Menu
2021-04-10T08:32:21-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Novela do Orçamento é prorrogada e gera estresse – dólar absorve cautela e saldo da bolsa na semana é positivo

Embora o dia tenha sido de estresse para os ativos locais, a bolsa brasileira terminou a semana pós-Páscoa com um avanço de 2,10% e o dólar recuou

9 de abril de 2021
18:38 - atualizado às 8:32
Ruido TV
Imagem: Shutterstock

Reta final de novela é sempre aquela emoção. Ainda mais uma novela que teve o seu último capítulo adiado por meses por questões que ninguém poderia prever - como uma pandemia. Na ansiedade pelo fim, cada cena é acompanhada com o coração na boca e cada minuto pode trazer uma reviravolta diferente para a história. 

A novela das 9h se encerra hoje, mas a definição do Orçamento - a outra grande novela do momento - segue para mais uma semana decisiva. Assim como a trama global, as negociações em Brasília parecem um tanto atropeladas e estão longe de satisfazer o público - ou os investidores. Eu, que me descobri uma noveleira de mão cheia, acompanho bem de perto as duas. 

O Orçamento de 2021 já se encontra atrasado há mais de cinco meses, em um momento em que a situação fiscal do país está longe do ideal. Ao longo da semana, o compasso de espera pelo avanço das negociações no Congresso, a fim de evitar as acusações de “pedaladas fiscais” e também garantir o funcionamento da máquina pública, deixou a bolsa brasileira em banho-maria. 

Mas hoje, a notícia de que o parecer apresentado no Congresso abre caminho para que o texto seja sancionado sem vetos azedou o humor dos mercados, que até tentaram seguir um comportamento mais em linha com o visto no exterior. A tensão agora é se o presidente irá de fato vetar os trechos considerados problemáticos. 

O impasse parece longe do fim e, com isso, o Ibovespa foi às mínimas e o dólar à vista atingiu as máximas. A bolsa brasileira até conseguiu recuperar parte da queda, fechando o dia com um recuo de 0,54%, aos 117.669 pontos. Na semana, o índice garantiu um avanço de 2,10%, patrocinado principalmente pela reação positiva aos dados da economia norte-americana, que mostra estar no caminho da recuperação.

O dólar à vista, no entanto, não teve o mesmo comportamento. Após atingir as mínimas, a moeda americana se manteve praticamente estável, fechando o dia com uma alta expressiva de 1,81%, aos 5,6749. Na semana, a divisa recuou 0,71%. 

A indefinição da “novela” do Orçamento aumenta a percepção de risco fiscal. Mas não é o único fator que mexe com as emoções dos investidores. Nesta semana, o país voltou a registrar mais de quatro mil mortes diárias por conta do coronavírus, em um momento em que a fabricação de novas doses é interrompida pela falta de insumos. 

A incerteza em torno da vacinação gera incerteza sobre o futuro da recuperação econômica. Ainda que a imunização em massa venha sendo defendida pelo governo federal como ferramenta para sair da crise, faltam doses suficientes. O Ministério da Saúde decidiu hoje que não irá mais divulgar a previsão de doses de vacinas para o mês.

Lá vem o dragão

Esse cenário de incerteza fiscal pesa sobre a curva de juros, que ainda tem dados da inflação para repercutir - aqui e no exterior. 

O capítulo de hoje da história do mercado financeiro, aliás, foi todo dedicado ao ressurgimento do dragão, que parece avançar cada vez mais rápido. No exterior, as bolsas asiáticas e europeias repercutiram de forma negativa o avanço dos preços na China. Pela manhã, foi a vez de a inflação nos Estados Unidos trazer preocupação. 

É que com uma pressão inflacionária maior, ressurge o temor de um possível aperto monetário por parte dos Bancos Centrais. Ainda que o Federal Reserve (banco central americano) e o Banco Central Europeu (BCE) tenham reafirmado que manterão os graus de estímulos necessários até a recuperação plena em suas atas de reuniões, há poucos dias, o mercado tem lá suas dúvidas. De olho na possibilidade de elevação de juros mais cedo, o rendimento dos Treasuries voltou a subir após um período de trégua. 

Isso não impediu a bolsa americana de fechar no azul. O Dow Jones e o S&P 500 renovaram as suas máximas históricas de fechamento ao subirem 0,89% e 0,77%, respectivamente. O Nasdaq avançou 0,51%.

Por aqui, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do IPCA de março, com um número que veio em linha com o piso das estimativas do mercado. Ariane Benedito, economista da CM Capital, aponta que, embora o índice tenha vindo abaixo do esperado, o acumulado em doze meses segue alto, em 6,1%.  

Mesmo que a inflação puxe a curva de juros, a economista aponta que o cenário fiscal é o que mais estressa o mercado, que já anda de olho em 2022. Assim, depois de um alívio nos últimos dias, as taxas DI voltaram a ter uma alta expressiva nesta sexta. Confira o fechamento do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,66% para 4,72%
  • Janeiro/2023: de 6,48% para 6,55%
  • Janeiro/2025: de 8,11% para 8,28%
  • Janeiro/2027: de 8,75% para 8,93%

Olha a lombada! - parte I 

De tempos em tempos ele está de volta. Como se Brasília já não gerasse ruídos suficientes, o presidente Jair Bolsonaro também deu a sua contribuição nesta semana, trazendo mais uma vez o temor de uma ingerência nas estatais - um temor que nunca vai realmente embora, pois sempre tem um ruído novo para resgatar o sentimento.

No evento de posse do novo diretor-geral de Itaipu - substituto de Joaquim Silva e Luna, o indicado do governo ao comando da Petrobras -, Bolsonaro aproveitou para exaltar os feitos da gestão de Silva e Luna e também comentar sobre o futuro da Petrobras. 

O presidente até tentou um discurso mais ameno, afirmando que não iria interferir nos preços da estatal, mas acabou cedendo e falou sobre possíveis mudanças na cobrança do ICMS sobre combustíveis e também na política de preços da Petrobras, para algo que traga uma maior previsibilidade. Para utilizar as palavras do presidente, "podemos mudar essa política de preços na Petrobras". 

O comentário pesou sobre as ações da estatal e também sobre o Ibovespa, impedindo que a bolsa brasileira anotasse uma alta maior na quinta-feira (09). 

Olha a lombada! - parte II 

Outro fator que gera ainda mais ruídos e incertezas é a instauração de uma CPI para apurar possíveis omissões do governo federal durante a pandemia de covid-19, feita pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso. A decisão monocrática já foi contestada pelo presidente via Twitter. 

A leitura dos analistas é que a CPI deve desviar as atenções do Congresso de medidas mais urgentes, como o texto do Orçamento e as reformas, vistas como essenciais para destravar a economia brasileira. 

A economista da CM Capital, aponta, no entanto, que a situação acabou ficando em segundo plano diante do impasse com relação ao Orçamento. 

Sobe e desce

Na semana, a Yduqs, empresa do setor de educação, foi o principal destaque. Ainda que fragilizado pela crise, o mercado enxerga alguns papéis do segmento como “barganhas” na bolsa. Também merece destaque o setor de siderurgia, que segue acompanhando a estimativa de maior demanda por minério de ferro com a ampliação de obras de infraestrutura no exterior, principalmente nos Estados Unidos e na China. Vale lembrar que o presidente americano acabou de apresentar um pacote de investimentos de US$ 2 trilhões. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
YDUQ3Yduqs ONR$ 31,2917,45%
CSNA3CSN ONR$ 43,0917,09%
USIM5Usiminas PNAR$ 19,2015,59%
EMBR3Embraer ONR$ 15,9614,82%
BRAP4Bradespar PNR$ 68,898,59%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CSAN3Cosan ONR$ 89,19-3,94%
LREN3Lojas Renner ONR$ 41,50-3,31%
ENGI11Engie unitsR$ 42,94-2,89%
BBAS3Banco do Brasil ONR$ 29,19-2,54%
CCRO3CCR ONR$ 12,60-2,40%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies