Menu
2021-03-15T19:42:19-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
bye bye brazil

JP Morgan está recomendando aos investidores trocarem Brasil por México; veja por quê

Para banco, deterioração da economia, riscos políticos e escalada da pandemia ofuscam fato de que ações estão baratas

15 de março de 2021
12:12 - atualizado às 19:42
México Fortaleza,,Brazil,-,June,17,,2014:,Mexican,Fans,Celebrating,During
Imagem: Shutterstock

O JP Morgan bem que queria continuar recomendando exposição ao mercado brasileiro aos investidores, mas a combinação de início prematuro da campanha presidencial, piora dos indicadores econômicos, especialmente inflação, e a escalada da pandemia foi demais para o banco, ofuscando o fato de as ações estarem baratas.

A situação fez com que os analistas Emy Shayo Cherman, Nur Cristiani, Diego Celedon, Pedro Martins Junior e Jainik Mody rebaixassem a recomendação para o mercado local de compra para neutro.

Ao mesmo tempo, eles elevaram a recomendação para o mercado do México para compra, citando a boa perspectiva de crescimento da economia (5,6%, sendo que eles veem viés de alta), puxada pela expectativa de expansão de 6,2% da economia dos Estados Unidos em 2021, que deve ajudar nas exportações mexicanas.

“Embora a gente reconheça que as ações [brasileiras] estão sendo negociadas a níveis relativamente baratos e o mercado pode ter um desempenho melhor assim que a vacinação acelerar, não estamos seguros a respeito de uma recomendação direcional [compra ou venda] considerando o aumento da volatilidade previsto daqui para frente”, diz trecho do relatório.

“E no contexto de maiores yields [dos títulos americanos] puxados pelo maior crescimento nos Estados Unidos, acreditamos que o México está em uma posição melhor para ter um desempenho superior na América Latina.”

Riscos maiores que recompensas

Os analistas do banco americano deram o benefício da dúvida ao mercado brasileiro após a intervenção promovida pelo presidente Jair Bolsonaro no comando da Petrobras, mantendo uma visão relativamente otimista, mas destacaram que estariam de olho na evolução do país para manter a recomendação de maior exposição para os investidores.

Eles escolheram três frentes para monitorar e decidir se mantinham a recomendação. E o que viram foi deterioração ou falta de avanço nesse temas:

  • Vacinação: embora demonstrem relativo otimismo, os analistas do JP Morgan afirmam que o processo de imunização da população contra a covid-19 está lento. Uma análise conservadora indica que pouco mais de 20% da população estará vacinada até a metade do ano, o que corresponde a todos os brasileiros acima de 60 anos e os trabalhadores de saúde na linha de frente. Até o final do ano, cerca de 65% da população deverá estar imunizada. “Neste momento, porém, o ritmo de vacinação está relativamente lento. Embora o país tenha capacidade para aplicar 2 milhões de doses por dia, está aplicando 2,4 milhões de doses por semana, com zero aceleração na semana que se encerrou, em comparação com a anterior”, diz trecho do relatório.
  • Reformas: o JP Morgan afirma que a possibilidade de as principais reformas estruturais passarem neste ano são “questionáveis”, citando as dificuldades que o governo deve enfrentar com as discussões a respeito do Orçamento de 2021. “Embora algumas mudanças devam ocorrer em questões micro, o avanço das principais reformas é bem questionável”, diz trecho do relatório.
  • Real: os analistas apontam que o risco-Brasil deve se intensificar com a antecipação do debate eleitoral de 2022, especialmente agora com a entrada do ex-presidente Lula na corrida. O aumento de risco, por consequência, resultará em desvalorização cambial e aumento da inflação (provocando perdas nos investimentos), forçando um aumento da taxa básica de juros, a Selic.

No caso da inflação, o JP Morgan afirmou que a dinâmica dos preços piorou, como foi visto no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro, admitindo a possibilidade de a inflação acelerar a 8% até metade do ano.

“Portanto, a discussão de política monetária está longe de acomodada: por um lado, a inflação está acelerando, e o real se beneficiaria de uma resposta mais dura em termos de política monetária. Por outro lado, o crescimento deve desacelerar ainda mais em meio à piora do ambiente pandêmico, ao mesmo tempo em que um aumento mais forte dos juros leva a um custo da dívida ainda maior”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies