Menu
2021-05-31T18:26:26-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Maio positivo

Ibovespa sobe 6,1% no mês, renova as máximas e deixa a maldição de maio para trás

O Ibovespa renovou os recordes de fechamento e intradiário pelo segundo dia seguido, fechando o mês sem qualquer sinal de assombração

31 de maio de 2021
18:26
Ibovespa bolsa dólar maldição maio
Imagem: Shutterstock/Seu Dinheiro

O mercado financeiro é supersticioso. Em dia de vencimento de opções, tome cuidado com gatos pretos; em véspera de decisão do Copom, não passe debaixo de escadas; em maio, venda tudo e vá embora — o conhecido sell in May and go away. Mas, veja só: o Ibovespa mostra que não há maldição que dure para sempre.

Afinal, a má sorte passou longe da bolsa brasileira. O Ibovespa fechou o pregão deste 31 de maio em alta de 0,52%, aos 126.215,73 pontos, acumulando ganhos de 6,16% no mês. Mais que isso: o índice cravou um novo recorde de encerramento em termos nominais.

Um desempenho que, em grande parte, se deve à valorização das commodities em escala global, puxando para cima as ações da Vale e das siderúrgicas. Mas, independente disso, fato é que a bolsa segue avançando depois do crash em março de 2020.

Tanto é que, desde o começo do ano, o Ibovespa já acumula ganhos de 6,05% — vale lembrar que, em 2020, o principal índice da bolsa brasileira subiu 2,92%.

E mesmo o mercado de câmbio teve um mês bastante tranquilo, sem nenhuma influência de forças sobrenaturais. Pelo contrário: fatores completamente mundanos fizeram o dólar à vista fechar maio com uma queda acumulada de 3,81%, a R$ 5,2249 — hoje, a moeda americana subiu 0,25%.

Maldição furada no Ibovespa

Maio tem má fama entre os investidores: entre toques de piada e misticismo, muitos cruzam os dedos antes de finalizar as ordens no home broker. Afinal, eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem.

Só que uma rápida consulta ao histórico do Ibovespa nos mostra que o tal do sell in May and go away é meio furado. Nos últimos três anos, o Ibovespa sempre terminou o mês no campo positivo.

Ibovespa maio

Naturalmente, o comportamento da bolsa é fruto do contexto macro que se verifica num determinado período — e, tanto no exterior quanto no Brasil, as condições mostraram-se mais favoráveis para a bolsa nos últimos 31 dias.

Commodities em alta, fluxo de recursos estrangeiros, avanços nas pautas econômicas no Congresso — tudo isso deu sustentação ao mercado local e amenizou eventuais fatores de pressão, como as dúvidas quanto à situação fiscal do país.

"Se a gente olhar para os mercados globais, tivemos um mês bem positivo para os ativos de risco de forma geral", diz Rafael Passos, sócio da Ajax Capital, destacando que o tripé entre juros americanos em acomodação, commodities fortes e dólar fraco foi fundamental para o bom desempenho do Ibovespa.

E, de fato, o minério de ferro foi a estrela dos mercados mundiais em maio. A commodity chegou a superar a inédita barreira dos US$ 200 a tonelada, puxando todo o setor de mineração e siderurgia para o alto. Nos últimos dias, os preços recuaram das máximas, mas ainda estão em níveis elevados.

Os contratos futuros do minério de ferro com vencimento em junho (TIOM21), por exemplo, fecharam a última sexta (28) a US$ 184,63, acumulando ganhos de 2,7% em maio; a tonelada da commodity física negociada no porto chinês de Qingdao era negociada a US$ 198,83 hoje — em 30 de abril, valia US$ 188,85.

Nesse cenário de rali do minério, as ações ON da Vale (VALE3) subiram mais de 5% em maio, acumulando ganhos de 37% em 2021. E, não custa nada lembrar: os papéis da mineradora respondem, sozinhos, por mais de 12% da carteira do Ibovespa entre maio e agosto.

Composição do Ibovespa

Ou seja: a ação mais importante do Ibovespa teve um mês (e está tendo um ano) muito benéfico — o que, por si só, explica boa parte do momento positivo atravessado pelo índice.

Mas não só isso: Passos ressalta que, no âmbito doméstico, um clima ligeiramente mais ameno em Brasília também ajudou a levar o Ibovespa às máximas.

"A agenda de reformas está sendo discutida novamente. Seja tributária, seja administrativa, a gente vê um ganho de tração nas duas casas [Câmara e Senado]", diz o sócio da Ajax.

Ibovespa em 2021: novo recorde no fechamento de maio

Alívio no dólar

No mercado de câmbio, o dólar tem passado por uma certa reversão de expectativas: no começo do ano, muitos colocavam o nível dos R$ 6,00 como uma questão de tempo. Mas, já há alguns meses, a moeda americana vem recuando, aproximando-se dos R$ 5,20.

"É basicamente uma questão de fluxo", diz Jefferson Rugik, diretor da corretora Correparti. "A gente teve um fluxo positivo [de recursos], o mundo tá com uma liquidez exagerada".

Além disso, ele cita a própria elevação da Selic, de 3% para 3,5% ao ano, como um fator de atração para o investimento estrangeiro — níveis que ainda estão historicamente baixos, mas que podem ter chamado a atenção para alguma operação de arbitragem.

Por fim, Rugik também elenca o ambiente interno menos turbulento, especialmente no que diz respeito às preocupações fiscais.

Quanto ao mercado de juros, as curvas de curto prazo seguem se ajustando às indicações do Copom em relação à Selic e às modificações vistas no boletim Focus — hoje, o documento trouxe pela primeira vez uma previsão de juros a 5,75% ao fim de 2021. Veja como encerraram os DIs mais líquidos:

  • Janeiro/2022: de 5,04% para 5,07%;
  • Janeiro/2023: de 6,61% para 6,70%;
  • Janeiro/2024: de 7,38% para 7,47%;
  • Janeiro/2025: de 7,83% para 7,89%.

Altas e baixas

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira:

CÓDIGONOMECOTAÇÃOVARIAÇÃO
CSAN3Cosan ONR$ 23,376,61%
ENEV3Eneva ONR$ 18,464,59%
RADL3Raia Drogasil ONR$ 28,183,11%
VALE3Vale ONR$ 114,782,86%
TOTS3Totvs ONR$ 34,472,74%

Confira também as cinco maiores quedas do índice hoje:

CÓDIGONOMECOTAÇÃOVARIAÇÃO
BRKM5Braskem PNAR$ 50,07-3,23%
EQTL3Equatorial ONR$ 24,73-2,71%
SBSP3Sabesp ONR$ 39,13-2,08%
IGTA3Iguatemi ONR$ 43,25-2,61%
ENGI11Engie unitsR$ 46,47-1,59%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do Seu Dinheiro

A rima das commodities, último capítulo da novela da MP da Eletrobras e outros destaques

A história não se repete, mas rima. Se Mark Twain fosse um analista do mercado financeiro, provavelmente seria um grande especialista em ciclos econômicos. Logo no começo da crise da covid-19, quem ousasse falar em investir em commodities ou ações de empresas produtoras de matérias-primas seria taxado de louco. As cotações de todas elas — […]

SINAIS DO BC

COMPARATIVO: Veja o que mudou na ata da reunião do Copom

Veja o que mudou e o que permanece igual na ata da última reunião do Copom — o BC elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano

Outro escorregão

Bitcoin perde os US$ 30 mil, menor patamar desde janeiro; Confira como anda o mercado cripto

Isso motivou a queda das dez principais criptomoedas do mercado, em especial do Dogecoin, que cai quase 25%

Percepção positiva

Abegás defende contratar térmicas e diz que MP da Eletrobras é ‘alavanca’ para mercado de gás

A associação afirma que a MP irá contribuir para geração de renda, com distribuição de royalties e fundo de participação, impulsionando a economia e gerando empregos

Cabo de guerra

Cresce movimento contrário à divisão da Oi Móvel entre Vivo, TIM e Claro

Empresas concorrentes e associações reforçam tese de que o mercado e a infraestrutura de serviços de telecomunicações ficarão com alta concentração

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies