🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Bolsa, dólar e juros terminam o dia no vermelho com repercussão do Orçamento e novo plano Biden

Plano de Biden de aumentar impostos não agradou o mercado e a perspectiva de nova injeção de estímulos puxou para baixo o dólar. Já os juros futuros recuaram de olho na sanção do Orçamento

Jasmine Olga
Jasmine Olga
22 de abril de 2021
18:45 - atualizado às 19:52
tudo em queda, bolsa, dólar e juros
Imagem: Shutterstock

Em um movimento pouco frequente, a volta do feriado foi marcada por tudo no vermelho. Focando em pautas distintas, bolsa, dólar e juros fecharam o dia em queda - os dois últimos com uma movimentação mais expressiva do que a do Ibovespa. 

Ontem a bolsa estava fechada, mas os mercados internacionais tiveram um dia positivo. Por aqui, até começamos a sessão nos ajustando aos ganhos da véspera, mas não foi possível manter o ritmo. Conforme os negócios em Nova York se deterioraram, o leve otimismo com a sanção do Orçamento e com o discurso neutro de Bolsonaro na Cúpula do Clima deu lugar à cautela. 

O que afundou o dólar à vista e as bolsas globais nesta quinta-feira (22) foi o plano do presidente Joe Biden de aumentar drasticamente o imposto sobre ganho de capital. A medida deve ajudar a financiar os pacotes trilionários de estímulos que já foram anunciados e também reforçar um novo plano de estímulos às famílias americanas que deve ser anunciado na próxima semana e que também deve ser orçado na casa dos trilhões. 

Desde o começo da crise, injeção de dólar é o que não falta no mercado. A perspectiva de uma nova enxurrada da moeda acelera a depreciação da divisa perante os seus pares. Após o anúncio de Biden, o dólar à vista encerrou o dia em queda expressiva de 1,73%, a R$ 5,4546 - nível mais baixo desde fevereiro.

Na bolsa, a primeira parte do dia foi de alta volatilidade, mas a cautela passou a dominar com o temor de um leão mais voraz nos Estados Unidos. Com isso, o Ibovespa encerrou o dia em queda de 0,58%, aos 119.371 pontos. 

Leão voraz

Antes mesmo da corrida presidencial norte-americana ganhar corpo, um democrata no poder era visto pelo mercado como um risco para a elevação de impostos. Desde que assumiu a Casa Branca, Joe Biden não tem decepcionado. 

Para financiar os trilhões de dólares dos pacotes de estímulos, Biden já havia anunciado planos para mexer nos impostos corporativos. Hoje foi a vez de “atacar” os cidadãos mais abastados do país. Na próxima semana, é esperado o anúncio de mais US$ 1 trilhão para socorrer as famílias americanas. Desde o começo da crise, mais de US$ 4 trilhões já inundaram o mercado americano, o que leva a um enfraquecimento da moeda. 

Como financiar tudo isso? O imposto sobre ganho de capital deve sair da casa dos 20% e superar os 43%, com o objetivo de arrecadar cerca de US$ 170 bilhões em 10 anos. O governo democrata afirma que famílias que recebem menos de US$ 400 mil por ano não devem se preocupar, mas é possível que outros impostos também acabem sendo alterados. 

“Esses trilhões de dólares não entram no mercado do dia pra noite, mas o mercado vive de expectativas”, pontua Bruno Musa, economista e sócio da Acqua Investimentos. Isso ajuda a explicar a queda acentuada do dólar hoje e a cautela que predominou nas bolsas. As bolsas americanas fecharam com um recuo próximo de 1%. O Dow Jones caiu 0,94%, o S&P 500 recuou 0,92% e o Nasdaq teve queda de 0,94%. 

Nem mesmo a recuperação do mercado de trabalho americano animou. O número de pedidos de auxílio desemprego caiu para 547 mil na última semana - o menor nível desde o início da pandemia de coronavírus. Os índices em Wall Street chegaram a ensaiar uma recuperação, mas o aumento de impostos no horizonte falou mais alto.

Panorama global

As bolsas da Ásia fecharam majoritariamente em alta durante a madrugada, mesmo com alguns países da região voltando a encarar uma nova onda do coronavírus. Na Europa, os principais índices operam no azul, após o Banco Central Europeu (BCE) manter a sua política monetária inalterada, como já era esperado. 

Capítulo final

Eu sei que nas últimas semanas tenho dito repetidamente que a novela do Orçamento está chegando ao fim. É que as coisas (mais uma vez) não andaram no ritmo que o mercado estava esperando. Mas, dessa vez, o tema finalmente deve parar de obstruir as pautas no Congresso. 

Hoje termina o prazo para o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionar o projeto de Lei Orçamentária para 2021, uma novela que se arrasta há mais de cinco meses. Até a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022 já foi apresentada sem que tivéssemos um orçamento aprovado. 

O acordo que abriu caminho para que o texto seja sancionado (com cinco meses de atraso) trouxe um misto de sentimentos ao mercado. Por um lado, a ideia de deixar pelo menos R$ 125 bilhões fora do teto de gastos agrava a situação fiscal do país.

Por outro, os investidores estão aliviados com o fato de que a história finalmente teve um desfecho. Por melhor ou pior que seja, o Brasil precisava de um orçamento aprovado. O importante é tirar o risco de responsabilidade fiscal do radar e não comprometer a meta do déficit primário, ainda que o texto traga outras consequências no futuro.

Paulo Guedes é um dos descontentes, mas afirmou que, pelo menos agora, o Orçamento para 2021 é “exequível”. Os gastos que ficaram fora do teto incluem uma nova rodada do benefício para trabalhadores que tiverem os salários cortados (BEm) ou contratos suspensos e uma nova linha de crédito para micro e pequenas empresas (Pronampe). 

Vivendo de expectativas

Na expectativa de que o fim da novela do Orçamento destrave a agenda de reformas, os juros futuros encararam mais um dia de alívio expressivo - o que vem sendo uma tendência na última semana. 

O economista da Acqua Investimentos aponta, no entanto, que o arrefecimento do risco fiscal com a eventual sanção do orçamento é sim uma das razões para o movimento, mas é preciso notar que os juros vêm em uma alta absurda desde o começo do ano, principalmente após fevereiro e as sinalizações de que a Selic inicia o seu ciclo de normalização. 

Assim que um acordo começou a ser costurado entre Executivo e Congresso, as principais taxas refletiram essas expectativas. Com a sanção no radar, abriu-se um espaço para mais uma correção. Confira as taxas do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,69% para 4,62%
  • Janeiro/2023: de 6,38% para 6,19%
  • Janeiro/2025: de 7,98% para 7,72%
  • Janeiro/2027: de 8,63% para 8,37%

“A gente acha que as quedas recentes são expressivas, mas esquecemos que no ano os juros longos andaram mais ou menos 40%. A gente está tendo uma correção de cerca de 6% em 5 dias, mas ainda tem muito espaço para corrigir se houver uma melhora no quadro fiscal” - Bruno Musa, economista

Limpando a barra

A participação do Brasil na Cúpula do Clima, evento convocado pelo presidente americano Joe Biden, vem sendo acompanhada de perto pelos investidores. A forma como a questão ambiental vem sendo administrada no país é motivo de tensão, e a atuação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é criticada em todo o mundo.

Buscando limpar a imagem do país lá fora e incentivar o investimento estrangeiro no país, Bolsonaro fez um discurso que foi considerado neutro e sem novidades pelos analistas. Durante o pronunciamento, o presidente Jair Bolsonaro falou sobre os esforços brasileiros para reduzir os efeitos do aquecimento global, prometeu reduzir a emissão de gases até 2050 e eliminar o desmatamento ilegal. O presidente também falou em cobrança de "juro e remuneração pelos nossos serviços ambientais" e pediu ajuda internacional para financiar novas medidas. 

João Guilherme Penteado, CEO da Apollo Investimentos, aponta que a sinalização de maior rigor ambiental e aderência às políticas de conservação são positivas para a visão de outros países sobre o Brasil, mas o histórico atual do governo joga contra esse discurso. “Para maior previsibilidade sobre o impacto disso no mercado, antes precisamos ver se haverá medidas práticas a esse respeito.” 

Sobe e desce

Em um ajuste positivo após o feriado e na expectativa de números fortes do primeiro trimestre, as siderúrgicas subiram em bloco, favorecendo o desempenho do Ibovespa. Na sequência, tivemos Azul e Gol, empresas que se beneficiam do recuo do dólar e da expectativa de chegada de novas doses de vacinas contra o coronavírus - o Instituto Butantan anunciou o início da produção de mais cinco milhões de doses. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
USIM5Usiminas PNAR$ 22,305,79%
CIEL3Cielo ONR$ 3,865,75%
CSNA3CSN ONR$ 48,894,78%
GOLL4Gol PNR$ ,134,10%
GGBR4Gerdau PNR$ 33,393,47%

Seguindo o movimento visto no começo da semana, os papéis das Lojas Renner seguiram em forte queda, repercutindo a possível aquisição da Dafiti com os recursos da nova oferta de ações. As ações da Hapvida e da Intermédica recuam após a primeira ter anunciado o valor do seu follow on, com um desconto de quase 2% nas ações. Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
LREN3Lojas Renner ONR$ 41,05-5,41%
SUZB3Suzano ONR$ 69,60-3,72%
MULT3Multiplan ONR$ 23,20-3,05%
HAPV3Hapvida ONR$ 14,86-2,75%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 22,13-3,15%

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar