produzidos, sendo 5% até 2025 e o restante, até 2140.

Quem sabe, em 2025 ou 2140, quantos dólares serão impressos?

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mercados Hoje

Ibovespa abre em alta de mais de 1% puxado pelo exterior positivo e dólar recua a uma semana da reunião do Federal Reserve

As commodities permanecem no radar: o petróleo pode chegar aos US$ 100 e o minério de ferro avançou na China durante a madrugada

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança próximo da estabilidade e dólar cai de olho no exterior positivo e nos balanços dos bancos de hoje

As commodities permanecem em rota de valorização, com o petróleo e o minério de ferro em destaque hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Um guia com 51 investimentos para 2022, a queda das ações tech na B3, Binance e outros destaques do dia

Confira os investimentos mais promissores do ano, além de uma análise completa dos riscos e oportunidades nas principais classes de ativos

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas buscam recuperação lá fora, de olho nos balanços do dia e Ibovespa foca no cenário doméstico

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem até sexta-feira (21) para decidir sobre o Orçamento e o reajuste dos servidores públicos

PAPO CRIPTO #010

Maior corretora de criptomoedas do mundo, Binance vê 2022 como o “ano da regulação” do mercado

“Existe um preconceito com o mercado de criptomoedas como um todo”, diz a representante da Binance no Brasil sobre países que proibiram a atuação da corretora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies