Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-10T10:57:35-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Dia de quedas

Itaú (ITUB4), Taesa (TAEE11), Bradesco (BBDC4) e outras: boas pagadoras de dividendos despencam com a reforma do IR; entenda

Ações dos bancões e de empresas do setor elétrico, especialmente as transmissoras, são afetadas pela taxação de dividendos na reforma do IR

2 de setembro de 2021
13:55 - atualizado às 10:57
Montagem mostra leão gigante saindo pela porta da B3/Ibovespa
Aumeto do IOF foi uma medida para pagar o Bolsa Família turbinado e deve refletir nos mercados hoje - Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

Num dia em que o Ibovespa operou em queda de mais de 1% durante a manhã, empresas conhecidas por serem boas pagadoras de dividendos amargam perdas particularmente intensas. Ações de bancos e de empresas do setor elétrico figuram entre os destaques negativos do Ibovespa nesta quinta-feira (02).

Não deixe de conferir a nossa cobertura de mercados desta sexta-feira (10)

Essa reação negativa, naturalmente, está relacionada à aprovação do texto-base da reforma do Imposto de Renda na Câmara: entre outros pontos, o projeto estimula uma taxação de 20% sobre os proventos pagos pelas empresas aos acionistas.

Assim, ações de companhias que têm nos dividendos um de seus chamarizes sofrem uma correção mais intensa. É o caso dos bancões: Itaú Unibanco PN (ITUB4), Bradesco PN (BBDC4), Banco do Brasil ON (BBAS3) e Santander Brasil units (SANB11) caem mais de 2% — vale lembrar que o setor tem um peso importante na composição do Ibovespa e, assim, ajuda a puxar o índice para baixo.

As transmissoras de energia, tradicionais boas pagadoras de proventos, também são penalizadas — como os fluxos de caixa dessas empresas são muito previsíveis, a distribuição de dividendos é uma alternativa para atrair investidores:

  • Taesa units (TAEE11): -0,26%
  • Energisa units (ENGI11): -1,46%
  • Equatorial ON (EQTL3): -0,87%
  • CPFL Energia ON (CPFE3): -0,33%

Confira também no nosso Instagram, onde entregamos as principais notícias, análises de investimentos, insights do mercado financeiro e oportunidades da bolsa (aproveite para nos seguir clicando aqui):

Como está, o texto da reforma não é exatamente um problema para o mercado — com exceção, é claro, da parte dos dividendos. O que fica na mira dos investidores são os 26 destaques que devem ser votados ainda hoje no plenário da Câmara e que podem alterar o texto-base, retirando alguns pontos que são considerados favoráveis pelos investidores.

VAGA GRATUITA: Acesse nosso grupo no Telegram, com análises de investimentos, notícias em tempo real importantes para o seu patrimônio, insights para sua carteira, comentários em áudio e muito mais. É só clicar aqui.

Segundo o texto, a reforma deve afetar principalmente empresas com faturamento entre de R$ 4,8 milhões e R$ 74 milhões e ficam de fora da isenção de dividendos. Jansen Costa, sócio da Fatorial Investimentos, afirma que o mercado está digerindo os principais pontos da proposta hoje e isso deve manter o mercado em compasso de espera — o que ajuda a explicar o recuo do Ibovespa e o mau humor generalizado na bolsa.

Confira as maiores quedas do dia:

NomeCódigoPreço (R$)Variação
Eletrobras ONELET337,41-3,28%
Ambev ONABEV316,75-2,95%
Grupo Natura ONNTCO351,10-2,89%
Yduqs ONYDUQ325,05-2,76%
Via ONVIIA39,99-2,73%

Dentro dessa lista, Ambev ON (ABEV3) também se destaca como boa pagadora de dividendos. Já Eletrobras ON é afetada por uma série de fatores: embora não seja uma tradicional distribuidora de proventos, ela é parcialmente afetada pela reforma do IR; além disso, notícias quanto a manobras do governo com a estatal para tentar aliviar a alta na conta de luz para 2022 caem mal entre os investidores.

Panorama geral e a “tempestade perfeita”

Marcio Lorega, head de research e economia do Pagbank, vai além. Ele afirma que o tapering, a retirada de estímulos do Federal Reserve, o BC americano, pode afetar a entrada de recursos na bolsa brasileira. 

Entretanto, o Ibovespa tem constantemente se deslocado do exterior, que reagiu com certa indiferença à retirada dos estímulos. As bolsas de Nova York têm renovado constantemente as máximas históricas, e o índice brasileiro operou na contramão a maior parte do tempo no mesmo período.

E isso é explicado pelo cenário interno. Até pouco tempo atrás, existia pouca sinergia entre o Congresso e o governo federal, o que colocava dúvidas sobre a aprovação da reforma. Outro ponto importante são as concessões feitas para formar alianças e aprovar as propostas do governo. 

A PEC dos Precatórios, o novo Bolsa Família — agora chamado de Auxílio Brasil —, o possível entrave na privatização dos Correios e as eleições de 2022 criam uma “tempestade perfeita” para injetar cautela no mercado. 

O que dizem os especialistas

A reforma tributária chegou como uma esperança para os investidores, como uma forma de simplificar o sistema brasileiro. Alamy Candido, sócio do Cândido Martins Advogados, comenta que a proposta deveria trazer uma neutralidade para a arrecadação nacional. 

Ou seja, o contribuinte não pagaria mais impostos e o governo não deixaria de arrecadar. Entretanto, a reforma entregue de maneira “fatiada” acabou sendo desidratada e o texto original deixou de cumprir seu papel. 

Alamy Candido ainda destaca que o imposto deve sair das empresas e passar para os investidores, que devem arcar com uma cobrança de 20% sobre lucros e dividendos. “Eu sou a favor da taxação, mas em outros países ela é de 10% a 15%”, comenta ele. 

Confira os principais pontos da proposta:

  • Corte de 7 pontos percentuais na alíquota do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ);
  • Redução de 1 ponto percentual na alíquota da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), mas a queda está condicionada à revogação do PIS/PASEP e da Cofins;
  • Taxação de lucros e dividendos em 20% (há um destaque que propõe uma alíquota de 15%);
  • Fim da dedutibilidade do IR de Juros sobre Capital Próprio (JCP) das empresas;
  • Aumento de 4% para 5% a alíquota sobre matérias primas como ferro, cobre, bauxita, ouro, manganês, caulim e níquel, incluindo nióbio e lítio no rol dos minérios tributáveis pela Compensação Financeira por Exploração Mineral (CFEM);
  • Para Pessoa Física, a faixa de isenção sobe de R$ 1.903,98 por mês para R$ 2.500,00 por mês e ajustes nas demais faixas de renda, o que deve beneficiar 5,6 milhões de contribuintes.
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies