Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-25T16:54:57-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Ibovespa não sustenta recuperação e cede mais de 2% com o peso de NY; dólar vai a R$ 5,51

De olho em Brasília, os investidores repercutem a ampliação da agenda de privatizações e a PEC Emergencial, que parece ter empacado no Senado

25 de fevereiro de 2021
10:40 - atualizado às 16:54
Touro e Urso, símbolos da bolsa, brigam no mercado financeiro em queda
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa começou o dia buscando uma terceira sessão de recuperação, mas o cenário externo e as dúvidas com relação ao quadro fiscal não permitiram ao índice se sustentar muito tempo no campo positivo nesta quinta-feira (25).

Acompanhando uma piora do clima também no exterior, com dados mistos da economia americana, a queda vem se acelerando desde o começo da tarde. Por volta das 16h55, o principal índice da bolsa brasileira operava em queda de 2,07%, aos 113.270 pontos. 

O dólar opera em forte alta perante as moedas de países emergentes em escala global. Por aqui, pesa também a preocupação com o cenário fiscal, o que leva a divisa a avançar 1,57%, a R$ 5,5060. O Banco Central chegou a atuar no mercado futuro na parte da tarde, mas o movimento trouxe pouco alívio ao cenário. 

O mercado de juros futuros segue pressionado pela alta dos títulos de longo prazo do Tesouro americano e também por novos sinais de que a inflação brasileira segue uma trajetória de alta. O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), conhecido como inflação do aluguel, desacelerou em fevereiro, mas ainda assim veio acima do esperado pelos analistas. O índice já acumula uma alta de 5,17% em 2021. 

Para os investidores, é cada vez mais certo que o aumento da taxa Selic, hoje em 2% ao ano, deve acontecer já na próxima reunião, em março. Confira os valores das principais taxas negociadas hoje:

  • Janeiro/2022: de 3,51% para 3,56%
  • Janeiro/2023: de 5,28% para 5,39%
  • Janeiro/2025: de 6,97% para 7,12%
  • Janeiro/2027: de 7,67% para 7,79%

Mostrando compromisso

O governo segue tentando sinalizar um comprometimento com a pauta liberal após a interferência do presidente Jair Bolsonaro no comando da Petrobras. Depois de entregar o texto da medida provisória que abre caminho para a privatização da Eletrobras, ontem foi a vez do presidente Jair Bolsonaro entregar um projeto de lei que abre caminho para a privatização dos Correios. 

Mas essa sinalização pode não ser o suficiente diante da indefinição que pesa sobre a PEC Emergencial que, inicialmente, seria votada hoje. Durante a tarde, o que era rumor virou realidade.

Segundo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a PEC só deve ser votada na próxima quarta-feira (3). A retirada do piso para gastos com saúde e educação tem sido motivo de embate no Senado, o que fez com que o relator do parecer, o senador Marcio Bittar, apresentasse uma nova versão, que ainda não agrada e que corre o risco de ser desidratado durante as negociações.

O texto é o caminho mais rápido para destravar as novas rodadas do auxílio emergencial e a falta de definição sobre ele e o risco de fatiamento da proposta aumenta a pressão sobre a questão fiscal brasileira. Cresce a chance de que apenas as cláusulas de calamidade, sem contrapartidas no curto prazo para financiar as medidas, sejam aprovadas.

Em entrevista coletiva nesta tarde, Pacheco confirmou que o ponto mais polêmico do texto e que deve ser rejeitado é a retirada do piso para gastos com saúde e educação, mas que existem outros aspectos remanecentes que podem ser aprovados sem polêmicas. O senador espera que a Casa aprove a pauta em dois turnos já na quarta-feira.

O peso de Wall Street 

A influência negativa do mercado internacional também limita a recuperação da bolsa brasileira. Em Nova York, os índices operam em queda, repercutindo a divulgação de dados mistos da economia americana e o recente aumento dos rendimentos dos títulos americano, o que também impulsiona o dólar por aqui. O Nasdaq é o índice americano  que apresenta o pior desempenho no momento, com recuo superior a 3%. 

O Índice de Volatilidade VIX, que normalmente mede a expectativa do mercado e é conhecido como um medidor do "medo" dos investidores dispara mais de 30%.

Embora exista um otimismo com a queda nos números de casos da covid-19 ao redor do mundo, os sinais preocupam e alimentam o medo de que os Bancos Centrais voltem a apertar as suas políticas monetárias. O tradicional número de pedidos semanais de auxílio-desemprego caíram mais do que o esperado, mas o índice de preços de gastos com consumo (PCE) apresentou uma alta acima da expectativa, o que alimenta novamente a preocupação com a escalada da inflação no país com novos estímulos no horizonte. 

As bolsas asiáticas fecharam em alta durante a madrugada, ainda repercutindo o compromisso do Federal Reserve em não ter pressa de retirar os estímulos da maior economia do mundo, o que também impulsiona as bolsas europeias nesta manhã. Além disso, no Velho Continente, os investidores também repercutem uma melhora do sentimento econômico na zona do euro. 

E a Petro?

A Petrobras, que chegou a trazer certo alívio ao Ibovespa no começo da sessão, segue sendo o centro das atenções, mas agora como destaque negativo. Os investidores começaram o dia de forma bem positiva, repercutindo o balanço do quarto trimestre, após a empresa registrar um lucro de R$ 7,1 bilhões em 2020. No entanto, os ruídos políticos envolvendo a estatal voltaram a pesar nos negócios. 

O presidente Jair Bolsonaro, que tem se esforçado para mostrar que não abandonou a agenda liberal, voltou a falar da estatal, cobrando previsibilidade na política de preços e defendendo o nome do indicado do governo para o comando da companhia, o general Joaquim Silva e Luna. Com isso, as ações da companhia passaram para o campo negativo e agora recuam  quase 2%

Sobe e desce

As Lojas Americanas lideram as altas do dia, após o anúncio de uma joint venture com a BR Distribuidora para lojas de conveniência, aumentando a capilaridade da companhia. 

Na sequência, temos a B2W, empresa que estuda uma fusão de negócios com as Lojas Americanas. A Eletrobras ainda colhe os frutos do encaminhamento da MP da privatização e segue entre os destaques. Confira as principais altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
LAME4Lojas Americanas PNR$ 27,433,12%
BTOW3B2W ONR$ 88,722,80%
COGN3Cogna ONR$ 4,002,56%
BRFS3BRF ONR$ 24,342,23%
ELET6Eletrobras PNBR$ 34,762,24%

Na ponta negativa da tabela, temos a Ultrapar, que divulgou os seus resultados trimestrais. Embora o lucro tenha vindo acima do esperado pelo mercado, outras linhas do balanço preocupam os analistas, como o Ebitda e o desempenho do Ipiranga. 

Segundo a analista Stefany Oliveira, da Toro Investimentos Ultrapar e Weg, carregam as maiores contribuições para a queda do índice nesta tarde, refletindo um movimento de realização de lucros pós-resultados trimestrais. Confira as principais quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
UGPA3Ultrapar ON      R$ 19,98-6,11%
WEGE3Weg ON      R$ 83,16-4,08%
PCAR3GPA ON      R$ 86,78-3,93%
SULA11SulAmérica units      R$ 35,27-2,97%
AZUL4Azul PN      R$ 43,79-2,58%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: impasse dos precatórios deve pressionar bolsa hoje antes dos dados do varejo nos EUA

Além disso, no radar ficam o risco fiscal antes da eleição de 2022 e os dados da economia dos Estados Unidos, com destaque para os pedidos de auxílio-desemprego

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies