O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-12-09T19:07:16-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
DESTAQUE NEGATIVO

Magazine Luiza, Via e Americanas não param de cair; veja 4 razões para o tombo do e-commerce no ano

A queda se intensificou após os resultados fracos do terceiro trimestre e, até o momento, os piores desempenhos do ano ficam com o trio de ouro do e-commerce brasileiro, que amargam quedas de mais de 60% em 2021

9 de dezembro de 2021
18:04 - atualizado às 19:07
compra online e-commerce
Imagem: Shutterstock

Os piores momentos da pandemia do coronavírus trouxeram uma forte necessidade de adaptação e mudanças permanentes dos hábitos sociais e de consumo que começaram em 2020 e seguiram ao longo de todo o ano de 2021. 

Uma das mais perceptíveis foi o crescimento acelerado do e-commerce. Com as lojas físicas fechadas e a circulação de pessoas restrita apenas aos serviços essenciais, a digitalização forçada fez com que as empresas investissem pesado nos novos canais de venda. 

Os clientes também precisaram se habituar à nova realidade, o que gerou um otimismo renovado para o comércio online, apontado como o grande vencedor da crise. Do grande varejista ao pequeno negócio familiar, quem não estava pronto para atender a demanda dos consumidores acabou patinando.

O Magazine Luiza (MGLU3), que já vinha investindo no segmento online bem antes do restante das principais concorrentes e que não esperou o coronavírus bater na porta para apostar no formato, liderou a corrida.

Até mesmo empresas com menos fôlego chegaram a ver crescimentos próximos ou superiores a três dígitos no volume de vendas e número de clientes. Se em 2020 as listas de ações que mais subiram foram dominadas por players do setor de varejo, em 2021 a história não irá se repetir. 

A queda nos papéis do setor se intensificou após os resultados fracos do terceiro trimestre e, até o momento, os três piores desempenhos do ano ficam com o trio de ouro do e-commerce brasileiro: Magazine Luiza (MGLU3), Americanas (AMER3/LAME4) e Via (VIIA3), todas em queda de mais de 60% no ano.

Enquanto Magalu e Via repercutem principalmente os resultados fracos e prognósticos ruins, as Lojas Americanas também sofreram com o efeito de uma reestruturação societária mal recebida pelo mercado e que castigou os papéis nos últimos meses. Mas afinal, por qual motivo as ações não param de cair? 

Nesta quinta-feira (09), as ações das Lojas Americanas amargaram as duas maiores quedas do Ibovespa, de 9,24% para LAME4, que fechou em R$ 5,11, e 8,56% para AMER3, que fechou em R$ 27,97.

O Magazine Luiza (MGLU3) teve o terceiro pior desempenho do índice, recuando 7,78%, a R$ 6,28, enquanto a VIA (VIIA3) ficou com a quinta maior baixa, de 7,11%, a R$ 5,36.

1) Renda em queda histórica

Para contornar os efeitos da crise do coronavírus, diversas medidas foram tomadas pelos governos e Bancos Centrais, como um auxílio emergencial para famílias afetadas pela pandemia. No Brasil, a medida se prolongou até meados deste ano, mas o valor inicial de R$ 600 foi cortado pela metade.

Os últimos dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada no início de dezembro, mostram que, embora o desemprego tenha recuado para 12,6%, a renda sofreu a maior queda anual desde a criação da série histórica iniciada em 2012 - 11,1%. O país ainda registra mais de 13 milhões de desempregados. 

2) Pesando no bolso

A inflação não é um problema exclusivamente brasileiro. A interrupção nas cadeias de produção e escoamento de produtos e matérias-primas por conta da covid-19 gerou um movimento inflacionário em escala global, mas que parece atingir os países emergentes com mais força. 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado nos últimos 12 meses é de 10,67% até outubro. 

O dado pressiona as empresas do varejo, e estamos mais uma vez às vésperas da divulgação dos números de novembro. 

Além das pressões inflacionárias tradicionais, o setor de eletrodomésticos e eletrônicos também é afetado pela forte desvalorização do real frente ao dólar. No ano, a moeda americana avança mais de 7%. 

3) Dificuldade de acesso a crédito e trava no crescimento

Como resposta aos itens anteriores, o Banco Central brasileiro entrou em ação para segurar a elevação dos preços. Assim, a taxa básica de juros saiu de 2% ao ano em janeiro para 9,25% na reunião do Copom da última quarta-feira (08). 

Embora a elevação vista já fosse esperada, o BC empregou um tom mais duro no comunicado, já sinalizando que a primeira reunião de 2022 elevará a Selic acima do patamar de 10%, passando ao território significativamente contracionista. 

Bruno Madruga, head de renda variável da Monte Bravo Investimentos, aponta que a alta dos juros dificulta o acesso ao crédito pelo consumidor em um momento de crise. Além disso, as varejistas com maior exposição ao e-commerce são empresas em crescimento, que acabam tendo um custo mais elevado de dívida, o que tende a pressionar o caixa e as margens futuras. 

4) Dá para ficar pior

Outro dado divulgado nesta semana pressiona os papéis e promete continuar gerando mal-estar. As vendas no varejo recuaram pelo terceiro mês consecutivo, frustrando a expectativa dos economistas. 

Matheus Jaconeli, economista da Nova Futura Investimentos, aponta que a proximidade das festividades de final de ano não são um alívio para o setor. As vendas na Black Friday, pulverizadas ao longo do mês de novembro, ficaram abaixo do esperado, e o próprio Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (IBEVAR) aponta que o Natal também deve ser marcado por um desempenho aquém do esperado. 

Segundo o BTG Pactual, a desaceleração do e-commerce local tem ocorrido principalmente na venda de eletrônicos e por empresas que utilizam o próprio estoque para as vendas (chamado de 1P). A competição internacional é outra dificuldade, que leva as companhias locais a reduzirem suas margens para se manterem competitivas. 

De acordo com um estudo preditivo do IBEVAR, o crescimento no quarto trimestre deve ser tímido, de apenas 0,68% em comparação ao ano anterior. O número é sustentado pela categoria de veículos, combustíveis, produtos farmacológicos, artigos de uso pessoal e vestuário. 

Profecia não realizada?

Embora os últimos meses tenham sido complicados para os setores de varejo e tecnologia, o que adiciona uma pressão negativa extra, os analistas do BTG Pactual não acreditam que as projeções otimistas feitas no ano passado estavam erradas. 

Para Luiz Guanais, Gabriel Disselli e Victor Rogatis, o legado da mudança vista em 2020 não foi perdido com o tempo ruim dos últimos meses. Segundo os analistas, já era esperada uma queda no crescimento da principal métrica utilizada pelo setor, o Volume Bruto de Mercadorias (GMV). Além disso, o banco acredita que a desaceleração vista desde o segundo trimestre de 2021 mostrou números melhores do que o esperado. 

“Acreditamos que o e-commerce brasileiro deve crescer 26% este ano, após ter tido alta de 66% em 2020. O crescimento anual até 2025 deve ser, em média, de 24%, o que representaria 20% do total das vendas no varejo”. 

A recuperação das ações, no entanto, ainda pode demorar mais um pouco. Para o BTG, a tendência de queda deve seguir no curto prazo, mas o movimento de alta deve prevalecer no longo prazo, “com apenas alguns vencedores”. 

A razão do otimismo está na tendência de crescimento que deve se seguir (impulsionada pela baixa capilaridade vista no país quando comparado a outros mercados) e a consolidação vista no setor após a mudança do varejo físico para o online. 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa surfa no otimismo internacional e abre em alta; dólar é negociado abaixo dos R$ 5

RESUMO DO DIA: Os sinais de alívio da covid-19 na China devolveu o apetite de risco dos investidores nesta terça-feira (17). O tom menos agressivo dos representantes do Federal Reserve na tarde de ontem (16) também incentivam uma busca por barganhas nas bolsas hoje. Por aqui, o Ibovespa acompanha os debates envolvendo a PEC 63, […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Positivo (POSI3) e lucro de 2% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Positivo Tecnologia (POSI3), com entrada em R$ 7,87; veja a análise das ações

O melhor do Seu Dinheiro

Velozes e autônomos: desafio Imigrantes; veja a história do dia e outras oito notícias que mexem com os seus investimentos

Descubra tudo o que você precisa saber sobre os carros autônomos e o que é preciso para eles ganharem de vez as estradas brasileiras

BARGANHANDO EM PÚBLICO?

Elon Musk acha que o Twitter tentou enganá-lo, suspende negociação e exige clareza sobre número de contas falsas

Twitter e Elon Musk divergem sobre quantidade de usuários falsos e spams; empresa fala em 5%, bilionário acha que é bem mais

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior reagem ao alívio da covid-19 na China e sobem pela manhã; Ibovespa acompanha PEC que pode gerar até R$ 7,5 bi em novos gastos

A proposta de reajuste para juízes e procuradores acontece em meio à greve dos servidores do Banco Central e Receita Federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies