Menu
2021-06-09T16:15:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Mercados hoje

Inflação salgada pressiona juros, mas Ibovespa acompanha NY e opera em alta; dólar sobe

A inflação também é destaque no exterior, já de olho na reunião de política monetária do Federal Reserve, que acontece na semana que vem

9 de junho de 2021
10:41 - atualizado às 16:15
Alta da inflação
Imagem: shutterstock

A inflação não sai das rodas de conversa do mercado já tem um bom tempo e nesta quarta-feira não poderia ser diferente já que temos novos dados do IPCA no Brasil e grande expectativa pela divulgação do índice de preços ao consumidor no exterior. 

Nesta quarta-feira (09), o índice oficial de inflação brasileiro mostrou uma aceleração acima do esperado pelo mercado, o que levou a bolsa brasileira a começar o dia estendendo o movimento de realização de lucros visto ontem. Uma melhora das bolsas americanas e o bom desempenho do setor de commodities, no entanto, fazem com que o Ibovespa trabalhe com uma alta confortável.

Por volta das 16h00, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 0,39%, aos 130.221 pontos. O dólar à vista, que começou o dia instável, se firmou em alta no fim da manhã, acompanhando a movimentação no mercado internacional. Por volta do mesmo horário, a moeda americana avançava 0,69%, a R$ 5,0642. 

Número salgado

O IBGE divulgou que o índice nacional de preços ao consumidor amplo (IPCA) subiu 0,83% em abril, acima de todas as estimativas dos analistas consultados pela Broadcast. Em 12 meses, o índice acumula uma alta superior a 8%. 

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) no radar, o número salgado reforça um novo aumento de 0,75 ponto-percentual da Selic na próxima reunião e aumenta as expectativas para a taxa básica de juros em 2021 e 2022. 

Segundo a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, a expectativa maior para a Selic se deve à leitura de que o Banco Central não irá cumprir a meta de inflação em 2021, mas deve se esforçar para conseguir o feito em 2022 - o que exige um aumento maior que o projetado pelo mercado até o momento. A economista também ressalta que embora exista um otimismo com a recuperação da atividade econômica, uma taxa de juros mais alta pode colocar um obstáculo para o próximo ano. 

Essa pressão toda movimenta o mercado de juros nesta tarde. Os principais contratos de DI operam em alta significativa. Confira:

  • Janeiro/2022: de 5,12% para 5,22%
  • Janeiro/2023: de 6,72% para 6,82%
  • Janeiro/2025: de 7,76% para 7,83%
  • Janeiro/2027: de 8,30% para 8,33%

O assunto é um só

A inflação também é destaque no exterior, já de olho na reunião de política monetária do Federal Reserve, que acontece na semana que vem. O mercado está em compasso de espera pela leitura de maio do índice de preços ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos, que deve ser divulgado amanhã. 

Em segundo plano fica o fracasso das negociações entre o governo Biden e republicanos para o novo pacote de infraestrutura proposto pelo presidente. 

As bolsas americanas começam o dia em alta, puxada por uma nova recuperação do setor de tecnologia, beneficiado pelo recuo dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA. Além disso, o Nasdaq é movimentado por mais um movimento orquestrado por pequenos investidores para inflar o preço de algumas ações ‘esquecidas’, em episódio semelhante ao que ficou conhecido como “efeito Game Stop”. 

Sobe e desce

As ações da Gol lideram as altas do dia após a companhia ter anunciado a aquisição da MAP Transportes Aéreos. Na sequência, o setor de commodities - principalmente metálicas e as petroleiras - operam em forte alta, sustentando o sinal positivo do Ibovespa. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
GOLL4Gol PNR$ 28,283,97%
TIMS3Tim ONR$ 12,823,30%
SUZB3Suzano ONR$ 59,692,77%
USIM5Usiminas PNAR$ 18,752,01%
GGBR4Gerdau PNR$ 31,891,75%

Depois de subir expressivamente ontem, repercutindo os dados melhores do que o esperado do setor de varejo, as empresas do segmento recuam com a pressão da alta da inflação. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
MULT3Multiplan ONR$ 26,41-2,83%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 20,59-2,19%
IGTA3Iguatemi ONR$ 43,98-2,09%
CPFE3CPFL Energia ONR$ 29,14-2,05%
BIDI11Banco Inter unitR$ 62,20-1,97%

Montanha-russa

O mercado de critptoativos, que sempre foi extremamente volátil, anda ainda mais agitado nos últimos tempos.

Depois de cair significativamente nos últimos dias, o bitcoin, ethereum e outras moedas digitais voltaram a subir forte com a notícia de que El Salvador utilizará o BTC como moeda princiapal. Acompanhe todos os movimentos do mercado de criptoativos na nossa cobertura especial.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ESTRADA DO FUTURO

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies