Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-02T18:59:52-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Reforma tributária segue indigesta, mas Ibovespa acompanha Wall Street e apaga as perdas da semana; dólar sobe mais de 2%

O payroll divulgado hoje puxou as bolsas americanas e abriu caminho para que o Ibovespa também se recuperasse com uma alta de 1,56%, aos 127.621 pontos; O dolar operou instávekl durante a maior parte do dia

2 de julho de 2021
18:46 - atualizado às 18:59
dor de garganta, indigesto, entalado
Imagem: Shutterstock

Poucas sensações são tão irritantes e desconcertantes quanto aquele fiapinho preso na garganta que não desaparece de jeito nenhum. Não tem pigarro, água ou simpatia que alivie o desconforto e para prevenir danos maiores, é sempre bom agir com cautela. 

Se você sabe do que estou falando, vai entender com facilidade a postura adotada pelo mercado financeiro nos últimos dias. A reforma tributária simplesmente não desceu como deveria. 

Na sexta-feira (25) passada, a equipe econômica entregou a segunda parte da reforma que conta com alterações na tabela de imposto de renda para pessoas físicas e mudanças significativas na forma de tributação das companhias e dos investimentos. O mercado reagiu mal no dia do anúncio e seguiu desconfortável com o texto ao longo da semana - é que os cálculos apontam para um possível aumento da tributação. 

Arthur Lira e Paulo Guedes bem que tentaram desfazer algumas confusões e vieram a público afirmar que ainda tem muito chão até o texto final e que existe “gordura para queimar” na proposta apresentada. Ou seja, os números apresentados ainda podem mudar. 

Os analistas estão cientes de que esse é um tema que deve se arrastar por todo o segundo semestre, mas isso não impede que a volatilidade da bolsa acompanhe as tratativas no Congresso. E aqui encontramos o segundo ponto de desconforto: os desdobramentos da CPI da covid-19, que implica o presidente Jair Bolsonaro e membros importantes do seu governo em um esquema de superfaturamento de vacinas durante a pandemia. Uma desestabilização da base governista pode interromper a agenda de reformas.

Os dois temas preocupam e não saíram da cabeça do mercado. Para Iago Souza, analista de investimentos da Warren, a reforma tributária pesa muito mais já que, na visão do analista, existe “disse me disse” que acaba atrapalhando a digestão dos fatos. Se a bolsa fosse somente um reflexo de Brasília, o resultado da semana teria sido diferente. Mas hoje tivemos Wall Street para ajudar.

Com o mercado de trabalho americano mostrando uma recuperação acima da esperada e o Federal Reserve reafirmando o seu compromisso de manter sua política econômica inalterada, Nova York celebrou novos recordes e o Ibovespa conseguiu reverter os excessos dos últimos dias. O principal índice da bolsa brasileira apagou as perdas dos dias anteriores e finalizou a semana quase no zero a zero, com uma leve alta de 0,29%. Hoje, o avanço foi de 1,56%, aos 127.621 pontos. 

O dólar à vista, no entanto, não teve o mesmo comportamento. Pela manhã, a divisa até tentou seguir o movimento do exterior e chegou a recuar mais de 1%, mas o agravamento da crise política falou mais forte. A Procuradoria-Geral da União sinalizou que pretende ouvir os envolvidos nos possíveis crimes de prevaricação, trazendo instabilidade ao câmbio.

No fim, o dólar à vista fechou em leve alta de 0,16%, a R$ 5,0533, em uma semana que foi marcada pela retomada do patamar dos R$ 5 e um avanço de 2,34%. 

Ao longo da semana, os atritos políticos e a preocupação com os efeitos da crise hídrica na inflação pressionaram o mercado de juros, mas hoje o dia foi de alívio. Confira as taxas do dia:

  • Janeiro/22: de 5,71% para 5,68%
  • Janeiro/23: de 7,12% para 7,07%
  • Janeiro/25: de 8,17% para 8,15%
  • Janeiro/27: de 8,62% para 8,60%

O evento da semana

Depois de uma semana com o pé no freio, o mercado finalmente chegou ao dia da divulgação do payroll, relatório de emprego norte-americano que é um dos mais importantes termômetros da atividade. 

A expectativa era de que fossem criados 800 mil novos postos de trabalho, mas esse teto foi superado. Segundo o Departamento de Trabalho americano, foram criadas 850 mil novas vagas, marcando o menor nível desde o início da pandemia. 

O número até poderia ter sido visto como um sinal de que o aquecimento da economia pode levar a uma mudança na política de estímulos do Fed, mas o número de novas vagas veio acompanhado de dados que permitiram aos investidores ficarem com o pé no chão. A taxa de desemprego subiu e não houve uma melhora no valor da hora média trabalhada pelos investidores, o que limita a leitura de uma inflação que não seja transitória. 

O analista da Warren ressalta que além desses fatores, uma recuperação robusta nos Estados Unidos também leva a um progressivo aumento de expectativas ao redor do mundo e que o discurso de juros estáveis até pelo menos 2022 já está incorporado - pelo menos por agora.  

E foi nesse cenário que o S&P 500 e o Nasdaq renovaram os seus topos históricos mais uma vez ao subirem 0,75% e 0,81%, respectivamente. O Dow Jones também fechou o dia em alta, com um avanço de 0,44%. 

Apague a luz

Não é só o texto indigesto da reforma tributária, crimes de corrupção e crises políticas que seguram o Ibovespa. O futuro da conta de energia também tem reflexo na bolsa (e no seu bolso). 

A crise hídrica deve obrigar a compra de energia de termelétricas e usinas eólicas, com um custo mais elevado. É por isso que a Aneel divulgou um reajuste na tarifa de energia da bandeira vermelha 2 em cerca de 52%. E pode vir mais por aí. 

Embora esse ajuste salgue a conta de luz e pressione o índice oficial de inflação ainda mais, essa não é a única consequência do problema. 

Souza explica que embora não acredite em um racionamento nos moldes dos ocorridos em 2001, o receio de um racionamento pode acabar freando o crescimento da economia. Vale lembrar que, no momento, o mercado está otimista e segue revisando para cima semanalmente as projeções no boletim Focus. 

Sobe e desce

Com as malas quase prontas para o Nasdaq, as ações do Banco Inter lideraram as altas da semana após a companhia realizar uma bem sucedida oferta de ações que não só levantou mais de R$ 5 bilhões, mas também marcou a entrada da empresa de maquininhas e pagamentos digitais Stone no corpo de acionistas. 

A PetroRio aproveitou a alta do petróleo. A commodity sobe na expectativa pela decisão da Opep+ sobre o futuro da produção. A Braskem também foi um dos destaques, repercutindo o otimismo do mercado com a possível venda da fatia pertencente a Novonor (ex-Odebrecht) na petroquímica. Confira:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BIDI11Banco Inter unitR$ 78,8912,70%
PRIO3PetroRio ONR$ 21,3011,64%
BRKM5Braskem PNAR$ 59,827,94%
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 31,546,66%
BRDT3BR Distribuidora ONR$ 29,396,56%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BRFS3BRF ONR$ 26,86-5,69%
JHSF3JHSF ONR$ 7,17-5,53%
COGN3Cogna ONR$ 4,34-5,45%
BRML3BR Malls ONR$ 10,04-5,28%
IGTA3Iguatemi ONR$ 40,00-4,83%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

cardápio do dia

Fleury, EcoRodovias e Localiza: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Companhias registram forte aumento no lucro, confirmando tendência entre empresas do Ibovespa

Fechamento do dia

Bolsa, dólar e juros fecham o dia no vermelho, com balanços no radar e Wall Street em alta

Em movimento raro, bolsa, dólar e juros fecharam o dia no vermelho. É que enquanto o apetite por risco reinava no exterior, os balanços levaram o Ibovespa a um movimento de correção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies